Jornal do Commercio
SEMELHANÇAS

Copa: adversários na semifinal, Bélgica e França possuem jogo parecido

Partida marcará ainda o encontro entre colônia e colonizadores

Publicado em 07/07/2018, às 08h36

Lukaku e Mbappé são as principais peças de Bélgica e França, respectivamente / AFP
Lukaku e Mbappé são as principais peças de Bélgica e França, respectivamente
AFP
Matheus Cunha
Twitter: @matheuscunha08

Ao vencer o Brasil por 2x1, nesta sexta-feira, em Kazan, a Bélgica não só voltou à semifinal da Copa do Mundo depois de 32 anos (última vez havia sido em 1986, no México), mas também garantiu o confronto contra um dos seus colonizadores: a França. Também ontem, os franceses venceram o Uruguai por 2x0. Na próxima terça-feira, em São Petersburgo, os europeus colocarão em campo dois estilos de jogo parecidos, mas longe de ser uma herança do período colonial, encerrado em 1830. Semelhanças que também possuem suas diferenças.

A vitória contra o Brasil serviu para credenciar uma seleção antes vista apenas como favorita diante os países emergentes no futebol. A seleção canarinho foi a primeira grande adversária dos Diabos Vermelhos na Rússia, que antes só haviam enfrentado Tunísia, Panamá, o time reserva da Inglaterra e o Japão. O triunfo anima os belgas, que chegam a São Petersburgo renovados, sem o peso de não terem vencido uma grande seleção do mundo.

A França chega mais gabaritada à semifinal e talvez esbanjando um favoritismo maior do que o da antiga colônia. Os Azuis já eram apontados - antes mesmo da Copa começar - como um dos candidatos ao título. Possuem um time jovem, com a média de idade de 25,5 anos. Mas é justamente no mais novo entre os 23 franceses que estão na Rússia (Mbappé, de 19 anos) que mora a esperança de gols e boas jogadas.

Essa juventude é uma das semelhanças entre Bélgica e França. Os belgas possuem uma média de idade superior a do adversário (27,2 anos). O jogador mais velho do plantel de Roberto Martínez é o zagueiro Thomas Vermaelen, de 32 anos. Pelo lado azul, o “vovô” é o goleiro reserva Steve Mandanda, de 33.



Outro ponto que assemelha os europeus é a velocidade e o jogo aéreo. A Bélgica abusou de jogadas pelo alto contra o Brasil, apostando, claro, na estatura dos seus jogadores. Esse também foi o caminho encontrado para vencer o Japão, pelas oitavas de final. Foram dois gols de cabeça e outro de contra-ataque. Por mais alto que seja (mede 1,90m), o centro-avante Lukaku, assim como De Bruyne, tem papel importante na hora de armar as jogadas em velocidade. A França, ontem, levou vantagem neste ponto contra o Uruguai, seleção que tem nas bolas cruzadas na área uma das suas maiores características. O gol de Varane, que abriu o placar para a vitória por 2x0, veio de um cabeceio do defensor francês entre os zagueiros sul-americanos. Mbappé atua muitas vezes como o “motorzinho” do time.

DEFESA É A PRINCIPAL DIFERENÇA

As diferenças se tornam mais evidentes quando se observa o sistema defensivo de cada equipe. Por mais que os Diabos Vermelhos tenham sido consistentes defensivamente contra o Brasil, usando uma linha de quatro jogadores na entrada da área e muitas vezes ganhando o reforço de um quinto homem, não apresentam a mesma solidez francesa.

A equipe do técnico Didier Deschamps teve a rede balançada quatro vezes na Rússia, enquanto que os colonizados foram vazados em cinco oportunidades. Bem verdade que os números são próximos, mas a forma como os gols saíram é diferente. A Bélgica se mostrou frágil com a bola na frente da sua área, contra o Japão. Também teve uma recomposição lenta. Enquanto que a França foi “vítima” de golaços, como o de Di Maria nas oitavas de final. Ou o de pênalti, marcado por Jedinak, da Austrália, na fase de grupos.

A Bélgica, por mais que seja independente há quase dois séculos, dependeu do futebol francês em diversos momentos da sua história. Agora busca outra independência. Esta no futebol. E dentro de campo.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.
JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM