Jornal do Commercio
mulheres no comando

Mulheres estão no comando no futebol da Croácia

A presidente da Croácia Kolinda Grabar fez questão de assistir aos jogos da seleção nas arquibancadas. Ela vem roubando a cena na Copa do Mundo da Rússia

Publicado em 12/07/2018, às 18h41

Kolinda ao lado do presidente da Fifa, Gianni Infantino / AFP
Kolinda ao lado do presidente da Fifa, Gianni Infantino
AFP
JC Online

A torcedora número 1 da Croácia é também a presidente do país. No próximo domingo, Kolinda Grabar-Kitarovic repetirá seu ritual para os jogos da Copa do Mundo pela sétima vez na Rússia. Vestirá o uniforme quadriculado e acompanhará a grande final contra a França, às 12h (de Brasília). Primeira presidenta mulher de seu país, Kolinda estabeleceu alguns dias de folga para torcer por sua seleção no Mundial. Os dias de trabalho que está perdendo, ela garante, serão descontados de seu salário no final do mês.

Até agora, Kalinda não perdeu uma partida sequer e fez questão de ocupar sua cadeira nas arquibancadas no lugar dos camarotes para as autoridades. Na partida contra a Rússia, pelas oitavas de final, ela foi identificada no meio da multidão e foi convidada a comparecer a tribuna de honra da Fifa. Logo depois, foi filmada no vestiário com a equipe comemorando a classificação para as quartas de final. A cena se repetiu anteontem, quando o país garantiu a classificação para a final pela primeira vez na história da Copa do Mundo.

Grabar foi eleita presidente em 2015, pelo partida conservador União Democrática da Croácia. Aos 50 anos, ela é casada e tem dois filhos adolescentes. No Mundial, ela chama a atenção não apenas por ser mulher, mas também por se comportar como uma torcedora comum, sem regalias. Não utilizou dinheiro público para bancar a viagem e optou por voos comerciais para acompanhar o time.



IVA OLIVARI

Outra mulher croata também ganhou os holofotes na Copa do Mundo de 2018. Iva Olivari é a única componente do gênero feminino na comissão técnica de uma seleção na Rússia. Ela é a coordenadora da delegação e comanda as decisões de logística, organização e até conversa detalhes do futebol com o técnico Zlatko Dalic – as decisões técnicas, porém, são por conta do treinador. Olivari é carinhosamente chamada de “chefa” pelos veteranos e “tia Iva” pelos novatos. “Os mais jovens, quando chegam estão muito assustados, não sabem de onde vêm e me chamam de ‘tia Iva’”, revelou. “Mas isto se esquece em seguida e passo a ser só Iva”, acrescentou.

Ela assumiu o cargo na Federação de Futebol da Croácia em 1992, quando houve a separação do país da antiga Iugoslávia e, consequentemente, surgiu a necessidade de criar uma entidade esportiva para administrar o futebol. Na época, Iva era jogadora profissional de tênis, mas teve que encerrar a carreira por conta de uma séria lesão. Hoje, com 49 anos, ela está no comando do setor administrativo de um esporte predominantemente masculino.

Naš ponos! #hrvatska???????? #family #fifaworldcup2018 #moji?? #obitelj

Uma publicação compartilhada por Iva Olivari (@iva_oli) em

Iva explicou que nunca sofreu preconceito por ser mulher, mas já ouviu muitos questionamentos sobre sua função. “Eu não fui discriminada, embora tenha ouvido coisas do tipo: ‘ela não deveria estar ali, seria melhor se fosse um homem, não sabe nada de futebol’. Tanto faz estes comentários”, confessou. Entre suas funções está a comunicação com outras seleções. “Tudo que precisa para participar de um torneio é minha responsabilidade”, concluiu, orgulhosa do papel que assumiu na entidade.


Palavras-chave


Comentários

Por leto,12/07/2018

o brasil que eu quero e uma presidente assim, ela vai descontar os dias parado dela. vai la croacia.

Por José Luiz Granzoti,12/07/2018

Presidenta mulher?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM