Jornal do Commercio
copa do mundo

Técnico da Croácia ressalta entrega do time: 'Ninguém queria sair'

Time da Croácia disputou 90 minutos a mais que a França, adversária na final da Copa do Mundo

Publicado em 12/07/2018, às 08h59

"Ninguém dizia para mim 'Me tire, estou cansado'. Isso mostra caráter", disse o técnico
Foto: Divulgação/FIFA
Diego Borges
Twitter: @DiBorges9

A classificação da Croácia sobre a Inglaterra, garantindo vaga na final da Copa do Mundo da Rússia, apresentou diversos valores que desequilibram em grandes decisões no futebol. Entre eles, a entrega física dos jogadores em campo. Mesmo após disputar prorrogações e penalidades nas oitavas e nas quartas de final, até os atletas mais extenuados pelo esforço físico de alto rendimento não quiseram deixar o campo antes de mais trinta minutos decisivos contra os ingleses.

"O que nossos jogadores fizeram hoje (11) foi incrível: sua energia, sua força. Eu queria ter substituído antes da prorrogação, mas ninguém queria sair", revelou o técnico croata Zlatko Dalic.

"Tenho que tirar o chapéu para nosso preparador físico, médico, comissão técnica. Nós não tivemos jogadores machucados. Ninguém dizia para mim 'Me tire, estou cansado'. Isso mostra caráter, e é isso que me deixa orgulhoso e feliz", acrescentou.



Vale ressaltar ainda o fato de que nas três partidas eliminatórias o time báltico saiu atrás do placar e teve de reagir em busca da classificação, o que requer ainda mais esforço dos jogadores. Contra a França, na decisão marcada para o próximo domingo, o técnico deseja enfrentar um sofrimento menor. "Depende de nós se marcarmos antes", brincou Dalic.

Sem descanso

Apesar de já ter alcançado o feito histórico de disputar a primeira final de Mundial, os croatas querem ir além. No entanto, para alcançar a glória máxima do futebol, o time precisará lidar novamente com a desvantagem de não só ter jogado praticamente uma partida a mais que o rival (90 minutos se somadas as três prorrogações - além das penalidades, ressalte-se) como também pelo fato de ter uma dia a menos de repouso.

"Nós temos mais um jogo para mostrar que estamos prontos. Vamos nos preparar. Esse pode ser um problema, o desgaste. E a França tem um dia a mais para se recuperar. Mas não podemos ter desculpas: jogamos 120 minutos (contra a Inglaterra), mas temos que jogar como se fosse o primeiro jogo da Copa do Mundo", apontou o treinador croata.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM