Jornal do Commercio
Estadual

Náutico, Sport e Santa Cruz buscam manter hegemonia no Pernambucano

Em situações bem diferentes, Trio de Ferro quer continuar com tabu do Estadual nunca ter tido um campeão do interior

Publicado em 14/01/2018, às 08h33

Pernambucano começa na próxima quarta (17) / JC Imagem
Pernambucano começa na próxima quarta (17)
JC Imagem
Davi Saboya, Diego Toscano e Filipe Farias
esportes@jc.com.br

Para continuar com a hegemonia na competição, já que nenhum time do interior levou o título, o trio de ferro chega com seus times em situações bem diferentes para o Pernambucano. Após a permanência na Série A, o Sport é o favorito para a competição, por ter um poderio financeiro superior a Santa Cruz e Náutico, que vão disputar a Série C. No lado tricolor, a aposta é em um elenco enxuto, com pagamentos em dia e em uma mescla de juventude com veteranos para voltar a levantar a taça local. Já o Timbu, mesmo com o maior jejum sem títulos dos três, não trata o Estadual como prioridade, mas como consequência de um trabalho estruturado visando a Terceirona.

SPORT

Há tempos que não se via no Pernambucano uma discrepância tão grande entre um clube e os demais participantes. Por seguir na elite nacional, o Sport, tem folha salarial orçada em incríveis R$ 3,4 milhões. O que é 17 vezes maior que os rivais da capital: Náutico e Santa Cruz - que estão com folhas de aproximadamente R$ 200 mil.

Diante desse abismo financeiro, é mais do que natural que o favoritismo à conquista do título recaia sob o Leão. Responsabilidade essa que já é aceita pelos atletas rubro-negros. “Sabemos que o Sport é o favorito ao título, mas também sabemos que nem sempre o favorito vence. Se não colocar esse favoritismo em campo, as coisas podem complicar. “Estamos em uma situação melhor do que os rivais da capital, mas temos consciência de que é preciso trabalhar muito para fazer valer esse favoritismo. Pois, no futebol, nem sempre o time com mais estrutura, com mais dinheiro vence os jogos e os campeonatos”, destacou o goleiro Magrão.

SANTA CRUZ

Dentro dessa ideia, o Santa Cruz quer surpreender, mesmo com um elenco enxuto e uma folha salarial baixa para não poder atrasar o pagamento assim como no último ano. O Tricolor do Arruda tem 32 atletas atualmente no elenco profissional entre contratados, que foram 15 jogadores, remanescentes - Vitor, João Ananias, Augusto e Grafite - e 13 garotos oriundos das categorias de base. O técnico Júnior Rocha aposta na mistura de juventude e experiência para enfrentar o primeiro semestre. A prioridade para 2018 é o retorno para Série B do Campeonato Brasileiro. Mas a Cobra Coral quer buscar o título estadual.



Depois de longa novela, o Santa renovou com Grafite e aposta nele como referência no elenco. Além da juventude e motivação do técnico Júnior Rocha, de 36 anos. Ele irá para o maior desafio da carreira depois de cinco temporadas no Luverdense, com um intervalo para comandar o Novo Horizontino, no Campeonato Paulista do ano passado. O outro detalhe na Cobra Coral é que, depois de sete anos no comando do futebol, Constantino Júnior irá para o primeiro Pernambucano como presidente.

NÁUTICO

Já o Náutico não coloca o título do Pernambucano como prioridade para 2018, mesmo com um jejum de 14 anos. Para diretoria e comissão técnica, levantar um troféu na temporada é importante, mas não pode ser tratado como prioridade. Hoje, o mais importante é conseguir voltar para a Série B e se restabelecer no cenário nacional. Mas isso não quer dizer que a equipe vai deixar de lado a competição estadual.

“Acho que título não pode ser causa, mas consequência. Quando você se estrutura, as conquistas vêm. Se a gente correr atrás de um título para se estruturar, vai ser sempre uma aposta na mão da sorte. Temos uma grande responsabilidade com o clube. É montar um time competitivo no ano que provavelmente será o de maior dificuldades financeiras do clube. Isso é uma equação muito difícil de fechar”, afirmou o vice-presidente Diógenes Braga.


Recomendados para você


Comentários

Por Eduardo C,14/01/2018

TRIO DE FERRO? Non! UM DE FERRO (o UNIQUE DE 87) e DOIS DE ISOPOR Sarna Crui e Barbie Hexapinico).(



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM