Jornal do Commercio
Crise

'Sem dinheiro, não se faz futebol', diz Evandro carvalho

Presidente da FPF analisou situação atual do futebol pernambucano

Publicado em 27/08/2018, às 11h01

Evandro Carvalho lamentou o fato de o futebol pernambucano não contar com apoio do Estado / JC Imagem
Evandro Carvalho lamentou o fato de o futebol pernambucano não contar com apoio do Estado
JC Imagem
JC Online

Permanência do Náutico e Santa Cruz na Série C do Campeonato Brasileiro em 2019. O Salgueiro rebaixado para a Quarta Divisão e o Sport lutando, pelo terceiro ano seguido, para não cair à Série B. O cenário não é dos mais favoráveis ao futebol pernambucano e, na análise do presidente da Federação Pernambucana de Futebol (FPF), Evandro Carvalho, o momento é fruto da conclusão do período de três anos sem os recursos do Todos com a Nota. O programa foi cancelado no começo de 2015.

"Em 20 anos, tivemos um programa fantástico, o Todos com a Nota que injetou, no último ano, 24 milhões no futebol pernambucano. Durante esse período, fomos hegemônicos no Norte e Nordeste e até no Centro-Oeste. Esse recurso deixou de vir e a FPF pegou a reserva que tinha e investiu cerca de R$ 7 milhões nos clubes. Contratamos os maiores consultores do Brasil, como Cícero, do Palmeiras, e entregamos o diagnóstico para revigorarmos o nosso futebol", disse Evandro Carvalho.

De acordo com o mandatário, esse diagnóstico passaria essencialmente por três vertentes. A primeira, seriam os clubes conseguirem, pelo menos, 50 mil sócios. "O Náutico e o Santa Cruz têm algo em torno de 5 mil em dia e o Sport coisa de 20 mil. Ou seja, estamos muito longe dos 50 mil", avaliou.



REAQUECIMENTO DA ECONOMIA

Outro ponto seria a economia voltar a crescer para que o empresariado local se sentisse atraído a investir em futebol. Por último e apontado como vital pelo presidente da FPF está o retorno do aporte do Estado à modalidade. "Pernambuco é um dos únicos estados que não têm ajuda de programas do governo. Enquanto isso, temos outros estados do Nordeste recebendo R$ 8, 10, 12 milhões. Basta olhar a Paraíba, o Pará o Amazonas. Estamos sem qualquer receita de fundo estadual e, sem dinheiro, não se faz futebol. O Náutico foi o clube com a segunda menor folha a jogar o mata-mata da Série C. E enfrentou um time com uma folha de R$ 900 mil (Bragantino), por exemplo", avaliou. 

 Apesar da situação complicada, o mandatário descartou qualquer tipo de ajuda financeira da FPF aos clubes. "Não temos nenhuma fonte de renda. Não tenho como buscar recurso junto à CBF ou patrocinador nacional ou internacional no momento. Eu já tenho hoje um comprometimento da ordem de R$ 6 milhões aplicados nos clubes que eu preciso resgatar e pagar em operações minhas com a CBF. Eu já esgotei muito além da nossa capacidade para tentar manter os clubes e fazer eles ascenderem", concluiu.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM