Jornal do Commercio
Calendário

Definido número de datas do Estadual 2019

Presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro Carvalho, já está de posse das datas após reunião na CBF

Publicado em 11/10/2018, às 11h50

Evandro Carvalho participou de reunião na CBF na última quarta-feira (10) / JC Imagem/Divulgação
Evandro Carvalho participou de reunião na CBF na última quarta-feira (10)
JC Imagem/Divulgação
JC Online

O presidente da Federação Pernambucana de Futebol (FPF), Evandro Carvalho, garantiu nesta quinta-feira (11) que a próxima edição do Campeonato Pernambucano  não deve apresentar o problema de datas verificado em outros anos. Em 2017, por exemplo, Salgueiro e Sport enfrentaram uma lacuna de mais de 30 dias entre os jogos da ida e volta da final. De acordo com o mandatário, os dias das partidas, inclusive, já teriam sido estabelecidos pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que garantiu 14 datas para o Estadual do próximo ano.

"A CBF garantiu que os contratos de Sport, Náutico, Santa Cruz, Bahia e Vitória fossem cumpridos. Retirou datas de competições nacionais e nós vamos ter, aliás, até mais do que nós prevíamos. Nós iríamos ter 12 datas e a CBF conseguiu 14. Nós vamos ter um campeonato com muita qualidade, com 14 datas, com os finais de semana para Pernambuco e Bahia", declarou Evandro, em entrevista à Rádio Jornal.

DECISÃO

O mandatário deixou claro, porém, que o uso de todas as datas não é obrigatório. Essa determinação ainda será definida pelos clubes participantes. "Nós saltamos de 12 para 14 datas, o que nos permite realizar um campeonato com 12, 13 pu até 14 datas. Eu particularmente acho que não deveríamos usar as 14, mas a decisão não é da federação, é dos clubes. Se os clubes decidirem que vão usar 11, vão usar 11... a federação nem vota, nem tem poder de veto sobre forma e modelo de disputa do campeonato", garantiu.

Evandro Carvalho assegurou ainda que não haverá perigo de choque do calendário do Estadual com os de outros torneios disputados pelos clubes.  "A CBF já divulgou ontem, nós já estamos com as datas, salvo o Bahia. Como poderá se classificar para a Sul-Americana terá de fazer uma escolha entre a Sula e a Copa do Nordeste. Haverá uma incompatibilidade. Não em relação ao Estadual, mas à Sula-Americana", observou. 



FINANCEIRO

Apesar do próprio presidente da FPF negar a informação, o presidente do Santa Cruz, Constantino Júnior mencionou uma reunião na próxima terça-feira (16) para tentar vender os direitos de nome (Naming Rights) do Campeonato Pernambucano. "Foi um interesse maior da federação, para tentar diminuir custos. O Pernambucano é caro, tem muita coisa para pagar", ressaltou.

Diógenes Braga, o vice-presidente do Náutico, também entrou na busca de recursos para o Estadual. "É uma necessidade grande, e para a gente brigar por recursos estatais, só conseguiria se pleiteasse em conjunto. Não adiantava individualmente", explicou. "Desde que encerrou o Todos Com a Nota, não há recursos que sejam destinados ao futebol, sejam pequenos ou grandes. Outros esportes têm. A gente vai trabalhar no sentido de mostrar a importância do futebol como produto pernambucano para, em bloco, pleitear esses recursos", completou o dirigente alvirrubro

Mesmo sem falar de uma procura ao Governo do Estado para esse 'Naming Rights', Evandro Carvalho afirmou que já foi debatido alternativas financeiras para arrecadar fundos para o torneio, como o Todos Com a Nota.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM