Jornal do Commercio
Decisão

Boca e River Plate em superfinal da Libertadores

Equipes argentinam decidem Libertadores a partir deste sábado

Publicado em 09/11/2018, às 18h35

Pela primeira vez as duas equipes decidem a Libertadores / AFP
Pela primeira vez as duas equipes decidem a Libertadores
AFP
AFP

O êxtase da paixão futebolística na Argentina ficará à tona neste sábado na disputa de um inédito superclássico do país na final da Copa Libertadores entre Boca Juniors e River Plate, tão populares quanto predestinados a fazer história. O primeiro cenário será a mítica Bombonera do Boca, o estádio que pulsa quando milhares de espectadores saltam e gritam nas arquibancadas. A volta acontecerá no dia 24 no grandioso Monumental, casa do River.

Os que torcem para o Boca e suas tradicionais cores azul e amarelo são os 'xeneizes', no dialeto genovês dos imigrantes italianos que povoaram o bairro portuário de La Boca. Já quem veste a camisa branca da faixa vermelha do River Plate é chamado de 'millionário' (milionário), um apelido que vem do histórico de contratações caras do clube.

Um sonho

É a primeira vez que os dois rivais se enfrentam na final da Libertadores desde que o torneio, o mais desejado do continente, foi criado em 1960. "É o jogo dos sonhos", declarou o ex-técnico da Argentina Marcelo Bielsa, hoje treinador do Leeds United inglês.

A emoção é de tirar o fôlego de qualquer um na Argentina. Os dois clubes têm juntos 70% dos torcedores do país. É melhor nem pensar na tensão que seria se os dois clubes decidissem o título nos pênaltis, no jogo de volta.

Os rivais se enfrentaram apenas duas vezes em um século na final de uma competição valendo um título oficial. Em 1976, o Boca venceu o River por 1 a 0 e ergueu o troféu do torneio Nacional. Já o River levou a Supercopa argentina naquele mesmo ano ao vencer por 2 a 0.

Lendas do futebol mundial vestiram essas camisas históricas: um tal de Diego Maradona no Boca e o inesquecível Mario Kempes no River.

Paixão inexplicável

O difícil é saber qual o maior clássico do mundo. Sim, há outros enormes duelos pelo planeta, como o espanhol Real Madrid-Barcelona, o escocês Celtic-Rangers, o inglês Liverpool-Manchester United, o italiano Juventus-Inter ou até o gaúcho Grêmio-Internacional aqui no Brasil.

Mas um Boca-River tem algo de inexplicável. O diário inglês The Observer afirmou que um amante do futebol "não tem o direito de morrer antes de assistir, pelo menos uma vez, a um Boca-River". Mas também não precisa ser uma questão de vida ou morte: na imprensa argentina é possível ver diversas matérias com conselhos médicos de como se prevenir de um infarto provocado pelo clássico.

Nas semifinais, os dois gigantes argentinos eliminaram clubes brasileiros, com o Boca despachando o Palmeiras em São Paulo e o River levando a melhor sobre o Grêmio em Porto Alegre.



O presidente da Argentina, Mauricio Macri, que já foi presidente do Boca Juniors no passado, tentou convencer os dois clubes a permitir a entrada de torcedores rivais em seus respectivos estádios para as finais da Libertadores.

O mandatário não foi ouvido

"Não quero ser responsável por uma morte", declarou o presidente do River, Rodolfo D'Onofrio. O atual presidente do Boca, Daniel Angelici, concordou com o rival, devido ao alto número de mortes relacionadas ao futebol na Argentina, mais de 300 em meio século.

A loucura também se reflete na venda de ingressos. Lugares que custavam 90 dólares nas semifinais estão sendo vendidos por 25 mil dólares para a grande decisão. Só podem entrar 53 mil pessoas na Bombonera e 67 mil no Monumental. "Precisaríamos de três Bomboneras", ilustrou Angelici.

Nos confrontos diretos entre os rivais, o Boca soma 10 vitórias a mais, além de ter vencido seis Libertadores e três Copas Intercontinentais. O River soma três Libertadores e uma Intercontinental.

Os ídolos

Os dois técnicos são ídolos de suas torcidas. O do River é Marcelo 'Muñeco' Gallardo e o do Boca é Guillermo 'Melli' Barros Schelotto. Ambos são adorados pela fidelidade aos clubes e pelas vitoriosas carreiras como jogadores e técnicos. Gallardo, porém, não poderá estar na Bombonera para o primeiro jogo devido a uma suspensão imposta pela Conmebol.

O trio de arbitragem será chileno, composto pelo árbitro Roberto Tobar e pelos assistentes Christian Schiemann e Claudio Ríos.

FICHA DA PARTIDA - BOCA JUNIORS X RIVER PLATE

Boca Juniors: Agustín Rossi; Leonardo Jara, Lisandro Magallán, Carlos Izquierdoz e Lucas Olaza; Nahitan Nández, Wilmar Barrios e Pablo Pérez; Cristian Pavon, Ramón Abila (Darío Benedetto) e Sebastián Villa. Técnico: Guillermo Barros Schelotto.

River Plate: Franco Armani; Gonzalo Montiel, Jonatan Maidana, Javier Horacio Pinola e Milton Casco; Ignacio Fernández (Bruno Zuculini) e Enzo Pérez; Exequiel Palacios e Gonzalo Martínez; Lucas Pratto e Rafael Santos Borré. Técnico: Marcelo Gallardo.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM