Jornal do Commercio
Clássico das Emoções

Em clássico movimentado, Náutico e Santa Cruz empatam nos Aflitos

Pipico marcou duas vezes, mas o Náutico buscou o empate saindo atrás do placar nas duas oportunidades

Publicado em 09/02/2019, às 20h26

Pipico foi decisivo para o lado tricolor / Bobby Fabisaki/JC Imagem
Pipico foi decisivo para o lado tricolor
Bobby Fabisaki/JC Imagem
Fernando Castro
Twitter: @fernand0_castro

Em um jogo movimentado, o Clássico das Emoções fez jus ao apelido. Na noite deste sábado (9), Náutico e Santa Cruz empataram em 2x2, nos Aflitos, pela Copa do Nordeste. Autor dos dois gols, Pipico foi decisivo no lado tricolor e marcou duas vezes, enquanto o Timbu foi buscar o empate saindo atrás do placar nas duas oportunidades. Mesmo sem apresentar tanta técnica, os times mostraram muita vontade durante quase todo o clássico.

Com o empate, Náutico e Santa Cruz chegam aos cinco pontos na Copa do Nordeste. No Grupo A, a equipe tricolor subiu uma posição e chegou à vice-liderança. Já no Grupo B, o Timbu não conseguiu entrar no G-4 e ocupa o quinto lugar. O Clássico das Emoções abriu a quarta rodada do Nordestão, que terá complemento apenas na próxima semana.

Antes da partida, o técnico Márcio Goiano havia indicado duas dúvidas para escalar o Náutico. O zagueiro Suéliton retornou ao time na vaga de Rafael Ribeiro, enquanto o meia Lucas Paraíba ganhou a posição de Fábio Matos. No Santa Cruz, Leston Júnior mandou a campo a força máxima, o atacante Pipico ganhou a primeira oportunidade na equipe titular.

O JOGO

O Clássico das Emoções começou movimentado. A duas equipes disputavam a posse da bola e tentavam criar jogadas ofensivas. Aos sete minutos, o Santa Cruz levou a melhor. Allan Dias arrancou pela esquerda, foi até a linha de fundo e cruzou para Pipico. Com faro de gol, o atacante coral deu um bonito drible no zagueiro Suéliton e tocou para o fundo das redes, abrindo o placar.

Atrás do marcador, o Náutico tentava tomar as ações da partida, mas sem muito sucesso. O time alvirrubro até conseguia ter a posse de bola, mas tocava de um lado ao outro sem objetividade. Com o placar a favor, o Santa Cruz chegava a área do goleiro Bruno com mais perigo, nos rápidos contra-ataques.

Os jogadores do Náutico tentavam constantemente acionar o centroavante Wallace Pernambucano, que vive uma excelente fase na temporada. Aos 18 minutos, Wallace Pernambucano disputou a bola na área, que sobrou para Jorge Henrique. O atacante tentou duas vezes, mas o goleiro Ricardo Ernesto salvou os tricolores.

E as tentativas ofensivas do Náutico fizeram efeito aos 26 minutos. A fase é tão boa que Wallace Pernambucano também tinha pique para criar jogadas. O artilheiro alvirrubro carregou a bola pela esquerda e cruzou para área, o experiente Jorge Henrique, posicionado no ataque, diferente das últimas partidas, de peixinho cabeceou e empatou o jogo nos Aflitos. 

Depois de levar o gol de empate, o Santa Cruz não conseguia ter a posse de bola e tinha dificuldades para criar as jogadas ofensivas. Mais incisivo no ataque, o Náutico assustava mais a defesa Coral. No final do primeiro tempo, o lateral direito André Krobel subiu ao ataque e chutou cruzado, obrigando o goleiro Ricardo Ernesto realizar uma defesa importante.



SEGUNDO TEMPO

Depois de um primeiro tempo movimentado, a segunda etapa começou truncada. Mas logo aos cinco minutos, depois de um erro de passe do Náutico, o atacante Elias partiu em velocidade pela esquerda e chutou cruzado. Parada no lance, a defesa do Náutico viu o atacante Pipico aproveitar o lance e marcar o segundo gol dele e do Santa Cruz na partida.

E o Santa Cruz voltou melhor no segundo tempo. Depois de mais uma bobeira da defesa alvirrubra, o meia Allan Dias avançou pelo meio dos zagueiros do Náutico, ganha na força e chutou forte, o goleiro Bruno fez grande defesa e evitou que a equipe tricolor marcasse o terceiro gol.

Pior no segundo tempo, o Náutico foi para o ataque em busca do empate. Depois do técnico Márcio Goiano ser ousado ao tirar o lateral direito André Krobel e colocar o meia Fábio Matos no jogo, o time alvirrubro chegou ao segundo gol com um gol contra, aos 22 minutos. Depois de cruzamento pela direita, o zagueiro Vitão não percebeu que estava só e de cabeça jogou contra a própria meta, empatando mais uma vez o clássico. 

Depois de empatar mais uma vez a partida, o Náutico mudou o panorama no jogo e foi melhor no restante do jogo. Mas sem tanta eficiência, o que acabou sendo reflexo do jogo. Ambos as equipes mostraram muita vontade durante praticamente todo o clássico, mas faltou técnica na maioria das jogadas ofensivas.

FICHA DE JOGO

(2) Náutico: Bruno; André Krobel (Fábio Matos), Diego Silva, Suéliton e Gabriel Araújo; Jiménez, Luiz Henrique e Lucas Paraíba; Jorge Henrique (Thiago), Robinho e Wallace Pernambucano. Técnico: Márcio Goiano.

(2) Santa Cruz: Ricardo Ernesto; Marcos Martins, Vitão, Danny Morais e Bruno Ré; Charles (Eduardo), Lorenzi e Allan Dias; Elias (Jeremias), Jô (Augusto) e Pipico. Técnico: Leston Júnior.

Local: Estádio dos Aflitos, Recife. Árbitro: Marielson Alves Silva (BA). Assistentes: Marcos Welb Rocha de Amorim e Elicarlos Franco de Oliveira (ambos da BA). Gols: Pipico, aos sete min do 1ºT; Jorge Henrique, aos 26 min do 1ºT; Pipico, aos cinco min do 2ºT; Vitão, contra, aos 22 min do 2ºT. Cartões amarelos: Suéliton, Robinho, Wallace Pernambucano (Náutico); Charles, Jô, Augusto (Santa Cruz). Público: 6.017; Renda: R$ 117.544,00.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM