Jornal do Commercio
Notícia
Campeonato Pernambucano

Sport x Náutico: Rivalidade, tradição e heróis

Times decidem neste domingo (21) o título do Campeonato Pernambucano de 2019

Publicado em 21/04/2019, às 08h03

Jorge Henrique (E) é dúvida para a partida / Alexandre Gondim/JC Imagem
Jorge Henrique (E) é dúvida para a partida
Alexandre Gondim/JC Imagem
Marcos Leandro
Twitter: @mleandrocunha

Bita, maior artilheiro da história do Náutico, com 223 gols. Traçaia, goleador máximo do Sport, com 202 tentos. Além de liderarem o ranking de gols na história dos centenários rivais, os dois atacantes têm em comum o fato de já terem brilhado em decisões de Campeonatos Pernambucanos. Bita e Traçaia são dois grandes personagens da rivalidade entre Sport e Náutico – que disputaram o primeiro encontro em 1909.

Hoje, na Ilha do Retiro, mais um capítulo será escrito, com a definição do campeão da temporada 2019. Para o Leão, vale o 42º título; para o Timbu, o 23º. Sport e Náutico se encontram em uma decisão do Estadual pela 18ª vez. A vantagem é vermelha e preta, com 11 troféus conquistados, contra seis do Náutico. O Leão levou a melhor nas últimas nove finais. A última derrota foi em 1968, justamente quando o Timbu faturou o até hoje insuperável hexa.

Na verdade, 1968 foi o fechamento de uma saga com amplo domínio do time de Conselheiro Rosa e Silva. A primeira taça do hexa, ganha em 1963, foi obtida sobre o Sport. O alvirrubro venceu o segundo jogo da melhor de três por 4x2, nos Aflitos. Bita fez um dos gols. Nino fez outro e Rinaldo dois.

A sina se repetiu em 1965, 1966 e 1968. O palco do jogo final da melhor de três em 1965 foi na Ilha do Retiro dessa vez. O Timbu fez 2x0, gols de Bita e Nino. No ano seguinte, uma goleada por 5x1 nos Aflitos, gols de Nino, Bita, Zé Carlos, Miruca e Lala. Já em 1968, o famoso gol de Ramos, na prorrogação, decretou o 1x0 sobre o Leão e a conquista do hexa. Os outros triunfos vermelho e branco em finais sobre o Sport foram em 1951 (1x0, gol de Fernandinho) e 1954 – 1x1, gol de Hamilton para o Náutico, que tinha vencido uma e empatado outra da melhor de três.

Mas os anos de 1950 também reservaram alegria aos rubro-negros. Em 1955, ano do cinquentenário leonino, a taça veio após um 3x2 sobre o Náutico, nos Aflitos. Os gols do Sport foram de Traçaia (2) e Naninho. Na década de 1960, logo em 1961, novo 3x2, na Ilha. Djalma, Alemão e Oswaldo balançaram a rede.



Nos anos de 1970, duas tacas emblemáticas. Em 1975, Assis Paraiba foi o herói do gol do título conquistado nos Aflitos, 1x0, quebrando jejum de 12 anos sem obter a taça do certame local. Em 1977, a incrível final interminável, que só acabou na segunda prorrogação, com o gol de Mauro.

ANOS 80 E 90

O Sport superou o Náutico em finais duas vezes na década de 1980. Em 1981, com gols de Denô e Roberto Coração de Leão, na Ilha, o rubro-negro ganhou o campeonato, na verdade o supercampeonato, já que cada um do trio de ferro da capital tinha ganho uma etapa do Estadual daquele ano. Já em 1988, uma goleada por 4x1 selou o troféu. Os gols foram de Ribamar (dois), Robertinho e Augusto.

Na década seguinte, outras três conquistas sobre o rival. Em 1991, 3x0 na Ilha, com dois gols de Moura e outro de Hélio. No ano seguinte, 1x0, gol de Dinda, também no Adelmar da Costa Carvalho. Dois anos depois, em 1994, o triunfo em casa foi por 2x0, com Fábio e Chiquinho balançando a rede alvirrubra.

Os últimos dois troféus foram mais recentes. Em 2010, vitória apertada por 1x0, gol de Leandrão. O detalhe é que na ida, nos Aflitos, o Náutico chegou a abrir 3x0, mas o Sport reagiu para 3x2. Já em 2014, o título foi sacramentado com uma vitória por 1x0 na Arena Pernambuco, com gol de Durval.



OFERTAS

Especiais JC

Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.
Mãe Guerreira Mãe Guerreira
Junto com uma criança, nasce sempre uma mãe, que enfrenta inúmeros desafios para educar, acolher e dar o melhor aos filhos. Por isso, todas elas carregam em si a força e a coragem de verdadeiras guerreiras.
JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM