Jornal do Commercio
Notícia
COPA AMÉRICA 2019

Em jejum e sob pressão, Brasil larga na Copa América contra a Bolívia

Competição continental será o primeiro grande teste da seleção pós Copa da Rússia

Publicado em 14/06/2019, às 07h35

"Claro que nós queremos (o título), mas temos a consciência de que temos que construir etapas para isso", pontua Tite
Foto: Lucas Figueiredo / CBF
DIEGO BORGES
Twitter: @DiBorges9

Teste, preparação, laboratório, ou até obrigação. Diversas palavras podem ser atribuídas ao que pode representar a Copa América para a seleção brasileira, que começa nesta sexta-feira às 21h30, no estádio do Morumbi, com Brasil x Bolívia. Entre confiantes e pessimistas, um ponto é unânime em relação à expectativa para o torneio: a edição 2019 será o primeiro grande teste do técnico Tite após a Copa do Mundo da Rússia, onde o jejum de seis anos sem uma conquista de título começa a incomodar de forma mais forte. A Rádio Jornal, única detentora dos direitos em Pernambuco, transmite o pré-jogo a partir das 21h, com informações ao longo de toda a programação do dia.

Desde a Copa das Confederações de 2013, a seleção brasileira não sente o gosto de levantar uma taça. De lá para cá, vieram o vexatório 7x1 na Copa do Mundo do ano seguinte, duas eliminações dolorosas na própria Copa América (2015 e 2016), além da queda nas quartas de final da Copa da Rússia, além do fato de não disputar a Copa das Confederações pela primeira vez em sua história, em 2017. Vale salientar, no entanto, a liderança absoluta nas eliminatórias para o último Mundial, porém um feito sem a mesma representatividade.

Cobranças que o técnico Tite reconhece sofrer durante o trabalho que precede a estreia, mas garante que o eventual título será fruto de todo um processo construído desde que assumiu o comando técnico da seleção. "Historicamente, sim. Não dá para fugir dessa responsabilidade. Claro que nós queremos (o título), mas temos a consciência de que temos que construir etapas para isso. Não só de ser um discurso, ela vem construída em cima de elaboração, de formatação de equipe, de erros e acertos que nos permitem evoluir, aprender e crescer. É inevitável", acredita o treinador, antes de pontuar sobre favoritismo da seleção canarinho.

"Ela é uma das favoritas da competição. Existe ainda o fator surpresa. Temos consciência, sim, da responsabilidade do título, mas tem que ter alegria, tem que ter pressão, mas tem que ter a honra e o prazer, e isso está associado", colocou, apontando outras equipes que mira como rivais e possíveis 'surpresas'. "Brasil, Argentina, Uruguai e a ascensão da Colômbia, trazem sempre consigo um grau de favoritismo por peso e história. Afora outras seleções consolidadas, como a Venezuela que não é surpresa pra quem acompanha, a Bolívia se reformatando e o próprio o Peru."



ESCALAÇÃO

Por conta da indefinição se poderá contar com o volante Arthur sequer no banco de reservas, Tite adiantou durante a entrevista coletiva que o volante não será titular, tendo Fernandinho e Allan como possíveis substitutos a depender das características que os dois atletas desempenham. Por ser o substituto direto de Arthur no amistoso contra Honduras e ter maior mobilidade 'box to box', ou 'área a área', Allan pode levar vantagem e dar sequência ao processo de renovação da seleção, objetivo a longo prazo apontado pela própria comissão técnica para o Mundial do Catar, em 2022. Com isso, o time deve ser formado por Alisson; Daniel Alves, Marquinhos, Thiago Silva e Filipe Luís; Casemiro, Allan (Fernandinho) e Philippe Coutinho; David Neres, Richarlison e Roberto Firmino.

ADVERSÁRIOS CONHECIDOS

Do outro lado, a Bolívia conta com jogadores experientes e, inclusive, conhecidos do cenário do futebol brasileiro, a exemplos do atacante Marcelo Moreno, ex-Cruzeiro e Flamengo, e o volante Alejandro Chumacero, ex-Sport. "Acompanhamos todos os jogos e temos uma comissão técnica que pode dar todas as informações do sistema da Bolívia, desde a fase defensiva e ofensiva. Principalmente da chegada do novo técnico, Eduardo Villegas", garantiu Tite, que espera uma postura fortemente defensiva dos adversários.

Brasil

Alisson; Daniel Alves, Marquinhos, Thiago Silva e Filipe Luís; Casemiro, Allan (Fernandinho) e Philippe Coutinho; David Neres, Richarlison e Roberto Firmino. Técnico: Tite.

Bolívia

Carlos Lampe, Diego Bejarano, Luis Haquin, Adrián Jusino e Marvin Bejarano; Leonel Justiniano, Fernando Saucedo, Raùl Castro e Erwin Saavedra; Alejandro Chumacero e Marcelo Moreno. Técnico: Eduardo Villegas.

FICHA DO JOGO

Data: 14/06/2019

Hora: 21h30

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)

Árbitro: Nestor Pitana (ARG)

Assistentes: Hernán Maidana e Juan P. Belatti (ambos da ARG)

Árbitro de vídeo: Patrício Loustau (ARG)

Assistentes de árbitro de vídeo: Fernando Rapallini e Ezequiel Brailovsky (ambos da ARG)




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM