Jornal do Commercio
PAIXÃO CENTENÁRIA

Central, o orgulho de Caruaru, chega a um século

A Patativa completa 100 anos, hoje, para a alegria da torcida

Publicado em 15/06/2019, às 07h19

O Central completa um século de existência hoje.  / JC Imagem
O Central completa um século de existência hoje.
JC Imagem
Leonardo Vasconcelos

Neste sábado (15), data em que o Central completa 100 anos, o JC traz no terceiro dia da série "Paixão Centenária" a história e os jogos marcantes da Patativa.

“Nasceste em Caruaru / Sobre um belo céu de anil / Pensando em Pernambuco / Enaltecendo o Brasil”. A íntima ligação do Central com a Capital do Agreste está marcada no hino do clube, composto por José Florêncio Neto, o professor Machadinho, em 1968. Na letra também se encontra a referência ao céu do município do interior do Estado, onde a Patativa começou a levantar as asas no dia 15 de junho de 1919 e hoje completa um século de um voo de glórias e alegrias. A ave deu ao clube as cores alvinegras e ele deu a ela a honra de virar um símbolo.

CONFIRA O ESPECIAL CENTRAL DE CORAÇÃO

Apesar da referência ao ar, foi no chão que o clube nasceu e ganhou seu nome. Mais precisamente nos trilhos que cortavam a cidade fazendo a ligação do litoral com o Sertão pernambucano. “Os rachas eram disputados ali na estação ferroviária central então por isso é que o time recebeu o nome de Central. E nas muitas árvores do local tinham muitas patativas que acabaram virando o mascote”, explicou Zenóbio Ribeiro, que escreveu o livro “Meu Central, meu orgulho, minha paixão”. Foi por volta das 13h daquele domingo 15 de junho de 1919, após um almoço ocorrido na Sociedade Musical Comercial Caruaruense, que nascia o Central Sport Club. E hoje, no dia em que completa cem anos, enfrenta a Jacuipense, às 16h, pelo primeiro jogo da segunda fase da Série D, no Lacerdão (veja abaixo).

O maior estádio particular do interior do Nordeste inicialmente nasceu como um terreno isolado apenas por uma cerca pertencente ao comendador José Víctor de Albuquerque e ficou conhecido como “Central Park”, após a fundação do clube. As primeiras arquibancadas começaram a ser construídas apenas no início da década de 1960, quando o espaço ganhou o nome de Estádio Pedro Víctor de Albuquerque, popularmente conhecido como PV, numa homenagem póstuma ao irmão do comendador que doou o terreno que viria a ser o Alçapão da Patativa.

Com uma ajuda considerável do então presidente Luíz José de Lacerda, a atual estrutura da praça esportiva ganhou forma no final da década de 1970. A inauguração foi no dia 19 de outubro de 1980, com a vitória do Central por 3x1 em cima da Seleção da Nigéria em um amistoso. O atacante Gil Mineiro foi o autor do primeiro gol do estádio após a ampliação. A mudança oficial de nome ocorreu no dia 26 de julho de 1999, depois de uma assembleia em que de forma unânime os conselheiros decidiram homenagear o presidente benemérito do clube.

Aos 94 anos, lúcido e consciente da sua contribuição, seu Luis Lacerda é a história viva do Central. “Eu frequento esse estádio desde que cheguei aqui em Caruaru, ainda moço. De cara, gostei do Central e comecei a ajudar o clube. Mais tarde, quando dirigente, ajudei para que a ampliação do estádio saísse do papel. Isso no final dos anos 1970. Tive a ajuda do então secretário do Governo do Estado, que era engenheiro. Quando as obras terminaram, resolveram colocar o meu nome no estádio”, disse o empresário, em entrevista ao repórter Filipe Faris, do JC, em abril do ano passado, antes da final do Estadual contra o Náutico.

O estádio já foi palco de várias glórias alvinegras como a vitória para o Flamengo em 1986. No mesmo ano, o clube reivindica o título da Série B. As taças são justamente a maior lacuna para os torcedores alvinegros. Entre os poucos títulos conquistados estão a Série A2 do Pernambucano em 1999, a Copa Governador Jarbas Vasconcelos em 2002 e a Copa Pernambuco em 2011. A sala de troféus pode não estar cheia, mas o coração dos torcedores continua cheio de orgulho pela Patativa do Agreste.

O POLÊMICO TÍTULO NÃO RECONHECIDO

Um título comemorado, mas ainda não atestado. “Campeão Brasileiro Série B - 1986”. Este é o enunciado de letras gigantes (do tamanho do orgulho da torcida) gravado na cobertura da arquibancada do Lacerdão. Embora 33 anos depois a Patativa continue reivindicando a conquista, ela nunca foi reconhecida oficialmente pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

A Segunda Divisão na época era chamada de Taça de Prata e naquele ano foi substituída pelo Torneio Paralelo. O certame foi disputado por 36 times, que foram divididos em quatro grupos e se enfrentaram em turno único. No final cada grupo teve um vencedor: Central, Treze, Criciúma e Internacional de Limeira. A CBF então garantiu aos quatro a promoção para a Primeira Divisão sem realizar uma fase final. A entidade já se posicionou sobre o assunto explicando que a fórmula adotada naquele ano não previa a definição de um campeão e que os clubes deveriam citar a conquista de 1986 apenas como “classificação à Série A”.

O homem que poderia levantar a reivindicada taça de campeão da Série B de 1986 ainda sonha com isto. O ex-zagueiro Gilvan dos Santos, conhecido como Timbó, era o capitão daquele time e não esconde a mágoa com o polêmico título. “O ruim é que ele nunca foi reconhecido. Ser campeão e não poder levantar uma taça te deixa assim meio chateado. Se fosse reconhecido ia querer sim dar uma volta olímpica simbólica aqui”, disse Timbó, imaginando a glória do ato.



O ÉPICO DIA EM QUE A PATATIVA BICOU O URUBU

Vinte e dois de outubro de 1986. A data, inesquecível para qualquer centralino, ficou conhecida como “o dia em que a Patativa bicou o Urubu”. A maior façanha do alvinegro marcou o calendário e a vida daqueles quase 25 mil torcedores que se espremeram no então Estádio Pedro Víctor de Albuquerque para ver a épica vitória por 2x1 do time de Caruaru contra o poderoso Flamengo.

Mesmo desfalcado de sua principal estrela, Zico, que ficou no Rio de Janeiro recuperando-se de uma lesão, o rubro-negro foi até Caruaru com sua nova geração de craques com nomes como Aldair, Jorginho, Zinho e Bebeto. Na ausência do Galinho, quem brilhou foi o meia Zico, do Central, mas a glória ficou com o atacante Ronaldo, que teve a honra de assinalar os dois gols da vitória alvinegra, um em cada tempo de jogo. Acuado, o Flamengo só descontou nos acréscimos, aos 48 minutos, com o atacante Vinícius.

Entre as várias histórias pitorescas deste dia histórico está a da loucura feita pelo aposentado Ernando Laureano de Carvalho, 73 anos, para assistir à partida. “Como não havia mais ingressos, o estádio estava lotado e eu não queria perder a partida, acabei escalando uma das arquibancadas do estádio. O esforço foi válido, pois jamais esquecerei daquela vitória e a festa feita pela torcida nas arquibancadas”, recordou o senhor, que naquele dia virou alpinista para presenciar o dia em que a Patativa bicou o urubu.

 PATATIVA PLANEJA VOAR MAIS ALTO NO FUTURO

O Central chega ao seu centenário não só homenageando o passado, mas também de olho no futuro. Ao menos este é o objetivo da atual presidência do clube. Comandando o clube no biênio 2018/2019, o empresário Clóvis Lucena revela os planos para voos maiores da Patativa.

“Nosso primeiro objetivo é tirar o Central da Série D do Brasileiro. Um clube do tamanho e importância dele não pode ficar nesta divisão. Precisamos conseguir o acesso para ter um calendário de jogos o ano inteiro e assim conseguir mais receita para fazer as mudanças que planejamos para o clube”, afirmou Clovis.

De acordo com o presidente, algumas das propostas de mudanças já serão apresentadas, hoje, no dia do aniversário alvinegro. “Estamos há oito meses elaborando com arquitetos melhorias na área da parte externa e interna do estádio. Queremos um Central diferente, de cara nova. Também estamos estudando o início da construção do nosso centro de treinamento, o terreno já temos”, disse. 

Para marcar o centenário do clube, a diretoria alvinegra preparou uma série de atividades. A partir das 7h30, no Lacerdão, vai ter hasteamento da bandeira, hino nacional e 100 tiros de bacamarteiros. Às 8h está programada para o Teatro Difusora (localizado em frente ao estádio) um café da manhã com homenagens a ex-jogadores, ex-presidentes, autoridades, patrocinadores e colaboradores. Depois vai haver declamação de cordel em homenagem à Patativa e corte de bolo comemorativo.

 CENTRAL RECEBE JACUIPENSE PARA COMPLETAR A FESTA

Passado à parte, a torcida alvinegra está interessada no presente e ganhou um. A partida de ida da Patativa contra a Jacuipense, a primeira da 2ª fase da Série D do Brasileiro, estava inicialmente marcada para amanhã, mas a pedido da diretoria alvinegra por conta do aniversário do clube, a CBF mudou a data para hoje, às 16h, no Lacerdão. A partida da volta será na próxima quinta-feira, na Bahia.

“Primeiros temos que parabenizar este grande clube que temos a honra de fazer parte hoje. É uma grande responsabilidade e queremos dar esse presente para a torcida. Vamos tentar fazer uma boa apresentação diante de um adversário difícil e batalhar para passar de fase”, afirmou o treinador Celso Teixeira. A Jacuipense se classificou como primeiro lugar no Grupo A7, com cinco vitórias e apenas uma derrota.

O único desfalque da Patativa deve ser o meia Fábio Neves, que ainda se recupera de um estiramento no joelho direito. Assim o time que deve entrar em campo será: França; Leanderson Polegar, Rafael Araújo, Bruno Oliveira e Alex Barros; Duda, Fernando Pires, Paulinho Mossoró e Diego Palhinha; Joelson e Leandro Costa. A esperança de gols é o atacante Joelson que é o artilheiro do time na Série D, com quatro tentos. “A gente sabe que é o ano do centenário do clube, o torcedor, claro, tem uma exigência maior”, finalizou Celso. Também hoje, às 20h, o Salgueiro recebe o Flu de Feira no Cornélio de Barros.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM