Jornal do Commercio
STJD

Clubes podem perder pontos por episódios de homofobia

Determinação passa a valer como recomendação, que já foi repassada aos times

Publicado em 20/08/2019, às 15h44

Goleiro da Bolívia foi chamado de
Goleiro da Bolívia foi chamado de "bicha" por torcida brasileira durante a Copa América deste ano
Miguel Schincariol/AFP
JC Online

Atitudes homofóbicas nos estádios brasileiros, como os gritos de 'bicha' no tiro de meta, poderão custar três pontos aos clubes. A determinação foi divulgada pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (O STJD) na última segunda-feira (19). O texto é uma recomendação e foi enviado aos clubes pelo referido tribunal. No documento, árbitros e assistentes também foram mencionados e incentivados a agirem em casos de preconceito.

"Que a partir desta data os árbitros, auxiliares e delegados das partidas relatem na súmula e/ou documentos oficiais dos jogos a ocorrência de manifestações preconceituosas e de injúria em decorrência de opção sexual por torcedores ou partícipes das competições", diz parte da recomendação do STJD.

Quem assina o texto é o procurador-geral do STJD, Felipe Bevilacqua. Para ele casos de homofobia devem ser enquadrados no artigo 243-G do Código Disciplinar: "Praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência".



REINCIDÊNCIA

Em caso de reincidência, o clube terá a tem pena dobrada. Ou seja, ao invés de três, perde seis pontos na classificação. O procurador-geral acrescenta que, além da súmula, ações podem ser abertas se outros meios ou agentes comprovarem preconceito praticado em estádios brasileiros.

"É o futebol se adequando aos novos tempos e a situações que não se admitem mais. As análises serão caso a caso, passarão por avaliação de julgadores, mas a tendência é que (homofobia) seja combatida da mesma maneira que o racismo", concluiu.

Há também duas razões derivadas de documentos da Fifa. A entidade emitiu uma circular em 25 de julho deste ano para seus filiados combaterem práticas discriminatórias. Antes, já havia lançado um guia para prevenção de preconceito. Esta iniciativa já atingiu a CBF, multada cinco vezes -quatro nas Eliminatórias e outra na Copa América. A soma das punições é de R$ 350 mil.
Além de ter sinalizado com possíveis punições aos clubes por homofobia, a recomendação da Justiça Desportiva pede que as equipes façam campanhas educativas com os torcedores e atletas para evitar infrações. O texto pede a implantação destas providências "o mais breve possível".




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM