Jornal do Commercio
Notícia
seleção brasileira

Seleção só empata com Senegal e segue sem vencer após a Copa América

Seleção brasileira fica no empate por 1x1 com o Senegal, na manhã desta quinta-feira, em Singapura

Publicado em 10/10/2019, às 11h04

Neymar teve apresentação apagada  / Roslan RAHMAN/AFP
Neymar teve apresentação apagada
Roslan RAHMAN/AFP
JC Online

Em apresentação pouco inspirada, a seleção brasileira ficou no empate por 1x1 com o Senegal, na manhã desta quinta-feira, em Singapura. Roberto Firmino abriu o placar aos oito minutos do primeiro tempo, enquanto Diédhiou descontou para o rival em cobrança de pênalti, aos 45 também da etapa inicial. A seleção brasileira segue sem vencer após a disputa da Copa América. Após empate com a Colômbia e derrota para o Peru, em setembro, a equipe dirigida por Tite não convenceu em novo amistoso disputado internacional.

A escalação do time-base que conquistou o título da Copa América, reforçado por Neymar, e o bom começo de jogo, com o golaço marcado por Roberto Firmino, davam a impressão de que a seleção poderia voltar a vencer. Mas atuando em ritmo lento, teve nova atuação apática, chegando a ser dominada em alguns momentos do jogo.

Quem também pouco produziu foi Neymar, que atingiu nesta quinta a marca de cem jogos disputados pela seleção. Mas esteve, perdendo, inclusive, uma chance clara de gol no primeiro tempo e só sendo perigoso em cobranças de falta na segunda etapa. Foi bem diferente da outra principal atração do amistoso, o senegalês Mané, que liderou a sua equipe e, em jogada individual, sofreu o pênalti que originou o gol de empate do amistoso, que atraiu apenas 20.621 torcedores ao Estádio Nacional de Cingapura. A seleção voltará a jogar no domingo, novamente, em Cingapura, a partir das 9 horas (de Brasília), diante da Nigéria.

O JOGO

O início da partida em Cingapura foi de domínio da seleção brasileira. O quarteto ofensivo composto por Phiilippe Coutinho, Gabriel Jesus, Roberto Firmino e Neymar se movimentava bastante. E o time marcava forte a saída de jogo de Senegal, aumentando a sensação de pressão.

Assim, não demorou a sair o primeiro gol. Aos oito minutos, em uma bela trama, Coutinho lançou Gabriel Jesus, que avançou pelo meio e tocou para Firmino em profundidade. O camisa 20 entrou na área e tocou por cobertura, fazendo 1x0.

Só que ficou praticamente nisso, pois se dava a impressão de domínio do jogo, a seleção optou por desacelerar o ritmo. E Neymar, em noite apagada, era pouco participativo e ainda cometia erros em vários lances. Era o oposto do principal jogador senegalês, Mané, que liderava as ações ofensivas de sua seleção e dava muito trabalho a Daniel Alves.



Com uma transição rápida, Senegal passou a criar chances de gol - e a dar trabalho a Ederson. Foi assim aos 19, com um chute perigoso de Gueye, de fora da área, para fora, e aos 25, quando Mané parou no goleiro. O jogador do Manchester City ainda faria intervenção difícil aos 39, em finalização de Diédhiou, após cobrança de escanteio.

O gol senegalês veio no fim da primeira etapa, quando Mané buscou a jogada individual e ao passar por Daniel Alves e Marquinhos, foi derrubado pelo zagueiro do Paris Saint-Germain. Diédhiou bateu muito forte e empatou o jogo. Só aí a seleção buscou novamente o gol. Já nos acréscimos, Neymar recebeu lançamento de Coutinho dentro da área, ficou de frente com o goleiro e chutou por baixo para ótima defesa de Gomis.

Na etapa final, o ritmo lento na intermediária se repetiria na seleção, com a criação de poucas jogadas perigosas. Houve algumas exceções, como aos cinco minutos, quando Casemiro viu Gomis adiantado e tentou marcar de cobertura, com o goleiro fazendo a defesa. E, principalmente, aos sete, quando Coutinho, jogador mais criativo do Brasil na partida, avançou e tocou nas costas da zaga para Gabriel Jesus, que buscou finalizar na diagonal na saída do goleiro e ficou reclamando de pênalti não marcado.

Além disso, a marcação do sistema defensivo era pouco agressiva, permitindo que Senegal ficasse com a posse, ainda que sendo bem menos incisivo na criação do que no primeiro tempo. Assim, o marasmo da partida só seria interrompido em jogadas de bola parada como aos 23 minutos, quando, em cobrança de falta da intermediária, Neymar bateu no canto do goleiro, com a bola passando por cima da meta.

As entradas de Everton Cebolinha, Richarlison e dos estreantes Matheus Henrique e Renan Lodi não alterariam muito esse cenário, tanto que Senegal teve duas ótimas chances de gol no fim, com Sidy Sarr, que parou em Ederson, e Mané, que acertou a trave. A seleção ainda teria e perderia uma última oportunidade, com Richarlison, e ainda veria Neymar parar em Gomis em nova cobrança de falta. Assim, o amistoso terminou com um preguiçoso empate por 1x1.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM