Jornal do Commercio
Notícia
VERGONHA

Aumenta cobrança por maior punição após casos de injúria racial com Taison e Rafael

Taison e Dentinho, que jogam no Shakhtar, foram vítimas neste final de semana, assim como um segurança no clássico Atlético-MG x Cruzeiro, e um jovem do sub-20 do Sport

Publicado em 12/11/2019, às 06h04

Taison se revoltou contra a torcida que o insultou e acabou expulso / Reprodução/Instagram
Taison se revoltou contra a torcida que o insultou e acabou expulso
Reprodução/Instagram
Luana Ponsoni

Escondidos em meio à multidão das arquibancadas e apoiados em uma legislação que prevê punições brandas para o crime de injúria racial, torcedores continuam proliferando esse tipo de comportamento em vários estádios mundo afora. A reincidência é tão frequente que aproximou, no último final de semana, três casos, um no futebol internacional, um no Campeonato Brasileiro e outro aqui em Pernambuco.

Taison e Dentinho, brasileiros que atuam no Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, saíram de campo chorando após serem chamados de “macacos” em jogo do Campeonato Ucraniano, contra o Dínamo de Kiev. No clássico entre Atlético-MG e Cruzeiro, houve briga entre as torcidas e uma rádio local flagrou insultos de um homem a um segurança que tentava interceptar o conflito. “Olha a tua cor, olha a tua cor”, bradava o torcedor. O vigilante se chama Fábio Coutinho e prestou queixa. A Polícia Civil de Minas já identificou dois torcedores que teriam cometido a injúria racial e um inquérito foi aberto.

No futebol pernambucano, no Campeonato da categoria sub-20, o Sport deu amplitude e prestou solidariedade ao seu atleta Rafael da Costa, que foi alvo de insultos no jogo contra o Barreiros. “A gente se desestabiliza um pouco. Durante o jogo, eu me peguei pensando nisso por algum tempo, mas foi rápido, depois passou”, comentou o rubro-negro, que também fez o relato em seu perfil em uma rede social.

Já Taison explodiu. Chutou a bola em direção às arquibancadas e fez gestos obscenos à torcida. Acabou expulso e saiu de campo aos prantos. Dentinho também foi às lágrimas com a situação. “Amo minha raça, luto pela cor, o que quer que eu faça é por nós, por amor. Jamais irei me calar diante de um ato tão desumano e desprezível”, postou Taison.



A Europa, de uma maneira geral, vive cenário de grande tensão na questão racial dos atletas de futebol. Um dos mais afetados é o italiano Mario Balotelli, do Brescia. Em Sofia, na capital da Bulgária, a seleção inglesa foi amplamente constrangida com cânticos racistas por torcedores do time da casa em jogo das Eliminatórias para Eurocopa, em outubro. A Bulgária vai jogar o próximo jogo com portões fechados e seis torcedores foram identificados e detidos.

Ver essa foto no Instagram

“ Amo minha raça, luto pela cor, o que quer que eu faça é por nós, por amor... “ Jamais irei me calar diante de um ato tão desumano e desprezível ! Minhas lágrimas foram de indignação, de repúdio e de impotência, impotência por não poder fazer nada naquele momento ! Mas somos ensinados desde muito cedo a sermos fortes e a lutar ! Lutar pelos nossos direitos e por igualdade ! O meu papel é lutar , bater no peito , erguer a cabeça e seguir lutando sempre ! ????? Em uma sociedade racista, não basta não ser racista, precisamos ser antirracista ! O futebol precisa de mais respeito, o mundo precisa de mais respeito ! Obrigada a todos pelas mensagens de apoio ! Seguimos a luta ...????? Net rasizmu

Uma publicação compartilhada por Taison Barcellos Freda (@taisonfreda7) em

OPINIÃO

A hostilidade direcionada aos negros no ambiente do futebol pode ser compreendida, de acordo com a socióloga Nathielly Ribeiro, pelo padrão social estabelecido desde a colonização. Já que, também no âmbito esportivo, houve tempo maior para que os negros pudesse se firmar. “O racismo no futebol parece contraditório porque trata-se de um esporte popular. Mas vai continuar garantindo um grupo racial dominante, que pertence à classe mais abastada. Por mais que essa classe integre os negros nesse ambiente, não acredita que esse ambiente é naturalmente dos negros. O que aconteceu com Taison, a expulsão, ilustra isso. A maneira como o racismo foi tratado. O comportamento da torcida foi mais grave que o do jogador. E o que vem sendo feito?”, questionou Nathielly, que é doutoranda em Sociologia pelo PPGD da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

No Brasil a norma que regula casos de racismo e injúrias raciais no futebol é o Estatuto do Torcedor. O Artigo 13, prevê que esses crimes, apontados pelo artigo 140 do Código Penal, sejam punidos com afastamento do estádio. O JC tentou falar com José Bispo, promotor do Juizado do Torcedor, mas não obteve resposta às ligações. Desde o segundo semestre, a CBF e a Conmebol anunciaram que iam seguir o novo Código Disciplinar da Fifa. O documento dá mais poder aos árbitros que podem paralisar a partida e advertir os torcedores até duas vezes antes de decretar o encerramento do jogo, caso as manifestações racistas não cessem. Sobre o caso de Taison e Dentinho, a Fifa afirmou que a responsabilidade sobre o caso é das autoridades ucranianas.

Palavras-chave




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM