Jornal do Commercio
Notícia
Retrospectiva

Veja os 10 jogos mais marcantes de Náutico, Santa Cruz e Sport em 2019

Os três maiores clubes do estado protagonizaram partidas marcantes neste ano

Publicado em 31/12/2019, às 06h00

Náutico e Santa Cruz se enfrentaram pela Copa do NE, Pernambucano, Copa do BR e Série C / Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Náutico e Santa Cruz se enfrentaram pela Copa do NE, Pernambucano, Copa do BR e Série C
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Adige Silva
Ajunior@jc.com.br

Mais um ano se passou e o 'Trio de Ferro' do futebol de Pernambuco proporcionou jogos emocionantes aos seus milhões de torcedores. Após um 2018 ruim, o futebol pernambucano voltou a sorrir em 2019. Bem, pelo menos, dois clubes tiveram motivos para isso. Náutico e Sport terminaram o ano com um título e um acesso cada. Já o Santa Cruz não teve o mesmo desempenho. Terminou o ano sem títulos e não conseguiu seu principal objetivo na temporada, que era sair da amargurante Série C.

Com tantas reviravoltas, os três maiores clubes do estado protagonizaram partidas marcantes e que ficarão eternizadas na memória de seus torcedores. Por isso, o Jornal do Commercio selecionou 10 jogos emblemáticos desta temporada para você relembrar neste fim de ano. Confira abaixo:

Na final do PE, Sport manteve tabu contra o Náutico

Como ocorre em todos anos, o Campeonato Pernambucano foi o primeiro torneio a ter seu campeão conhecido. Após 5 anos, Náutico e Sport voltaram a se enfrentar na final da competição. O Náutico, campeão em 2018, buscava quebrar um jejum de 51 anos sem erguer uma taça em cima do rival. Após a primeira partida realizada no Estádio dos Aflitos, vencida pelo Sport por 1x0, o título seria decidido na Ilha do Retiro.

Em um jogo quente, com disputas duras, Suélliton, do Náutico, e Hernane Brocador, do Sport, foram expulsos aos sete minutos de jogo. Após o reinício da partida, de pênalti, o leão abriu o placar. O resultado deixava o Sport com uma mão na taça. Porém, a equipe alvirrubra dava sinais que não iria vender barato a derrota e, apesar de tecnicamente inferior, foi para cima. Ainda na primeira etapa, com um chute do Diego Silva de fora da área, veio o empate.

No segundo tempo, o Timbu dobrou o volume do jogo e partiu para cima de vez. A virada viria com o paraguaio Jiménez, de cabeça, aos 36 minutos. O clima de apreensão dominou a torcida leonina, que se calou durante os minutos finais. Do lado vermelho e branco, a expectativa pelo bicampeonato. Encerrado o jogo com o placar 2x1, a decisão iria para as penalidades. Com o goleiro Mailson, do Sport, defendendo duas cobranças, a taça permaneceu na Ilha e o tabu mantido. Sport 42 vezes campeão pernambucano.

1x0 e o adeus doído de um ídolo

Devido à eliminação precoce do Santa Cruz do Campeonato pernambucano, o 'clássico das multidões', realizado na 5ª rodada, acabou por ser o único do ano. Com um bom público no Estádio do Arruda, o Santinha venceu o Sport por 1x0, com um gol de Allan Dias, após falha do goleiro Magrão, do Sport.

Resultado magro, mas simbólico. Além de ser o único clássico entre as equipes no ano, o jogo foi o último de um dos maiores ídolos da história do Sport. Após a falha no gol, Magrão perdeu a titularidade para Mailson e não entrou mais em campo. Depois da pausa do campeonato para a Copa América, o arqueiro não se reapresentou e entrou com uma medida judicial contra o clube que defendeu por 14 anos. Cobrando salários atrasados, o goleiro firmou um acordo com o clube e se despediu da torcida através de um vídeo nas redes sociais.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Alessandro Beti Rosa (@magraogoleiro) em

O clássico do 'milhão dividido'

O tradicional 'clássico das emoções' ganhou outra denominação, em fevereiro deste ano: clássico do milhão. Isso porque Náutico e Santa Cruz se enfrentaram pela segunda fase da Copa do Brasil, em um jogo em que o campeão embolsaria a bagatela de R$ 1,4 milhão. No campo, um jogo pegado, com poucas chances criadas e muitas falhas. Em uma dessas, o artilheiro tricolor Pipico abriu o placar.

O empate alvirrubro não demorou a sair, quando Jorge Henrique empurrou a bola para as redes. O empate se manteve no placar até o final da partida, que, como previa o regulamento, foi para os pênaltis. Nas penalidades, melhor para os donos de casa, que converteram todas as cobranças de batidas e viram o rival errar duas das quatro possíveis.

Cercado de mística, o clássico do milhão ficou apenas no imaginário dos torcedores e da imprensa. Nos bastidores, os presidentes dos clubes selaram um acordo e a renda foi dividida em 60% para o vencedor e 40% para o adversário.

Uma quase final pernambucana no Nordeste

Diferentemente dos anteriores, este tópico relembrará mais de um jogo. Como o Sport se negou a participar da Copa do Nordeste, Náutico, Santa Cruz e Salgueiro representaram o Estado na competição. O carcará não teve vida longa, foi eliminado ainda na fase de grupos.

Classificados para as quartas, Santa e Náutico tinham tarefas distintas. Em jogo único, o tricolor encarou o CRB, no Arruda. Após empate em 1x1 nos 90 minutos, a decisão foi para as penalidades. Depois de uma disputa que parecia não acabar, a classificação foi confirmada com um 8x7 na marca do cal. Já o Timbu tinha um desafio e tanto. Encarando o Ceará, com um investimento de Série A, fora de casa. O clube alvirrubro foi valente, segurando a pressão da equipe alvinegra, e apostando no contra-ataque e venceu por 2x0, carimbando sua ida à semi-final da competição.

Nas semis, os papéis se inverteram. O Santa Cruz enfrentou um clube cearense, que estava na série A, o Fortaleza. Já o Náutico tinha uma tarefa mais franca. Enfrenar o Botafogo-PB, que também estava na série C, na Paraíba. No final, nem um, nem outro. Fortaleza venceu o valente Santa Cruz por 1x0 e o Náutico, com um futebol pragmático, foi derrotado por 2x1.

Caiu de pé! Santinha é eliminado da Copa do Brasil pelo Fluminense

Boa parte da renda do Santa Cruz no ano veio das premiações da milionária Copa do Brasil. Após eliminar Sinop-MT, Náutico e ABC, o santinha chegou a quarta fase contra um adversário de peso: o Fluminense. O primeiro jogo foi no Maracanã, onde a Cobra Coral perdeu por 2x0, em uma atuação apática.

Para o jogo de volta, no Arruda, a diretoria do clube preparou uma promoção de ingressos, o que culminou em um excelente público de 25 mil pessoas. Empurrado pela torcida, que cantou os 90 minutos, o Santa Cruz foi para cima e intimidou o tricolor carioca. Com gols de Airton e Pipico, os pernambucanos conseguiram empatar a série. Apesar de pressionar até o final, o placar se manteve e a decisão foi para as penalidades.

Na marca do cal, o desempenho do Santa não foi o mesmo do jogo e perdeu por 3x2. No final, o Santa Cruz foi eliminado da competição com a sensação de que poderia ir muito mais longe.

No confronto direto, Sport leva a melhor contra o campeão

Apesar de um Bragantino quase impecável e contando com o aporte financeiro da Red Bull, o Sport chegou a sonhar com o título do Série B. Essa oportunidade pareceu mais clara em um jogo emocionante contra o líder do campeonato. Pela 21ª rodada, o Leão venceu o time paulista por 2x1 com um gol aos 47 minutos do segundo tempo.

Na partida, Leandrinho abriu o placar aos 21 minutos do primeiro tempo. O time da Bragança Paulista empatou com o de Léo Ortiz, ex-jogador do Leão, aos 47 do primeiro tempo. No mesmo minuto do jogo, só que no segundo tempo, o artilheiro Guilherme deu a vitória ao rubro-negro. O título não veio, mas a excelente campanha deu um acesso mais tranquilo ao Leão da Ilha.

Férias antecipadas para o Santa em mais um clássico das emoções

Santa Cruz e Náutico protagonizaram mais um clássico das emoções no ano, na última rodada da Série C. Mais do que nunca, o duelo fez jus ao nome. O santa Cruz precisava derrotar o já classificado Náutico e torcer contra o Confiança e o Imperatriz, para confirmar a classificação para o mata-mata e, consequentemente, disputar o acesso a Série B.

O resultado dos adversários até ajudaram a equipe Coral, mas faltou o Santa Cruz fazer sua parte. Com direito a 'Olé', o Santa foi derrotado por 3x1 e viu o rival dominar a partida do início ao fim. Com o resultado, férias antecipada e mais uma dura participação na Série C 2020 para os corais.

Haja coração! Acesso alvirrubro vem no sufoco

O Náutico chegava para o jogo da vida na temporada. Bastava um vitória simples nos Aflitos, na segunda partida contra o Paysandu, para garantir o tão sonhado acesso. No entanto, o alvirrubro entrou em campo inseguro e, no início do segundo tempo, já perdia por 2x0. Mesmo com pouca criatividade, o Timbu foi para cima. Conseguiu diminuir o marcador, em uma cabeçada de Álvaro. O tempo foi passando e Náutico encontrava dificuldades para quebrar a barreira bicolor, até quando o árbitro, Leandro Vuaden, sinalizou pênalti no último de jogo.

A marcação foi muito questionada por torcedores e jogadores do time de Belém. Matheus Carvalho, que não tinha nada com isso, empatou a partida e levou a decisão, mais uma vez na temporada, para os pênaltis. Diferentemente do que ocorreu na final do Pernambucano e na copa do Brasil, o Timbu não titubeou e eliminou os rivais. Acesso garantido, com direito a invasão ao gramado e muita festa.

Ouça a narração emociante de Aroldo Costa

O primeiro nacional a gente nunca esquece

Já garantido na Série B 2020, o Náutico não perdeu fôlego e foi em busca de seu primeiro título nacional contra o Sampaio Corrêa. Após ter vencido a primeira partida da final por 3x1, nos Aflitos, a decisão foi disputada no Maranhão. Em um jogo bastante movimentado, Náutico e Sampaio empataram em 2x2 e o Timbu garantiu o título da Série C 2020, o primeiro troféu de nível nacional do clube. Nada mais justo que uma grande caravana, na madrugada do Recife, para comemorar. Confira:


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

O Leão de volta à elite

Após um campeonato equilibrado, o Sport chegava na reta final do Campeonato Brasileiro da Série B muito perto de conquistar o acesso à Série A. Depois de ter frustado a torcida com um empate em 0x0, na Ilha do Retiro, o Leão chegava precisando à penúltima rodada precisando de um simples empate para garantir o acesso. Mesmo não tendo mais objetivos a serem alcançados no torneio, a Ponte Preta vendeu caro a derrota. Abriu o placar no primeiro tempo e sempre ameaçava o gol leonino. Até que em uma jogada pela esquerda, Guilherme, o destaque do time na competição, empatou.

O resultado já garantiria o acesso, mas Guilherme, em uma lance de oportunismo, aproveitou o rebote do goleiro e garantiu a vitória. Depois de apenas um ano de sua queda, o Sport sacramentava seu retorno à Série A do Brasileirão. Invasão de campo e muita comemoração marcaram a volta do rubro-negro à elite do futebol.

 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM