Jornal do Commercio
Notícia
nacional

Manifestação contra contratação do goleiro Bruno marca estreia do Operário-MT

A manifestação é contra o tratamento de Bruno como ídolo no futebol. Goleiro foi liberado pela Justiça para assinar contrato com time do Mato Grosso

Publicado em 22/01/2020, às 13h18

Goleiro Bruno foi liberado pela Justiça para morar no Mato Grosso / Divulgação
Goleiro Bruno foi liberado pela Justiça para morar no Mato Grosso
Divulgação
JC Online

Centenas de pessoas realizaram na noite desta terça-feira manifestação contra a possível contratação do ex-goleiro Bruno Fernandes, de 35 anos, pelo Operário-MT. Bruno foi condenado na Justiça mineira a mais de 20 anos pelo sequestro, assassinato e ocultação de cadáver da ex-namorada e modelo Eliza Samúdio.

O ato ocorreu na entrada do Estádio Municipal Dito Souza, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, antes e durante a realização do jogo do Operário contra o Poconé no Campeonato Mato-Grossense de 2020. Ao som de tambores e com cartazes, os manifestantes gritavam "quem contrata um feminicida apoia o feminicídio". Enquanto isso, um carro de som dava suporte para os manifestantes e circulava lentamente ao redor do estádio.

A presidente do Conselho Estadual da Mulher, Glaucia Amaral, disse que o ato não era contra a ressocialização de Bruno, mas "contra o retorno dele à condição de ídolo". Segundo Glaucia, as manifestações contra a contratação do goleiro não acabam com o ato em frente do estádio em Várzea Grande. "Faremos outras intervenções", antecipou. O conselho pediu reunião com os dirigentes do clube, mas ainda não obteve resposta.

Já o vice-presidente da torcida organizada da Força Jovem do Operário, Lonerado Castro, afirmou que não iriam se manifestar sobre a contratação de Bruno, mas "apoiar o time, independentemente de quem vista a camisa do clube". Segundo ele, a "história do clube é linda e não será prejudicada pois o Operário é maior que o jogador".



REDES SOCIAIS

Campanha nas redes sociais contra a contratação de Bruno já começou a apresentar seus primeiros efeitos com patrocinadores do Campeonato Mato-Grossense. Dois deles, a cooperativa de crédito Sicredi e a Eletromóveis Martinello, desautorizaram o uso de suas marcas nos uniforme do clube.

A Sicredi, apesar de informar em nota que não comenta as contratações de jogadores feitas pelos clubes, justificou que a "exposição da marca nas camisetas do clube Operário não ocorre em função da nossa estratégia de marca".

Também em nota, a Martinello esclareceu que não é seu papel ou direito intervir nas decisões administrativas das equipes participantes do campeonato, mas que não permitirá, "ainda que por força de medidas judiciais, que a equipe operário Futebol Clube seja vinculada à nossa empresa utilizando uniformes que contenham a nossa marca ou que conceda entrevistas em frente ao painel com a nossa marca, enquanto mantiver a decisão de integrar ao seu quadro o ex-atleta em questão".




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM