Jornal do Commercio
Notícia
Luto

Morre, aos 87 anos, o jornalista e comentarista esportivo Sérgio Noronha

Noronha, que sofria de Alzeheimer, foi vítima de uma parada cardíaca, após contrair uma pneumonia há 10 dias

Publicado em 24/01/2020, às 22h56

Um dos grandes jornalistas e comunicadores da sua geração, Sérgio Noronha se destacou no jornal, no rádio e na TV / Foto: Divulgação
Um dos grandes jornalistas e comunicadores da sua geração, Sérgio Noronha se destacou no jornal, no rádio e na TV
Foto: Divulgação
Agência Brasil

O jornalista e comentarista esportivo Sérgio Noronha, chamado carinhosamente de seu Nonô, morreu nesta sexta-feira (24) aos 87 anos, no Hospital Rio Laranjeiras, na zona sul do Rio, vítima de uma parada cardíaca, após contrair uma pneumonia há 10 dias.

Noronha sofria de Alzeheimer e era morador do Retiro dos Artistas, em Jacarepaguá, desde novembro de 2018, levado pelo amigo e árbitro de futebol Arnaldo Cezar Coelho.

Noronha morou durante anos em Ipanema, na zona sul do Rio, e era frequentador assíduo da praia, onde ia todas as manhãs e mantinha a pele bronzeada de quem curtia o mar.

Carreira

Um dos grandes jornalistas e comunicadores da sua geração, Sérgio Noronha se destacou no jornal, no rádio e na TV. Era carioca, nasceu no dia 28 de dezembro de 1932 e estudou Letras na Faculdade Lafayete. Em 1959, virou repórter do Jornal do Brasil e trabalhou ainda nos jornais Diário Carioca, Correio da Manhã e Última Hora, além das revistas Senhor e TV Guia.



Manteve durante anos uma coluna diária sobre futebol no Jornal do Brasil e depois se mudou para o rádio e a televisão. No rádio participou de mesas redondas e comentários de jogos em várias emissoras e também na televisão, onde comentava os jogos nas transmissões esportivas, como na Rede Globo, onde atuou ao lado de Galvão Bueno e Arnaldo Cezar Coelho. Fez parte também das equipes da TV Educativa, atual TV Brasil, Tupi, TV Rio e no Canal SporTV.

Depois de deixar a Rede Globo, onde trabalhou por mais de duas décadas, em Janeiro de 2009 assinou contrato com a TV Bandeirantes para comentar o Campeonato Carioca na emissora. Foi também comentarista do canal pay-per-view Premiere. Também fez parte dos Debates Populares, do programa Haroldo de Andrade, na Rádio Globo, onde participava da mesa de debatedores que discutia os temas em destaque do dia.

O horário do velório e o local do enterro ainda não foram definidos pelo Retiro dos Artistas. Noronha sempre morou sozinho e não tinha parentes próximos.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM