Jornal do Commercio
COPA DO NORDESTE

Náutico sofre, vence nos pênaltis e está na Copa do Nordeste 2018

Timbu empatou em 0x0 no tempo normal e venceu por 5x4 nos pênaltis

Publicado em 13/01/2018, às 18h18

Jefferson foi o herói do Náutico na decisão por pênaltis / Bobby Fabisak/JC Imagem
Jefferson foi o herói do Náutico na decisão por pênaltis
Bobby Fabisak/JC Imagem
Matheus Cunha
Twitter: @_mfcunha

Foi difícil. Foi sofrido. Mas o Náutico está na Copa do Nordeste de 2018. O Timbu ficou no 0x0 contra o Itabaiana, neste sábado, na Arena de Pernambuco, pelo jogo de volta da fase preliminar do Nordestão. Mesmo resultado do jogo da ida em Sergipe, levando a decisão para os pênaltis. Aí foi que a estrela do goleiro Jefferson brilhou, defendendo duas cobranças, enquanto que o Tremendão mandou para fora outra. Os alvirrubros desperdiçaram duas cobranças, mas venceram por 5x4 e agora integram o Grupo C do regional, ao lado de Bahia, Altos e Botafogo-PB.

A partida começou muito parelha. O Náutico tentava ser mais agressivo, mas sem muita efetividade. O principal homem das ações alvirrubras era o lateral-direito Thiago Ennes, que desceu muito para apoiar no primeiros minutos. O Itabaiana jogou apenas no erro alvirrubro. E foi assim que quase abriu o placar, logo aos 10 minutos de jogo, com o atacante Douglas, que recebeu dentro da área após contra-ataque sergipano. Chutou meio sem jeito e o goleiro Jefferson fez boa defesa.

Os donos da casa deram o primeiro susto dois minutos depois, quando Daniel Bueno dividiu a bola com a defesa adversária. Na sobra, Fernandinho chegou chutando junto com o zagueiro. O chute saiu fraco e Andrade segurou.

O ímpeto inicial dos alvirrubros foi diminuindo e o Itabaiana passou a gostar mais do jogo. Adiantou as suas linhas e começou a pressionar a saída de bola timbu, obrigando os donos da casa a recuarem constantemente para o goleiro Jefferson, que apenas chutava para a frente.

O "caminho da mina" para o Náutico era os lados do campo, com Gabriel Araújo e Thiago Ennes nas costas dos laterais Euzebio e Juninho. Até porque o meio campo alvirrubro não criava muito, mesmo com Medina e Wallace Pernambucano na criação. A equipe pernambucana abusou dos chutões diretos para o ataque, sempre procurando o centroavante Daniel Bueno. O camisa 9, por estar entre os dois zagueiros adversários, quase sempre perdia a bola.

Mesmo sem tanta posse de bola, o Itabaiana foi mais efetivo quando atacou. O meia Léo Mineiro era o homem da criação do Tremendão da Serra. Sempre chegava com perigo a área alvirrubra. Por ter se preparado mais tempo que o adversário, os sergipanos apresentaram mais entrosamento e triangulações na entrada da área. Em uma, Douglas chutou de fora, obrigando Jefferson a fazer boa defesa.

O goleiro Jefferson se chocou com Léo Mineiro no fim do primeiro tempo. O joelho do sergipano pegou no rosto do arqueiro alvirrubro, que ficou caído no chão. Chegou a chorar no gramado, mas continuou. Na sequência, numa cobrança de falta de Gabriel Araújo na entrada da grande área, o arqueiro do Itabaiana fez boa defesa no seu canto direito. O árbitro encerrou a primeira etapa logo em seguida.



As equipes voltaram para o segundo tempo sem mexidas. E o Náutico começou melhor a etapa final, sem dar espaços para os sergipanos, que buscavam brechas nos contra-ataques. Thiago Ennes e Gabriel Araújo foram, outra vez, condutores das principais ações dos donos da casa.

Assim como na primeira etapa, o meio campo alvirrubro se mostrou frágil. Era por ali que o Itabaiana avançada, sempre com liberdade. Os jogadores timbu estavam dispersos, facilitando a ofensiva sergipana.

O tempo foi passando e o Náutico pouco assustava o adversário. Wágner Lauretti, que entrou no lugar de Thiago Ennes, chegou a arriscar de longe, mas sem perigo. O Itabaiana não tinha a vantagem, já que o 0x0 levava o jogo para os pênaltis, mas esperava o Timbu o tempo todo. Levou muito perigo em uma cobrança de falta de Juninho, aos 26 minutos, quando Jefferson defendeu e a defesa afastou.

Com o fim do jogo se aproximando, o Náutico se lançou ao ataque. Sem desorganização e do jeito que dava. As bolas foram alçadas mais ainda na área. A torcida, sentindo a pressão, apoio. Mas o placar não saiu do 0x0 e a decisão foi para os pênaltis.

 Nas disputa da marca da cal, coube ao goleiro Jefferson brilhar e garantir o Timbu na fase de grupos do Nordestão. O arqueiro defendeu dois pênaltis. O Timbu poderia ter saído vencedor já na na disputa inicial de cinco cobranças, mas Jobson e Gabriel Araújo desperdiçaram. Nas alternadas, Jefferson pegou o chute de Douglas, enquanto que Medina fez e garantiu a vitória do clube. Além da classificação, os alvirrubros garantiram R$ 500 mil de cota.

FICHA DO JOGO

Local: Arena de Pernambuco. Árbitro: Pablo Alves (PB). Assistentes: Oberto Santos e Tomaz Araújo (Ambos da PB). Cartões amarelos: Thiago Ennes e Juninho. Público: 4.805. Renda: R$ 51.045

NÁUTICO
Jefferson; Thiago Ennes (Wágner Lauretti), Rafael Ribeiro, Claydson e Gabriel Araújo; Negretti, Hygor, Wallace Pernambucano (Jobson) e Medina; Fernandinho (Clebinho) e Daniel Bueno.
Técnico: Roberto Fernandes

ITABAIANA
Andrade; Carlos Henrique (Euzébio), Diego Bispo, Ramon e Juninho; Mica, Eduardo, Léo Mineiro e Bida; Douglas e Paulinho Macaíba (Moisés) (Salatiel).
Técnico: Gilberto Pereira


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe
As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus
O JC preparou um hotsite especial em homenagem ao ator e diretor Jose Pimentel, o eterno Jesus Cristo do teatro pernambucano
Nordeste Renovável Nordeste Renovável
Com a força dos ventos e a incidência solar, o Nordeste desponta como oásis. Não só para o turismo, nem apenas no Litoral. Na geração de energia sustentável está a nova fonte de riqueza da Região, principalmente no interior

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM