Jornal do Commercio
Série C

As contas do Náutico para avançar na Série C

Quantas vitórias o Timbu ainda precisa para chegar no mata-mata do acesso?

Publicado em 11/07/2018, às 08h03

Timbu vive fase iluminada na Série C, com cinco vitórias seguidas / Guga Matos/JC Imagem
Timbu vive fase iluminada na Série C, com cinco vitórias seguidas
Guga Matos/JC Imagem
Diego Toscano
Twitter: @diegotoscanoo

A preocupação maior passou, mas a calculadora continua na mão dos alvirrubros. Depois de deixar a zona de rebaixamento e arrancar para o G-4 do Grupo A da Série C, o Náutico agora faz as contas para conseguir a classificação antecipada para o mata-mata do acesso na Terceirona. Hoje na vice-liderança da chave com 22 pontos, cinco a mais que o Botafogo-PB, quinto colocado, o Timbu calcula que precise de duas vitórias nos últimos cinco jogos para chegar nas quartas de final.

Desde 2012, quando a Série C aderiu ao formato de duas chaves com 10 clubes cada, a média histórica para avançar de fase na Terceirona é de 27 pontos, mesmo número se levando em conta o aproveitamento de 48,7% do Confiança, o quarto lugar atualmente. Hoje, o Timbu precisaria de mais cinco pontos. E o cálculo alvirrubro é esse, mais cinco ou seis pontos são suficientes.



“É importante vencer. Pra gente, acho que 28 pontos ou 29 pontos e estamos praticamente classificados. Quanto mais rápido conseguir, mais tranquilidade e confiança ao grupo”, afirmou o zagueiro Camutanga, que negou que o técnico Márcio Goiano tenha colocado uma meta definitiva para as últimas cinco partidas. Objetivo é ir pensando no jogo a jogo.

CURTO PRAZO

“O professor está mais preocupado com desempenho dentro de campo. Ele faz as contas com a comissão técnica e está dando tranquilidade e nos mostrando quantos pontos podemos fazer. Não queremos pensar em pontos, mas em classificação. O máximo de pontos que fizermos vai ser melhor”, explicou Camutanga.


Palavras-chave


Comentários

Por Théo Sabiá,11/07/2018

Também vejo o Camacho como mais condicionado a ocupar a zaga esquerda pois, além de canhoto, oferece mais segurança e experiência para o setor. Eles fizeram boa dupla no pernambucano, mas vejo o Suélinton como mais seguro para jogar ao lado do Camacho.

Por JOSÉ CARLOS ARRUDA,11/07/2018

ESSE CAMUTANGA É MUITO FRACO, LEVAMOS GOLS POR CAUSA DELE, O ATACANTE DO CONFIANÇA FEZ O QUE QUIS E O QUE NÃO QUIS COM ELE, LEVOU UM MONTE DE JÁ VAI E JÁ VEM, TEM QUE COLOCAR O CAMACHO COM SUELINGTON NA ZAGA.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM