Jornal do Commercio
Notícia
Negócios

Negociações do Náutico na temporada ultrapassam R$ 3 milhões

Nesta temporada, a diretoria do Náutico negociou Robinho, Bruno e Luiz Henrique, todos formados na base do clube

Publicado em 11/07/2019, às 20h11

Edno Melo (E) e Diógenes Braga (D) estão no segundo ano de gestão no Náutico / Diego Nigro/Acervo JC Imagem
Edno Melo (E) e Diógenes Braga (D) estão no segundo ano de gestão no Náutico
Diego Nigro/Acervo JC Imagem
Fernando Castro
Twitter: @fernand0_castro

A atual gestão executiva do Náutico tem chamado atenção fora de campo. Com um trabalho de administração financeira forte, o clube tem conseguido sanar dívidas e negociar jogadores, principalmente aqueles formados nas categorias de base. Somando todas as negociações nesta temporada, o clube deve lucrar cerca de R$ 3,5 milhões, valor importante para manter os salários em dia após a disputa da Série C.

Na última negociação feita, o Náutico vendeu o volante Luiz Henrique por 250 mil euros ao Moreirense, valor divulgado pelo próprio clube, diferente das outras transações. Antes, a diretoria negociou o atacante Robinho ao Bragantino por cerca de R$ 1 milhão. O empréstimo do goleiro Bruno ao Gil Vicente também rendeu aos cofres alvirrubros, cerca de R$ 100 mil.

Na transferência do volante Jobson ao Santos, o Náutico lucrou cerca de R$ 800 mil, já que mantinha 20% dos direitos econômicos do jogador. Por último, o Náutico aguarda receber cerca de R$ 540 mil da venda do lateral-esquerdo Douglas Santos ao Zenit. O clube tem direito a 0,9% do valor do negócio (R$ 60 milhões), pelo mecanismo de solidariedade da FIFA.



"A gente quando assumiu o Náutico implementou um projeto de gestão que envolve futebol. A gente só está conseguindo fazer tudo, pagando em dia, revelando jogador, negociando jogador, porque existe um planejamento no futebol, existe austeridade, critério na contratação, que passa pelo crivo da comissão técnica, além de uma análise se o Náutico vai ter condições de pagar os salários. Com isso a gente está mudando a cara do Náutico, estamos mudando a realidade que o clube vive", comentou o presidente Edno Melo, em entrevista à Rádio Jornal.

VALOR DIVULGADO

Na venda de Luiz Henrique, pela primeira vez na gestão os valores de uma negociação foram revelados integralmente. De acordo com o mandatário alvirrubro, antes não era possível divulgar os valores por conta dos credores. "Com a venda de Luiz Henrique agora, eu queria que eles (os torcedores) entendessem que no passado próximo não era revelado (os valores) por conta de vários credores. O Náutico é um clube gigantesco, inclusive em dívidas também. O Náutico já recebeu o valor dessa negociação, já demos um destino, pagamos quem tinha que pagar", revelou o presidente alvirrubro. 

PAGAMENTOS EM DIA

Assim como tem sido desde quando Edno Melo e Diógenes Braga assumiram a gestão do clube, o Náutico deve terminar o ano mais uma vez com os salários em dia. "O Náutico viabilizou a gestão de 2019 com atletas da casa, servindo em campo e com vendas trabalhadas. Não foi de qualquer jeito. Agora a gente consegue chegar praticamente no final do ano com os salários em dia, dentro do planejamento que foi feito dentro do futebol e na parte administrativa", garantiu Edno.

VALORES

Luiz Henrique - R$ 1,06 milhão - Valor da venda para o Moreirense

Douglas Santos: R$ 540 mil - Valor que o Náutico vai receber pelo mecanismo de solidariedade da FIFA

Bruno: R$ 100 mil - Valor do empréstimo para o Gil Vicente

Robinho: R$ 1 milhão - Valor da venda para o Bragantino

Jobson: R$ 800 mil - 20% do valor da venda para o Santos




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM