Jornal do Commercio
Notícia
brasil

Evandro Carvalho defende árbitro pernambucano em polêmica na Série A

Presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro Carvalho defendeu Gilberto Castro Júnior, que não marcou pênalti a favor do Ceará no jogo contra o São Paulo

Publicado em 20/08/2019, às 11h33

Evandro Carvalho  torce para o Santa Cruz garantir a classificação no mata-mata da Série C / Acervo JC Imagem
Evandro Carvalho torce para o Santa Cruz garantir a classificação no mata-mata da Série C
Acervo JC Imagem
JC Online

O presidente da Federação Pernambucana de Futebol (FPF), Evandro Carvalho, concordou com a atitude do árbitro pernambucano Gilberto Castro Júnior ao não marcar o pênalti no jogo entre São Paulo e Ceará, no último domingo. No lanche, o goleiro Tiago Volpi se chocou com o atacante Felippe Cardoso. O presidente do Vozão criticou a arbitragem e pediu uma providência da Federação Cearense. 

Evandro, por sua vez, saiu em defesa do pernambucano. "Nós temos esse monitoramento. Evidente que arbitragem é uma coisa muito complexa. Envolve uma expertise. O árbitro acertou. Porque se tratou de um choque natural e não condicional. Tomando como base a ação do árbitro, que é aspirante à Fifa. Natural que há divergência. Faz parte do jogo", falou o presidente da FPF, em entrevista à Rádio Jornal. Ele ainda falou que fará uma votação para utilizar o sistema do arbitragem em vídeo nas finais da Série C. "Vamos fazer uma votação e se houver maioria vamos fazer. Antes o investimento era de R$ 75 mil por jogo hoje é de R$ 49 mil. Natural que a tecnologia reduza o custo. São 18 câmeras. O que já complica a gente se adaptar. Já para essas finais da Série C queremos garantir mais tranquilidade para Náutico e Santa Cruz", observou.

CLÁSSICO 

O presidente também falou sobre o Clássico das Emoções entre Náutico e Santa Cruz, no próximo sábado, nos Aflitos. O mandatário confessou que torce para o Tricolor garantir a classificação para o mata-mata da Série C. Ele ainda revelou que defende a realização da partida na Arena Pernambuco.



"Eu acho que a presença da torcida não vence. O papel do torcedor é se associar. Infelizmente temos 15 mil associados, quando poderíamos ter pelo menos 100 mil torcedores em dia no Náutico. E eu acho que na arena geraríamos R$ 500 mil de renda para o Náutico. Eu não tenho nenhum constrangimento. Brinquei que era tricolor desde criancinha. todo pernambucano deveria pensar no estado, exceção do Náutico, é aquecimento para a economia", comentou.   

"A minha convicção é que o Dal Pozzo use o time alternativo. Como o Náutico já está classificado e ele precisa dar ritmo aos jogadores que não vêm jogando. Imagino eu que essa seja a tendência do lado profissional que o que interessa agora são os jogos mata-mata para voltar a Série B", finalizou.    




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM