Jornal do Commercio
ilha do retiro

O povão tá Tri-feliz. Santa, o novo papai da cidade

Santa Cruz podia até empatar, mas não se intimidou e venceu o Sport por 2x0, na segunda partida da final

Publicado em 12/05/2013, às 17h54

Do JC Online

É muita felicidade para uma torcida só! Alçado por muitos à terceira força do futebol pernambucano, o Santa Cruz mostrou que planejamento e raça dão resultado e conquistou, na tarde deste domingo, o tricampeonato pernambucano, ao vencer o Sport por 2x0, na Ilha do Retiro, no segundo jogo da final do Campeonato Pernambucano. Flávio caça-Rato, aos 25 minutos do primeiro tempo, e Sandro Manoel, aos 42 do segundo, marcaram os gols da vitória. O tricolor nem precisava vencer o jogo (um empate bastava, já que tinha vencido o primeiro jogo por 1x0), mas foi mais eficiente. Levou pressão, sim. Mas mostrou que é forte.

Não se trata de um simples tricampeonato. É um tricampeonato diante do maior rival. Os três títulos foram conquistados em cima do Sport. Em 2011, o Santa venceu o Sport na Ilha (2x0) e perdeu no Arruda (1x0). Em 2012, empate no Arruda (0x0) e vitória na Ilha (3x2), no dia do aniversário do Sport. Este ano, duas vitórias e mais uma volta olímpica dada na Ilha do Retiro.

O JOGO - O jogo começou com as duas equipes se estudando e sem se arriscar muito. O grande diferencial do Santa Cruz foi marcar a saída de bola do Sport. Com isso, os rubro-negros não conseguiam sair jogando e, consequentemente, não levavam perigo para a meta de Thiago Cardoso. Já o Santa, que tinha o regulamento embaixo do braço, saia na boa, aproveitando os conra-ataques e os espaços (que eram muitos) deixados pela defesa e meio-campo leonino.



E foi justamente em um contra-ataque que Raul encontrou Flávio Caça-Rato, aos 25 minutos. O atacante saiu de cara com Magrão e teve a calma digna dos maiores matadores do futebol. Teve a competência para driblar Magrão, levantar a cabeça e tocar no canto, tirando do alcance do zagueiro Maurício, que, desesperado, tentava evitar o gol. Na comemoração do gol, Flávio Caça-Rato levou cartão amarelo.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

Após o gol, o Santa recuou e proporcionou o crescimento do Sport, que partiu para cima. O Leão realizava boas jogadas, sobretudo com Moacir pela direita (entrou no lugar de Cicinho, machucado), que fazia tabelas com Marcos Aurélio e Felipe Azevedo. Nesse instante passou a brilhar a estrela do goleiro Thiago Cardoso. O paredão tricolor fez seis defesas fenomenais, em chutes de Felipe Azevedo, Marcos Aurélio e Tóbi. Além disso, Felipe Menezes colocou uma bola na trave.

No final do primeiro tempo, Flávio Caça-Rato foi corretamente expulso pelo árbitro Gilberto Castro Júnior. Ele tentou levar a bola com a mão. Levou o segundo cartão amarelo e acabou excluído do jogo, deixando o Sport na vantagem numérica.

O Sport voltou para o segundo tempo com Érico Júnior no lugar de Felipe Menezes. Já o Santa, com um jogador a menos, passou a apenas se defender, sempre de forma consistente. O grande problema do Sport era justamente não conseguir furar o bloqueio tricolor. Mesmo assim, as chances foram aparecendo. A melhor delas justamente com Érico Júnior, que sozinho, após cruzamento de Lucas Lima, cabeceou para fora.

Aos 20 minutos, Sérgio Guedes partiu para o tudo ou nada ao tirar o zagueiro Maurício para promover a entrada do atacante Mateus Lima. O Sport continuou com mais volume de jogo, mas, em contrapartida, deixou ainda mais espaços para o Santa. O Tricolor, que até então não tinha atacado, passou a usar o contra-ataque. Em duas oportunidades os atacantes corais saíram de frente com Magrão, que fez duas belas defesas.
Já no fim do jogo, o volante Sandro Manoel fez uma bonita tabela com Raul, avançou em direção à grande área, deu um drible desconcertante no zagueiro Tóbi e empurrou a bola para o fundo das redes do goleiro Magrão, decretando o tricampeonato coral.


Veja os gols do Santa:

SPORT: Magrão; Cicinho (Moacir), Gabriel, Maurício (Mateus Lima) e Reinaldo; Tobi, Rithely, Lucas Lima e Felipe Menezes (Érico Júnior); Marcos Aurélio e Felipe Azevedo.

SANTA: Tiago Cardoso; Everton Sena (Nininho), William Alves, Renan Fonseca e Tiago Costa; Anderson Pedra, Luciano Sorriso, Raul e Renatinho (Tozo); Flávio Caça-Rato e Dênis Marques

Local: Ilha do Retiro. Árbitro: Gilberto Castro Jr. Assistentes: Clóvis Amaral e Ricardo Chianca. Gols: Flávio Caça-Rato, aos 25 minutos do primeiro tempo, e Sandro Manoel, aos 42 do segundo tempo. Cartões Amarelos: Maurício, Mateus Lima, Tobi (Sport); Éverton Sena, Tiago Costa, Raul (Santa Cruz). Cartão vermelho: Flávio Caça-Rato. Público: 26.806. Renda: R$ 552.420,00





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM