Jornal do Commercio
Estadual

Em Arena PE lotada, Náutico bate Central e é campeão do Pernambucano

Timbu bateu a Patativa por 2x1 e volta a ser campeão após 14 anos

Publicado em 08/04/2018, às 17h55

Torcida fez a festa na Arena de Pernambuco / Diego Nigro/JC Imagem
Torcida fez a festa na Arena de Pernambuco
Diego Nigro/JC Imagem
Diego Toscano
Twitter: @diegotoscanoo

Depois de 14 anos, o grito voltou a explodir da garganta alvirrubra. E não foi a vaia da decepção ou até a ausência de som, num silêncio que permeou a relação alvirrubra com a Arena, distanciando os torcedores do clube da Rosa e Silva, que no último sábado (7) completou 117 anos. Não mais. O presente veio com uma Arena de Pernambuco lotada, com mais de 40 mil pessoas. A vitória por 2x1 sobre o Central, na final do Pernambucano, resgata a auto-estima dos alvirrubros após temporada sofridas, com rebaixamentos e campanhas ruins.

>>> Ouça os gols do título nas ondas da Rádio Jornal

>>> Roberto Fernandes: 'resgate da autoestima'

>>> Aflitos explode com o título do Pernambucano

JOGO EQUILIBRADO

A primeira etapa foi marcada por reviravoltas. Nos primeiros 15 minutos, só deu Náutico, que entrou em campo com uma postura bem ofensiva, com três atacantes e dois meias no time titular. No abafa, quase abriu o placar logo aos quatro minutos. De falta, Wallace Pernambucano carimbou o poste esquerdo de França. A bola ainda passou na frente da barra centralina e saiu.

Depois, foi a vez do Central dominar. Com posse de bola, o time caruaruense chegou em três oportunidades. Com 25, Fernando Pires arrematou de longe e goleiro Bruno espalmou para escanteio. Dois minutos depois, Gildo abriu o placar. Após lançamento, o atacante driblou Camutanga e só tirou do arqueiro alvirrubro. A arbitragem marcou impedimento polêmico, o que revoltou a torcida do Central. Aos 35, Dudu Gago cruzou e Douglas Carioca acertou a rede no lado de fora.

No seu pior momento, o Náutico abriu o placar. Com 43 minutos, Júnior Timbó arrancou pela esquerda e cruzou. Ortigoza chutou, a bola desviou em Danilo Quipapá e matou França. Explosão alvirrubra na Arena de Pernambuco.

Na segunda etapa, o técnico Roberto Fernandes garantiu a vitória com uma mudança. Saiu Wallace Pernambucano, mais uma vez apagado, e entrou Jobson. Novamente nos primeiros minutos de um tempo, o Timbu pressionou. Com oito, Ortigoza até balançou as redes após dividir com França, mas a arbitragem marcou toque de mão do paraguaio e o advertiu com amarelo.




Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Com 13 minutos, o golpe que deixou os alvirrubros com a mão na taça. Do papai Jobson, que antes do primeiro jogo da final descobriu que vai ser pai. Ele deu uma pintura de presente para todos os torcedores. Após passe açucarado de Rafael Assis, driblou dois defensores do Central e chutou cruzado, sem chances para França.

Aguerrido, o Central não desistiu e foi pra cima do Náutico no fim. Com 26 minutos, até conseguiu diminuir com Júnior Lemos, após pênalti de Kevyn. Oito minutos depois, a mesma trave tirou outro gol na partida. Desta vez do Central. Após chute cruzado de Júnior Lemos, a bola novamente acertou o poste esquerdo, passou na frente do gol e saiu. Não foi dessa vez que um campeão Pernambucano saiu do interior. No último apito de Nielson Nogueira Dias, o fim do sufoco: o Timbu volta a ser campeão do Estadual!

FICHA DE JOGO - NÁUTICO 2X1 CENTRAL

NÁUTICO - Bruno; Thiago Ennes, Camutanga, Camacho e Kevyn; Negretti, Júnior Timbó e Wallace Pernambucano (Jobson); Rafael Assis, Ortigoza e Robinho. Técnico: Roberto Fernandes.

CENTRAL - França; Eduardo Gago, Danilo Quipapá, Vitão e Charles; Eduardo Erê, Douglas Carioca (Itacaré), Fernando Pires e Júnior Lemos (Mateus Issa); Leandro Costa e Gildo (Lucas Silva). Técnico: Mauro Fernandes.

Local: Arena de Pernambuco. Árbitro: Nielson Nogueira Dias (PE). Assistentes: Clóvis Amaral e Cleberson Nascimento (ambos de PE). Gols: Ortigoza, aos 43 min do 1ºT; Jobson, aos 12 min do 2ºT, e Júnior Lemos, aos 26 min do 2ºT. Cartões amarelos: Thiago Ennes, Camacho, Kevyn e Jobson (N). Dudu Gago e Eduardo Erê (C).


Recomendados para você


Comentários

Por Márcio,11/04/2018

Impedimento claro!! O jogador do Central tava somente uns 10m a frente.... Vamos deixar a revolta e o sentimento de perda de lado, galera. O que é certo é certo. Nem a torcida do central tá reclamando tanto... Até o comentarista da TV Caruaru aceitou que o lance tava impedido. Foi um lance difícil, mas foi claro. Acertou o bandeirinha!

Por Gabriel,11/04/2018

Incrível como os torcedores rivais que não se conformam, só falam em roubo ou favorecimento do Náutico. Aceitem perder!! Deixem o clubismo de lado e sejam sensatos. O lance foi irregular, houve o impedimento e as imagnes são claras. Vamos ser justos.

Por Emanuelly,11/04/2018

Não houve roubo coisa nenhuma... Dá pra ver claramente que o jogador do Central estava com o joelho e o tronco à frente. E pela Federação de Futebol, apenas um desses mebors seria o suficiente para a marcação do impedimento. O fator é que o ângulo que mostraram pela TV não favoreceu a clareza do lance. Mas o banderinha acertou maestrosamente um lance muito difícil. Parabéns ao Náutico e ao Central pelo belíssimo jogo.

Por Ubirajara Menezes,09/04/2018

Roubaram o Central e a imprensa se finge de morta. "Não se pode sacrificar o bandeirinha", mas pode se sacrificar o Central. Com doze jogadores, qualquer um é campeão.

Por EUDES CARDOZO,09/04/2018

NENHUM ROUBO. VEJAM FOTO DO IMPEDIMENTO. CLARÍSSIMO.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM