Jornal do Commercio
Reflexão

'Até agora, não mostrei nada do que posso render', diz Everton Felipe

Jogador foi negociado pelo Sport com o São Paulo, mas não teve muitas chances de mostrar serviço por causa de problemas físicos

Publicado em 07/12/2018, às 10h00

Jogador apontou as lesões como barreiras para desempenho / São Paulo/Divulgação
Jogador apontou as lesões como barreiras para desempenho
São Paulo/Divulgação
JC Online

O meia Everton Felipe demonstrou certo alívio por 2018 estar chegando ao fim. Por meio das redes sociais, o pernambucano fez uma espécie de desabafo, apontando este ano como um dos piores de sua carreira. O jogador foi negociado pelo Sport ao São Paulo e integra o tricolor paulista desde o segundo semestre.

"Ficar lesionado por muito tempo, ficar sem jogar.... foram as piores coisas que aconteceram na minha vida. Que 2019 seja um ano diferente, que eu consiga mostrar meu melhor futebol", escreveu o meia.



AUTOCRÍTICA

Everton Felipe também se mostrou bastante crítico consigo, apontando que, pelo São Paulo, não conseguiu fazer o que é capaz. "Até agora, para ser sincero, não mostrei nada do que posso render. Que na próxima temporada, eu consiga dar toda a felicidade que os são-paulinos merecem", completou.

 


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM