Jornal do Commercio
Atletismo

Thiago Braz fica em 4º no salto com vara na Diamond League

Em sua primeira competição ao ar livre na temporada, Thiago Braz iniciou a disputa com o sarrafo a 5,50m com tentativas frustradas

Publicado em 13/05/2017, às 12h14

Thiago Braz ficou distante do 5,86m que já registrou neste ano, em competição indoor, e longe do 6,03m que lhe rendeu o ouro na Olimpíada. / Foto: AFP
Thiago Braz ficou distante do 5,86m que já registrou neste ano, em competição indoor, e longe do 6,03m que lhe rendeu o ouro na Olimpíada.
Foto: AFP
Estadão Conteúdo

Em prova de alto nível na etapa de Xangai da Diamond League, o brasileiro Thiago Braz não conseguiu passar do quarto lugar na prova de salto com vara. O atual campeão olímpico marcou 5,60 metros, sem alcançar os 5,88 metros do norte-americano Sam Kendricks, vencedor da prova - o atleta dos Estados Unidos foi bronze no Rio-2016.

Recordista mundial, o francês Renaud Lavillenie faturou a medalha de prata, assim como na Olimpíada do Rio de Janeiro. Desta vez, ele registrou 5,83 metros. O canadense Shawnacy Barber, atual campeão mundial, levou o bronze, com 5,60 metros.

Em sua primeira competição ao ar livre na temporada, Thiago Braz iniciou a disputa com o sarrafo a 5,50m com tentativas frustradas. Mesmo assim, superou esta e a marca de 5,60m. Mas, ao tentar saltar 5,70m, falhou nas três tentativas. Assim, ficou distante do 5,86m que já registrou neste ano, em competição indoor, e longe do 6,03m que lhe rendeu o ouro na Olimpíada.

Em outra prova tradicional na etapa de Xangai, o chinês Su Bingtian levou o ouro nos 100 metros, com 10s09. O norte-americano Mike Rodgers marcou 10s13 e o marfinense Ben Youssef faturou o bronze com 10s15. Nenhuma das estrelas da prova participaram em Xangai, como Usain Bolt e Justin Gatlin, que desistiu de competir após ir mal em Doha, na etapa anterior da Diamond League.



Também na prova dos 200 metros não houve estrelas na pista. O pódio contou com dois norte-americanos: Noah Lyles (19s90) e LaShawn Merritt (20s27). Merritt, que é especialista nos 400 metros, levou a prata. O britânico Adam Gemili faturou o bronze, com 20s35.

No feminino, a jamaicana Elaine Thompson confirmou o favoritismo nos 100 metros. Campeã olímpica nos 100m e 200m no Rio-2016, ela anotou o tempo de 10s78, deixando para trás a norte-americana Tori Bowie (11s04) e a marfinense Marie Josee Ta Lou (11s07).

Nos 800 metros, o favorito David Rudisha decepcionou ao terminar a prova somente na quarta colocação, com 1min44s70. O queniano, campeão olímpico, ficou a quatro segundos do recorde mundial, do qual é ele mesmo o dono. Sem Rudisha no pódio, o Quênia não se saiu mal na prova. Dominou totalmente o pódio, com Kipyegon Bett (1min44s70), Robert Biwott (1min45s15) e Ferguson Rotich (1min45s17).


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM