Jornal do Commercio
Tiro com Arco

Pernambucana de 15 anos é destaque no Tiro com Arco

Rebecca Lisboa é a atual campeã brasileira outdoor e recordista na categoria Cadete Feminino Composto

Publicado em 22/07/2018, às 09h28

Rebecca compete pelo Nirvana Archery Club, clube de arco e flecha  em Pernambuco / Alexandre Gondim / JC Imagem
Rebecca compete pelo Nirvana Archery Club, clube de arco e flecha em Pernambuco
Alexandre Gondim / JC Imagem
Fernando Castro
Twitter: @fernand0_castro

Concentração, olhar fixo e muita repetição. Essa é a preparação de Rebecca Lisboa, jovem atleta pernambucana de apenas 15 anos, que vem se destacando e conquistando bons índices nas competições de Tiro com Arco que disputa.

O interesse em um esporte pouco popular começou quando Rebecca acompanhava o pai Alberon Lisboa, quando ele competia em provas de tiro com carabina de pressão. A jovem, então estimulada por seu pai, começou a treinar. Motivado pelo talento evidente da filha, Alberon se qualificou e tornou-se o treinador da atleta.

Em 2014, com apenas 11 anos, participou de sua primeira competição, o Campeonato Brasileiro Outdoor Base, em Maricá-RJ, sede da Confederação Brasileira de Tiro com Arco (CBTARCO). Rebecca ficou em segundo lugar, na categoria Infantil Feminino Composto, recebendo a medalha de prata.

Por causa da pouca idade, a jovem atleta tem que dividir a atenção entre o esporte e os estudos. Rebecca frequenta a escola pela manhã e treina cerca de três horas durante quatro dias na semana, no Clube dos Oficiais da Polícia Militar de Pernambuco, em Aldeia. Neste ano, Rebecca mudou de categoria e migrou para Cadete Feminino Composto. Em julho, durante o primeiro campeonato na nova categoria, foi campeã brasileira outdoor.



Apesar de todo talento e conquistas, Rebecca enfrenta dificuldades em um esporte com pouca visibilidade e valorização. “Infelizmente no Brasil não existe uma política de investimento eficaz em torno de incentivo aos esportes. Por conta da pouca popularidade do Tiro com Arco, nós temos uma grande dificuldade com patrocinadores”, comenta o treinador e pai Alberon.

Com todo um potencial técnico e pouca idade, Rebecca traça objetivos para a sua carreira. “Eu já conquistei o que queria esse ano, que é ter ganho a medalha de ouro no brasileiro e ter batido o recorde, mas no futuro, o que eu realmente almejo é disputar um Mundial ou uma Olimpíada”, comenta.

Sobre como é ter um pai como seu treinador, a atleta diz que é diferente, mas motivador. “Ele reclama muito, me dá muito puxão de orelha, me cobra até quando estou em casa, mas é bom porque eu sempre vou poder confiar nele, além de confiar como pai, confio também como técnico”, afirma.

“Sempre incentivei minhas filhas a praticarem esportes. A Rebecca me surpreende muito, eu confesso que às vezes tenho que puxar um pouco a orelha dela, mas quando ela coloca o arco na mão, a surpresa sai. E eu só posso atribuir isso a dom”, completa Alberon.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM