Jornal do Commercio
WSL

Brasil tem ano soberano no Mundial de Surfe

Das sete etapas realizadas até então, seis foram vencidas por representantes do País

Publicado em 21/08/2018, às 11h55

Depois de vencer no Taiti, Gabriel Medina já admite pensar no bicampeonato mundial / WSL/Divulgação
Depois de vencer no Taiti, Gabriel Medina já admite pensar no bicampeonato mundial
WSL/Divulgação
JC Online

O título de Gabriel Medina no Tahiti Pro, em Teahupo'o, no último domingo, ratificou o ano soberano do Brasil no Circuito Mundial de Surfe. Das sete etapas realizadas até então, o País só não venceu uma. Como consequência direta, o domínio do ranking mundial é verde e amarelo. No topo, o posto é de Filipe Toledo, que tem 41.985 pontos. Logo atrás aparece Medina, com 35.685. Outro surfista brasileiro bem colocado na lista é Ítalo Ferreira, em quarto, com 30.160, depois de Julian Wilson. O australiano é o terceiro, somando 32.380.

Apesar da temporada avassaladora do Brasil, 2018 começou com vitória de Julian Wilson em Gold Coast na Austrália. Ainda em território australiano, o potiguar Ítalo Ferreira foi quem tocou o sino de Bells Beach este ano, na etapa que veio logo depois. O segundo triunfo brasileiro aconteceu no evento nacional do Mundial, com Filipinho vencendo o Rio Pro pela segunda vez na carreira. Em Bali, novo título para Ítalo.

Mesmo estreante na elite do surfe, Willian Cardoso mostrou que tem tudo para faturar o título de novato do ano nesta temporada. No Uluwatu Pro, também em Bali, foi ele quem ergueu o troféu. Por fim, vieram os títulos de Filipe Toledo em J-Bay, na África do Sul, e o de Gabriel Medina no Taiti.



A conquista do último domingo, inclusive, foi a segunda do campeão mundial de 2014 no Taiti. Ele também venceu em Teahupo'o no ano em que se tornou o primeiro surfista do País a conquistar o Circuito Mundial profissional. Em 2015 e 2017 ainda bateu na trave ao ser vice-campeão da etapa. No ano passado, inclusive, ele perdeu a final nos últimos minutos para Julian Wilson. “Em 2017 foi horrível para mim. Mas é da competição. E é por isso que a gente ama competir”, disse Medina, em entrevista à Liga Mundial de Surfe (WSL, na sigla em inglês).

DE VIRADA

E foi justamente de virada que ele superou Owen Wright no último domingo. Nos instantes finais da bateria, Medina achou uma onda para tirar 7.33 e passar à frente do oponente com 13.50 a 12.07. “Eu só estava lá rezando: ‘Deus, por favor, só me manda mais uma onda, só mais uma. Não sei, acho que foi Deus que a enviou”, revelou após a vitória.

Erguer o troféu no Taiti ainda reascendeu a esperança de Gabriel Medina em chegar ao bicampeonato Mundial este ano. Após 2014, ele ficou os dois anos seguintes em terceiro lugar e foi vice-campeão no ano passado. “Agora posso começar a pensar em título. Tudo é possível”, concluiu.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM