Jornal do Commercio
atletismo

Balotelli é o craque do atletismo pernambucano

Fernando Ferreira faturou o título do decatlo do Campeonato Pan-Americano Universitário e se prepara para o Troféu Brasil

Publicado em 26/08/2018, às 08h10

Balotelli é o líder do ranking sub-20 do decatlo / Leo Mota/JC Imagem
Balotelli é o líder do ranking sub-20 do decatlo
Leo Mota/JC Imagem
JC Online

Sabe a marra de Mario Balotelli, atacante da seleção da Itália? Perde fácil para o estilo de Fernando Ferreira, o Balotelli do atletismo pernambucano. O craque das pistas já passou por maus bocados, mas hoje comemora a primeira conquista internacional no decatlo: o ouro no Pan-Americano Universitário, realizado no último mês de julho, em São Paulo. O resultado chega para fortalecer as ambições do pernambucano, que surge como promessa olímpica no cenário nacional. Com 19 anos, Fernando é líder do ranking brasileiro sub-20, sétimo colocado da lista adulta e se prepara para a disputa do Troféu Brasil, no próximo mês.

Até ganhar notoriedade no atletismo, no entanto, Balotelli, como ficou conhecido entre os amigos, sofreu para se encontrar na modalidade e sustentar a família. Natural de Pesqueira, no Agreste do Estado, o atleta apostou as fichas no futebol profissional. Atuou nas categorias de base de equipes locais e chegou a defender o time sub-17 do Tubarão, de Santa Catarina. Se firmar como jogador, porém, era um desafio e estava longe de garantir estabilidade a curto prazo. O pernambucano precisava de dinheiro para ajudar a mãe e os irmãos e tomou uma de cisão difícil. “Teve um momento que fui obrigado a escolher entre o futebol e o atletismo. Sou de uma família pobre e minha mãe estava desempregada. Na época, eu consegui uma bolsa e era esse dinheiro que sustentava minha casa. O futebol não estava pagando, então eu larguei”, comentou o atleta, que tem na figura de Usain Bolt uma inspiração no esporte.

REVIRAVOLTAS

Investir em uma modalidade individual também mudou a perspectiva de Fernando. No atletismo, ele passou a depender única e exclusivamente de seu trabalho. “Eu dando o meu melhor sei que posso vencer. Depois que comecei a pensar dessa forma e treinar, conquistei muitas coisas que jamais conseguiria no futebol”, pontuou. O pensamento guiou a trajetória do pernambucano, que na época conquistou o ouro no Regional no lançamento do dardo e carimbou o passaporte para disputar os Jogos Escolares de Pernambuco.



Foi na competição estadual que Balotelli conheceu outros atletas e treinadores do Recife. Recebeu o convite para treinar na capital e fazer parte da equipe Atletismo Campeão. Esta foi segunda reviravolta na jornada do atleta. Com potencial para desenvolver habilidades em outras provas, ele aprendeu técnicas para passar barreiras e executar os saltos com vara e em altura. “Enfrentei dois momentos muito difíceis até aqui. O primeiro foi o começo de tudo, quando eu treinava com o professor André Cardoso em uma pista de vaquejada (em Pesqueira). O segundo foi quando eu vim para o Recife e não tinha onde morar. Persisti porque precisava me restabelecer para ajudar em casa”, observou.

Em 2016, Balotelli finalmente iniciou no decatlo e observou a carreira alcançar novos patamares. Os melhores anos de sua vida, ele garante, são 2017 e 2018. Os treinadores Abraão Nascimento, Fernando Brito e Felipe Moura dividem os trabalhos com o atleta e são responsáveis por fazê-lo acreditar em dias melhores. Apegado ao pensamento positivo e à dedicação nos treinos, os resultados finalmente apareceram e o sonhos tomaram maiores proporções. “Quero ser medalhista olímpico. Sei que é difícil, mas depois de tudo que já passei, eu encaro o que vier pela frente. Estou disposto a tudo”, disse o jovem atleta, que confessou que é guiado por uma frase que leu há muito tempo em um muro e jamais será esquecida. “São nas adversidades que evoluímos”. Ele assegura que sim.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM