Jornal do Commercio
Atitude

Pernambucano luta por sonho de ser atleta profissional de voleibol

Rafael Lorena foi pesquisar na internet sobre peneirões em clubes do Sudeste, sendo selecionando para defender o Sesi

Publicado em 15/07/2019, às 14h22

Rafael Lorena defendeu a equipe de base do Sesi-SP na temporada 2018 / Instagram/Reprodução
Rafael Lorena defendeu a equipe de base do Sesi-SP na temporada 2018
Instagram/Reprodução
Luana Ponsoni

Talvez fosse apenas questão de tempo até que o pernambucano Rafael Lorena deixasse de ser o destaque de uma das equipes de voleibol do Colégio Boa Viagem e fosse chamado para atuar em um grande clube do Sudeste. Mas ele não quis esperar. Movido pelo sonho de estar no pódio olímpico algum dia e de se profissionalizar na modalidade, foi à internet e pesquisou sobre peneirões nessas agremiações. Encontrou o do Sesi-SP, em São Paulo. Com o apoio da mãe, aos 15 anos, compareceu, no final de 2017, ao processo seletivo e foi o único ponteiro aprovado nos testes.

“Eu fiquei muito feliz, estava vindo só para ver, sempre foi um plano meu jogar fora. Aqui (no eixo Sul/Sudeste) é mais fácil ter uma carreira no vôlei. Em Pernambuco, nenhum time joga a Superliga e minha mãe sempre me apoiou. Vim, vi que tinha chance de passar, mantive a calma e fiquei”, contou.

Rafael se despediu da mãe e da família e, no começo de 2018, começou a caminhada para tentar se profissionalizar no esporte. Foi morar em São Paulo e, durante a temporada passada, defendeu o Sesi-SP, onde teve a surpresa de poder trabalhar com o campeão olímpico em Barcelona-1992 Marcelo Negrão. Coincidentemente, o ex-jogador de vôlei também estudou e jogou no mesmo colégio em que Rafael no Recife.



Foto: Instagram/Reprodução

Rafael trabalhou com Marcelo Negrão, que, assim como ele, estudou e jogou vôlei pelo CBV

“Eu tive dois técnicos no Sesi: Thiago Pereira e Reinaldão. Marcelo Negrão trabalhava como assistente técnico. Fiquei muito feliz, porque eu sempre o tive como espelho. Sempre me ajudou da pré-temporada até o encerramento. Eu via que ele gostava muito de mim. Ele morou no Recife, estudou no mesmo colégio que eu. É um amigo que terei por toda vida”, afirmou.

NOVO CLUBE

Assim que a temporada 2018 foi encerrada, o clube anunciou que teria de realizar cortes financeiros e não poderia mais manter os atletas das categorias de base que vieram de outros Estados. Com 1,90m, muito potencial pela frente e personalidade que agradou toda a comissão técnica, Rafael passou a ser recomendado pelos profissionais a outros clubes. Acabou contratado pelo Vôlei Renata, de Campinas-SP. “Este primeiro ano no Sesi foi muito bom. Ganhei muita experiência. O Campeonato Paulista (que é o principal compromisso das categorias de base) é muito diferente do Campeonato Pernambucano. A gente viaja muito. Quase todo final de semana estamos em um lugar diferente para jogar, os times do interior têm um nível técnico elevado e é uma competição bem forte”, comentou.

Aos 17 anos, Rafael está jogando a competição pelo Vôlei Renata nas categorias sub-19 e sub-21. Este mês, ele e os demais jogadores da equipe estão na preparação para o segundo turno dos torneios, que começam no mês que vem. “A saudade de casa é grande, falo com a minha mãe todos os dias. Sinto muita falta da minha irmã. Também dos meus tios, tias, primos, mas todos me apoiam e me incentivam muito. Sempre param o que estão fazendo para falar comigo”, contou.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM