Jornal do Commercio
Notícia
fair play

Fair Play de equipe de futsal de colégio do Recife é lição no esporte e para vida

Após deixar adversário fazer um gol em nome do jogo limpo, equipe de futsal sub-13 do São Luís ganha vaga na final de torneio

Publicado em 05/12/2019, às 12h09

Gunther Boeckmann ficou orgulhoso com atitude do filho Gabriel Araújo / Léo Mota/ JC Imagem
Gunther Boeckmann ficou orgulhoso com atitude do filho Gabriel Araújo
Léo Mota/ JC Imagem
JC Online

Por Luana Ponsoni e Filipe Farias 

Por mais que a Fifa incentive o fair play (jogo limpo)no esporte, o tema divide opiniões e nem sempre é utilizado da melhor maneira, principalmente nos jogos mais acirrados. Porém, um caso ocorrido no futsal escolar de Pernambuco deveria servir de inspiração para todos (ou de reflexão), sobretudo para o futebol profissional. E a saga ainda terminou com uma forcinha do destino.

Na última terça-feira, o time de futsal sub-13 do Colégio Marista São Luís deixou o Colégio Equipe chegar ao empate no primeiro jogo da semifinal da Liga das Escolas Particulares do Recife, depois de ter um gol irregular validado pelo juiz. A partida acabou com vitória do adversário por 2x1. No duelo da volta, ontem, na quadra do São Luís, o time da casa conseguiu vencer por 1x0, com um gol marcado no final do segundo tempo e que forçou uma prorrogação. A igualdade permaneceu no tempo extra e o São Luís obteve a classificação para a final por ter feito uma melhor campanha. O adversário será o Visão.

 

A festa foi grande pela conquista da classificação, ainda mais pela grande lição de honestidade e justiça da equipe comandada pelo técnico Gileno Siqueira, de 36 anos. “Foi apenas o espírito de justiça de a gente fazer o que sempre fez. Buscamos ensinar mais do que jogar bola, porque jogar eles já sabem. Buscamos ensinar jogar de forma limpa, respeitosa. Você nao vê nossos jogadores brigando com o árbitro. Fez falta, pede desculpa. Precisamos disso”, afirmou Gileno após o jogo de ontem.

JOGO DO FAIR PLAY

A partida da última terça-feira seguia muito disputada, sem que nenhum dos times conseguisse inaugurar o placar. Na reta final da partida, porém, um atleta do São Luís chutou forte da intermediária e a bola caiu dentro do gol. Só que a rede estava furada, gerando muitas dúvidas sobre o lance.



Depois que o juiz validou o tento, um princípio de confusão se instalou e um dos jogadores do Equipe questionou a atitude do árbitro, recebendo cartão amarelo. Diante de toda a situação, o técnico Gileno Siqueira chamou o autor do gol e perguntou se a bola realmente tinha entrado por fora. Com a resposta positiva do atleta, o treinador orientou que todos ficassem imóveis quando o jogo recomeçasse para o Equipe empatar a partida. “O meu enteado, que é o meu filho do coração, joga no time. Ele não escutou quando dei a orientação e até acabou partindo para disputar a bola. Tive que gritar para ele parar”, relatou.

Apesar de a atitude gerar consternação inicial em alguns pais e pessoas que estavam na torcida, esse sentimento logo foi substituído por admiração. “Eu prego muito para os meninos que eles precisam disputar e batalhar muito por tudo, mas do jeito certo. Não a qualquer custo. Quando eu tive a certeza que a bola não entrou, era o correto a se fazer”, contou Gileno.

O treinador relatou ainda que essa não foi a primeira vez que ele e sua equipe optaram por seguir o que é certo dentro das quatro linhas. “Já aconteceu, em outros jogos, de o adversário chutar, a bola bater na trave e o juiz não dar o gol e eu ir lá e falar. Mas, desta vez, o árbitro não quis ouvir. E foi algo muito claro para todo mundo. Então, tive que ter uma postura maior. Pense como eu fui aplaudido (risos). Passei o dia hoje (ontem) recebendo mensagens. É algo muito estranho para a sociedade da gente. Mas sempre digo aos meninos: só podemos ter o que é nosso”, observou.

O curioso é que, apesar da pouca idade, todos os jogadores do Marista São Luís entenderam o porquê da orientação do treinador. “Eles não fizeram nenhum comentário, nenhuma reclamação. Esse poder de comandar bem esses meninos tenho há um tempo. Eles sabem que tudo que eu faço é para o bem deles. Ensino-os a serem competitivos, a terem espírito de disputa, mas de maneira justa. É o que mais importa”, concluiu.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM