Jornal do Commercio
pernambucano

Evandro Carvalho minimiza confusão e destruição na Ilha do Retiro

Presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro Carvalho garantiu que o procedimento de segurança foi realizado adequadamente e não houve irregularidade para interromper o jogo

Publicado em 08/03/2018, às 10h01

Torcedores passaram mal e foram atendidos durante jogo na Ilha do Retiro / Diego Nigro/JC Imagem
Torcedores passaram mal e foram atendidos durante jogo na Ilha do Retiro
Diego Nigro/JC Imagem
JC Online

O empate por 1x1 no Clássico das Multidões entre Sport e Santa Cruz, na Ilha do Retiro, foi marcado por cenas de atrocidade na torcida tricolor. Durante a comemoração do gol coral, houve muito corre-corre e os torcedores foram esmagados nas arquibancadas. Dentro de campo a partida continuou, enquanto as pessoas eram atendidas no gramado. O presidente da Federação Pernambucana de Futebol (FPF), Evandro Carvalho, minimizou a confusão da noite da quarta-feira, alegando que todo procedimento de segurança ocorreu de forma adequada: "Não houve irregularidade para interromper o jogo", garantiu.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

"Não vejo motivo para punir Sport ou Santa Cruz porque não houve irregularidade por parte dos times. A Polícia Militar realizou o procedimento adequado e apenas duas pessoas tiveram lesões mais graves e foram encaminhadas para o hospital", comentou o dirigente, que continuou. "Ocorreu um incidente em um único local do estádio. E a PM se dirigiu ao local e retirou o torcedor responsável pelo incidente, agindo rapidamente", ponderou.

SEM INTERRUPÇÃO

Evandro Carvalho também revelou que em nenhum momento pensou em interromper a partida. Ele explicou que há intervenção quando existe risco de morte ou quando segurança do local e das pessoas é comprometida. "De acordo com as regras, o jogo só é interrompido por parte da Polícia Militar quando falta condição de segurança do estádio e dos torcedores. Isso não aconteceu. Também não houve risco de morte. A Federação acredita que não houve motivo plausível para parar a partida", garantiu.



Vale ressaltar que cerca de 50 pessoas passavam mal e foram atendidas na beira do gramado, enquanto a partida prosseguia. Alguns torcedores sofreram fratura exposta, outros estavam desesperados acompanhados por crianças. Um rapaz teve um ataque convulsivo. Em um determinado momento, sete ambulâncias se estremiam no gramado para atender os torcedores. As declarações relataram que as pessoas foram esmagadas no pequeno espaço separado para os tricolores.

A confusão começou quando um torcedor acendeu um sinalizador para comemorar o gol de empate do Santa Cruz. A Polícia Militar fez uma intervenção para retirar o tricolor da arquibancada. Nesse momento, o local foi tomado por empurra-empurra e corre-corre. A clima de alegria foi tomado pela sensação de desespero que culminou em muitos ferimentos graves.

 

A reta final do primeiro tempo na Ilha do Retiro, no clássico entre @SportRecife e @SantaCruzFC, foi marcada por muito empurra-empurra e tricolores esmagados. A confusão começou após um sinalizador ter sido aceso no meio da torcida coral. A Polícia Militar entrou em ação para apagá-lo. Houve uso de spray de pimenta e balas de borracha. Do outro lado, a torcida arremessou objetos em direção aos policiais. A ação resultou em muita correria, fazendo que torcedores caíssem na arquibancada e fossem esmagados por conta da avalanche humana gerada. O portão que dá acesso ao gramado foi arrombado pelos corais. Foram dezenas de tricolores machucados. O atendimento foi realizado no gramado. Leia mais em JC.COM.BR ou no link da bio. Fotos: Diego Nigro/JC Imagem #Confusão #Briga #Clássico #Sport #SantaCruz #Polícia #JC #JornaldoCommercio

Uma publicação compartilhada por Jornal do Commercio PE (@jc_pe) em




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM