Jornal do Commercio
Cobra Coral

O copeiro Santa Cruz na temporada 2019

Fora do Estadual, o Santa Cruz está vivo na Copa do Brasil e Copa do Nordeste

Publicado em 14/04/2019, às 10h49

Pipico é a estrela do Santa Cruz em 2019 / Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Pipico é a estrela do Santa Cruz em 2019
Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Davi Saboya
Twitter: @davisaboya

O Santa Cruz começou a temporada sem priorizar competição, disputando o Estadual, a Copa do Nordeste e a Copa do Brasil com força máxima, mas o desempenho em campo transformou os corais em um time “copeiro” e que sabe jogar o mata-mata. Eliminado nos pênaltis nas quartas de final do Pernambucano, o time do técnico Leston Júnior soube “levantar a cabeça e dar a volta por cima”. Passou pelo CRB em jogo único pelo Nordestão, num confronto emocionante decidido nas penalidades, e bateu o ABC na terceira fase do torneio nacional depois de perder o primeiro jogo e inverter a vantagem dentro de casa.

Na próxima fase de ambas as Copas, o Tricolor do Arruda não terá vida fácil. No Regional, duela contra o Fortaleza em jogo único pela semifinal, fora de casa, no dia 8 de maio. Já em nível nacional enfrenta o Fluminense – ida no Rio de Janeiro (17/4) e volta (25/4) no Arruda. Duas equipes da Série A do Campeonato Brasileiro, que para conseguir o êxito, os corais precisarão jogar no limite.

Para o volante Charles, o Santa não pode mudar a postura, independente se joga perto ou longe do estádio José do Rego Maciel. Fora, o técnico Leston Júnior tem armado a Cobra Coral com forte postura defensiva e buscando explorar os erros dos adversários utilizando os contra-ataques.

“Onde seja o primeiro jogo (ou único) é preciso ter um desempenho muito bom. Precisamos de consistência em ambas as condições. A defesa tem que se manter forte e não sofrer gols”, afirmou o cabeça de área coral.



Um dos poucos remanescentes de 2018, Charles frisou que o atual elenco do Santa Cruz apresenta condições de alçar maiores patamares. “Assim como no ano passado temos um grupo forte. O último jogo no final de 2018 foi atípico. Perdemos no último. Nessas duas temporadas, são elencos qualificados. Espero que possamos conquistar mais coisas agora, o que não quer dizer que antes não podíamos”, comentou.

Pela Copa do Nordeste, o Tricolor teve um desempenho positivo na primeira fase, onde o regulamento previa o confronto entre os grupos. As únicas duas derrotas em oito jogos foram para os dos times da elite do futebol brasileiro: Bahia, dentro de casa, e o Ceará, fora, que deixou escapar a vitória nos últimos minutos. Além disso, somou três vitórias e três empates. Um sinal de que não é um time fácil de ser batido.

Na Copa do Brasil só tem apenas uma derrota por 1x0, em partida contra o ABC, onde desperdiçou chances claras de gols. Na primeira fase, venceu por 2x1 com facilidade o frágil Sinop, no Mato Grosso. Depois, empatou no tempo normal e eliminou o Náutico nos pênaltis.

RETORNO

O bom desempenho em Copas do clube coral também está sendo bom para os cofres. Na Copa do Brasil, briga por mais R$ 2,5 milhões bruto contra o Fluminense, alem de quase R$ 4 milhões bruto que recebeu nas fases anteriores. Pelo Nordestão, faturou aproximadamente R$ 2,5 milhões bruto até o momento. O Santa superou todas as metas iniciais da diretoria em ambos os torneios.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM