Jornal do Commercio
Tricolor

Executivo diz que Santa Cruz não deve dispensar atletas

Luciano Sorriso falou que a preocupação do Tricolor, no momento, é trazer jogadores que agreguem ao elenco

Publicado em 15/04/2019, às 07h34

Dirigente coral também comentou sobre a busca por um meia / Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Dirigente coral também comentou sobre a busca por um meia
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Klisman Gama
Twitter: @KlismanGama

O Santa Cruz passou por uma reformulação na sua equipe para o começo da temporada de 2019. Ao todo foram 20 contratações no ano, para todos os setores. Deste total, dois já saíram. Nomes que encaixaram bem desde o início e outros que ainda buscam seu espaço. Agora, perto do início da Série C, marcado para o dia 29 de abril, a possibilidade de ter uma “faxina” antes do começo da competição é descartada pelo Tricolor. A intenção é seguir com o elenco e fazer outras contratações pontuais, para que o limite orçamentário não seja estourado.

“A gente já está em um limite. Somos muito pé no chão. Contratamos menos do que poderíamos para que não desmanchasse muita coisa, pois isso pode causar algo negativo ao grupo. É óbvio que a gente tem cobrado muito deles sobre resultados, a  gente fica atento a crescimento, de situações que esperávamos um tipo de resposta que não deu. Estamos procurando trazer pessoas que agreguem e a gente possa elevar o nível conquistar coisas ao longo do ano”, comentou o executivo de futebol do Santa Cruz, Luciano Sorriso, em entrevista ao repórter João Victor Amorim, da Rádio Jornal.

O Mais Querido tem adotado uma gestão mais austera nos últimos anos para dar conta do pagamento de suas dívidas. E mais do que isso, para também não mais ficar atrasando salários de atletas e funcionários. Cenário que, infelizmente, acabou se tornando comum no Santa Cruz em suas gestões. Agora, com o diferencial de ter conquistado R$ 3,9 milhões em cotas da Copa do Brasil, juntamente com os valores a receber da Copa do Nordeste, o Tricolor vai se ajustando e seguindo seu planejamento.



“A nossa folha salarial está por volta de R$ 250 mil, com atletas. Nossa folha está muito enxuta e conseguimos conquistar objetivos com valores desses. Pegamos Náutico e Sport com valores muito maiores que o nosso, e isso é uma realidade do clube. A gente tem buscado reforços, não estamos nos preocupando em tirar alguém. Estamos procurando ainda trazer pessoas com que agreguem para o ano de 2019”, acrescentou Sorriso.

O CAMISA 10

Outro ponto que a torcida coral tem cobrado da diretoria é a contratação de um meia. Calo do Santa Cruz na temporada, o setor de criação encontra dificuldades desde o começo do ano e tem feito poucos gols. Diante disso, a necessidade de trazer um atleta que chegue e assume a titularidade nesta posição, destravando esta engrenagem do ataque tricolor, é grande. Para isso, a diretoria tem tido cautela para não cometer loucuras, pagando algo fora das condições do Tricolor.

"Hoje a gente busca um meia, mas não vamos trazer qualquer um por trazer. Até porque nós temos que minimizar os erros já que a gente não tem margem mais para isso...O torcedor fala muito isso: Cadê o jogador que você falou que iria sacudir? Eu não falei em nenhum momento que iria trazer um meia para sacudir. Jamais dei data. Então cada um tem que assumir as suas responsabilidades. Não estou me isentando da minha. Sei que tem que contratar e não sou só eu. Tem uma gestão. Se nós tivéssemos condições, esse meia já estaria no Arruda. A gente não vai prometer data, mas isso é uma prioridade. Não vai ser um meia para sacudir. A gente quer alguém que vá produzir dentro do campo e trazer resultados positivos", encerrou o executivo de futebol.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM