Jornal do Commercio
BADERNA

Torcida organizada promove quebra-quebra na Ilha do Retiro

Carros de dirigentes e jogadores foram apedrejados. Patrimônio do clube foi depredado

Publicado em 22/10/2011, às 19h00

Do JC Online
Com informações da CBN Recife

Torcedores do Sport promoveram um quebra-quebra no entorno da Ilha do Retiro, logo após a derrota do time por 1x0, contra o Goiás, no final da tarde deste sábado (22). Supostos membros da Torcida Jovem e da Brava Ilha invadiram a área reservada para dirigentes, jogadores e imprensa, no momento em que o técnico PC Gusmão justificava a derrota para o time goiano. Houve corre-corre e agressões. A baderna durou dez minutos. Na saída do estádio, o ônibus do time, além de carros de jogadores e dirigentes, foram apedrejados. Membros da torcida também tentaram agredir familiares de jogadores.

Após a confusão, o diretor de futebol do clube, Wanderson Lacerda, que também foi atacado pela torcida, mostrou-se revoltado. "Aqui tem diretoria. Respeitamos o torcedor, mas a diretoria tomará providências. Porque senão, daqui a pouco não vai haver mais diretoria. Se estão pensando que aqui é Corinthians ou Palmeiras, onde o torcedor manda no clube, estão muito enganados", disse.

Lacerda disse ainda que não irá perdoar as torcidas organizadas, caso seja comprovado que os grupos foram responsáveis pelas agressões. "Marinho, da Torcida Jovem, é um cara de bem. Mas se isso partiu da Brava Ilha, ou da Jovem, deverão ser ser tomadas atitudes pertinentes ao prejuizo. Aqui é um clube social, não uma concentração de marginais", avisou.

Lacerda afirmou que o efetivo policial no estádio não conseguiu evitar a confusão. "Eles não fizeram nada", protestou. Em entrevista à CBN Recife, o Comandante Arruda, do Batalhão de Choque, justificou que só tomou conhecimento do caso depois da confusão. "Não houve prisões porque os autores das agressões fugiram", comentou.



Já o promotor do Juizado do Torcedor, José Bispo, disse que o caso não ficará impune. "Como não houve prisão, não há culpados. Temos provas materiais, mas sem autores. Mas não vai ficar por isso mesmo. Vamos investigar, inclusive se houve participação das torcidas organizadas", disse. Bispo comentou que aqueles que sofreram danos materiais devem procurar a justiça para serem ressarcidos. "A responsabilidade é do clube e da torcida organizada", declarou.

Após o ocorrido, o técnico do Sport, PC Gusmão, voltou a conversar com a imprensa. Abalado, Gusmão lamentou o ocorrido. "A gente está aqui trabalhando. Se o torcedor está chateado, tenham certeza que ninguém está mais chateado que nós do time", sentenciou.

A violência se espalhou pelas avenidas Agamenon Magalhães e Rosa e Silva. Um supermercado no bairro das Graças foi invadido por torcedores vestidos, em sua maioria, com a camisa da Torcida Jovem. Clientes do supermercado fugiram assustados.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM