Jornal do Commercio
Ilha do Retiro

O nó do ataque do Sport

Eduardo Baptista testou 14 diferentes formações do setor ofensivo na temporada

Publicado em 10/04/2015, às 07h20

Samuel perdeu duas oportunidades claras contra o Bahia / Foto: Alexandre Gondim/ JC Imagem
Samuel perdeu duas oportunidades claras contra o Bahia
Foto: Alexandre Gondim/ JC Imagem
Alexandre Arditti

Naquela que foi a melhor apresentação do Sport na temporada, o ataque esteve um nível abaixo dos demais setores do time. Não fosse isso, dificilmente a partida de ida das semifinais da Copa do Nordeste, na quarta-feira (8), na Ilha do Retiro, contra o Bahia, teria terminado empatada por 0x0. O técnico Eduardo Baptista lamentou os erros de finalização e agora tem a missão de fazer com que os atacantes acertem a pontaria daqui até o domingo, quando acontece o confronto da volta, às 16h, na Arena Fonte Nova, em Salvador.

Desde o início da temporada, o desempenho ofensivo é o principal problema para o comandante leonino. Não à toa, em 20 partidas oficiais no ano, Eduardo Baptista escalou o ataque com 14 diferentes formações. O esquema tático também variou, ora com três homens na frente (4-3-3) ora com dois (4-4-2). Já passaram pelo setor oito jogadores. “Temos que estar sempre melhorando. Em jogos decisivos, criar chances de gol é difícil. Criar e não fazer pode ser um grande problema para nós. Temos que conversar e trabalhar para acertar isso o mais rápido possível”, reconheceu o treinador após o placar em branco ante os baianos.

Das oito peças experimentadas no ataque, as que mais vestiram a camisa do Sport no ano foram Élber e Mike, ambos 16 vezes. O primeiro é o artilheiro da equipe na temporada, com cinco gols marcados, enquanto o outro é aquele que mais oportunidades teve iniciando como titular na frente, 12 vezes. Além dos dois, que atuam mais pelas beiradas do campo, passaram pelo setor: Joelinton, Samuel, Felipe Azevedo, Diego Souza, Régis e Ítalo.

Para a partida de volta das semifinais da Copa do Nordeste, os oito estão à disposição de Eduardo Baptista. A dúvida era quanto ao artilheiro Élber, que deixou o campo anteontem com dores no ombro esquerdo após sofrer uma queda. Ele passou por exames de imagem, ontem, que não constataram nenhuma lesão óssea. Por isso, está liberado para encarar o Bahia na Arena Fonte Nova.



“Élber fez exame de imagem e não foi detectada nenhuma lesão óssea. Ele sofreu apenas uma luxação e está com poucas dores. Por isso, será poupado dos trabalhos de amanhã (sexta-feira). No sábado, vai voltar a treinar com o restante do elenco normalmente”, disse o médico rubro-negro Antônio Bezerra.

OPÇÕES

Nas últimas duas partidas do Sport – 1x1 com o Santa Cruz pelo Pernambucano e 0x0 com o Bahia pela Copa do Nordeste –, o ataque foi formado por Mike e Samuel. Contra os baianos, Mike auxiliou como de praxe a marcação pelo lado direito, mas pouco produziu no setor ofensivo, sendo substituído no intervalo por Joelinton, que pouco acrescentou. Já Samuel apareceu para o jogo e teve duas chances claríssimas, uma em cada tempo, mas desperdiçou ambas de maneira bisonha.

Para o domingo, se não optar por adiantar uma das peças do setor de criação do meio (Diego Souza ou Élber), Eduardo terá como opção para turbinar o ataque Felipe Azevedo, que deixou o time quando vivia um bom momento, por conta de uma lesão no joelho direito. Ele voltou a jogar no Clássico das Multidões de domingo passado. Anteontem, ficou no banco de reservas.

 

jc-esp0410-ataquesportbahia-WEB





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM