Jornal do Commercio
Estreia

Sport perde para o Salgueiro na estreia do Pernambucano

Único gol do jogo foi marcado no início do primeiro tempo

Publicado em 31/01/2016, às 17h50

Sport pressionou o Salgueiro no segundo tempo, mas não conseguiu chegar ao empate / JC Imagem
Sport pressionou o Salgueiro no segundo tempo, mas não conseguiu chegar ao empate
JC Imagem
Wladmir Paulino

Pode paracer paradoxal, mas o Sport estreou com derrota no Campeonato Pernambucano muito mais porque foi deficiente no ataque do que na defesa. É óbvio que o gol da vitória do Salgueiro por 1×0, neste domingo (31), no Cornélio de Barros, saiu por um erro de marcação no miolo da zaga, mas os visitantes tiveram a bola mais tempo em seus pés só que sem conseguir mandá-la com qualidade para o ataque.

Com os reforços, de última hora, do chileno Mark González e do lateral-direito Maicon da Silva, o técnico do Sport, Paulo Roberto Falcão, acionou os dois de imediato, com Maicon fazendo o atacante pelo lado direito. Mas a solução para os rubro-negros estava mais na estratégia de jogo do que na individualidade. Um gramado irregular e a marcação forte do Carcará fizeram o time da Capital apelar para a bola longa. Quando ela chegava, era sempre em dificuldade e, por isso, os rubro-negros não conseguiam o passe final.

Do outro lado, o Salgueiro trocou bolas com um pouco mais de frequência, principalmente aproveitando algumas saídas erradas de Serginho. E dessa foi forma chegou mais perto do gol de Danilo Fernandes. Tanto que aos 12 minutos Tamandaré cruzou da direita. Matheus Ferraz e Anderson Lessa passaram batidos e a bola encontrou Cássio livre de marcação. Ele teve apenas o trabalho de empurrar para o gol.

O prejuízo não mudou a postura do Sport. E o que poderia ser confundido com afobação era apenas limitação a uma forma de jogar. Maicon da Silva tentou ser mais produtivo deslocando-se da direita para o meio, atitude que González não repetiu. Rithely avançou para aumentar a superioridade numérica no campo ofensivo, mas o passe final continuou falhando. Berger ainda daria um susto aos 40 minutos ao receber um lançamento de Daniel e chutar à direita.

Na volta para o segundo tempo os dois times mostraram menos intensidade, mas os erros do Sport se repetiram. Algo diferente só aconteceu aos 12 minutos quando Mark González saiu da esquerda para o meio e, numa tabela com Túlio de Melo, sofreu falta perto da área. Ele ainda conseguiu finalizar, à direita. Foi bom? Sim. Talevz um caminho que os rubro-negros pudessem encontrar para tentar o empate. Mas depois disso, a jogada não se repetiu, embora Mark tenha realmente se posicionado mais no meio. Na jogada, ensaiada, Túlio chutou rasteiro e a bola desviou em Everton Felipe




Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

A partir dos 15 minutos, os dois técnicos começaram as mudanças. Falcão tentou mais posse de bola no setor ofensivo ao colocar Wallace no lugar de Samuel Xavier. Ele jogou ao lado de Túlio de Melo, enquanto Maicon foi para a lateral direita. Depois, o prata da casa Fábio foi para o lugar de Everton Felipe e Luiz Antônio entrou no posto de Serginho. A posse de bola do time visitante aumentou mas o lado direito ficou órfão de um ponta.

González voltou para a esquerda e só criou algo aos 34 num belo cruzamento para Túlio de Melo cabecear e Luciano fazer grande defesa. O Carcará, já sem Adernson Lessa, Rafael Berger e Cássio, seu tripé, limitou-se apenas a se defender e mandar chutões para o campo do Sport. Nos acréscimos, o goleiro Luciano manteve-se em campo – até porque não poderia mais ser substituído – com uma luxação no punho esquerdo. Mesmo com o goleiro machucado os rubro-negros não arriscaram chutes de média e longa distância.

Ficha do jogo:

Salgueiro: Luciano; Tamandaré, Ranieri, Rogério e Daniel; Moreilândia, Rodolfo e Cássio (Lucas Piauí); Anderson Lessa (Toty), Berger (Jaíldo) e Lucas Piauí. Técnico: Sérgio China.

Sport: Danilo Fernandes; Samuel Xavier (Wallace), Matheus Ferraz, Durval e Renê; Rithely, Serginho (Luiz Antônio) e Everton Felipe (Fábio); Maicon da Silva, Túlio de Melo e Mark González e Túlio de Melo. Técnico: Paulo Roberto Falcão.

Pernambucano 2016. Local: Cornélio de Barros, em Salgueiro. Árbitro: Gilberto Castro Júnior. Assistentes: Clóvis Amaral e Elan Vieira. Gols: Cássio, aos 12 do primeiro tempo. Cartões amarelos: Renê, Cássio e Rogério.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM