Jornal do Commercio
Luto

O último adeus ao ídolo e ex-atacante do Sport, Leonardo

Centenas de torcedores estiveram presentes no velório do craque

Publicado em 02/03/2016, às 16h26

A despedida de Leonardo, terceiro maior artilheiro da história do rubro-negro pernambucano com 136 gols, comoveu até as torcidas do rivais Náutico e Santa Cruz em sua partida. / Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
A despedida de Leonardo, terceiro maior artilheiro da história do rubro-negro pernambucano com 136 gols, comoveu até as torcidas do rivais Náutico e Santa Cruz em sua partida.
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Do Blog do Torcedor

Atualizada às 18h49

Não foi uma quarta-feira (2) fácil para os familiares, amigos e admiradores do ex-jogador Leonardo. Desde o início da madrugada, o velório do ex-atacante do Sport ocorreu na Ilha do Retiro até o começo da tarde. Por pedido da família, sepultamento vai ocorrer em Picos, no Piauí, cidade em que nasceu o ídolo da torcida do Leão – o corpo foi levado de avião para a município.

A despedida de Leonardo, terceiro maior artilheiro da história do rubro-negro pernambucano com 136 gols, comoveu até as torcidas do rivais Náutico e Santa Cruz em sua partida.

 

Estiveram presentes para prestar as últimas homenagens ao ex-jogador e amigo, o ex-volante do Santa Cruz, Zé do Carmo, e o ex-atacante do Náutico, Kuki. Ambos atuaram contra Leonardo nos clássicos pernambucanos.

“Nós eramos rivais e nunca inimigos. Dentro de campo eu queria o melhor para o meu time. Ele era um cara muito habilidoso dentro de campo e complicava muito as defesas adversárias. Fica a admiração que tinha pelo jogador habilidoso que era e pelo trabalho que o Leonardo estava realizando no sub-15 do Sport, onde estava trazendo novos valores para o clube e passando dicas aos jovens”, declarou Zé do Carmo.

O ex-jogador e atual auxiliar técnico do Náutico, Kuki, confessou que Leonardo era o seu ídolo quando ainda morava no Rio Grande do Sul. Mesmo tendo jogado várias vezes contra Leonardo em Pernambuco, ele frisou que a admiração não mudou.

“Sempre deixei claro que ele (Leonardo) e o Nildo eram as minhas referências no Recife mesmo quando eu nem sonhava em jogar pelo Náutico. A rivalidade era só dentro do campo. Cada um defendendo as cores do seu clube com muita admiração um pelo outro”, confirmou.

Quem também esteve presente no velório foi o vice-governador de Pernambuco Raul Henry. Torcedor rubro-negro declarado, ele afirmou ter acompanhado todo a trajetória do ex-jogador no clube do coração. “Era um jogador que emocionava a torcida. Como torcedor do Sport, acompanhei todo a trajetória dele e presto a minha homenagem ao grande atleta e profissional, Leonardo”, declarou.

O Sport prestou toda assistência à família de Leonardo e organizou o velório do ex-jogador, que estava trabalhando nas categorias de base do clube. O vice-presidente do clube, Arnaldo Barros, afirmou que todos os torcedores e amantes do futebol irão sentir saudades do ídolo rubro-negro.

“Leonardo, além de um excelente atleta e profissional fora da série, foi um talento incomum. Com certeza, ele deixará uma lacuna em todo torcedor do Sport e em todo apaixonado pelo futebol”, finalizou.



O cortejo para o Aeroporto Internacional do Recife foi feito em um carro funerário, causando reclamação por parte de torcedores e fãs de Leonardo. Aos gritos de "vergonha", eles diziam que o ídolo merecia ser levado por um veículo do Corpo de Bombeiros e escoltado.

Às 15h30, o avião fretado deixou o Recife e chegou às 17h40 ao Aeroporto Regional de Picos, onde será velado na Câmara Municipal até a manhã desta quinta-feira (3), seguindo depois para o sepultamento na cidade do artilheiro, onde moram a mãe e os irmãos de Leonardo.

A LEMBRANÇA DOS AMIGOS EX-JOGADORES

“É um momento de tristeza. Mas preferimos ficar com a boa lembrança do jogador e a pessoa que era o Leonardo. Tive o prazer de jogar e de ser o treinador do Leonardo”, afirmou o ex-jogador e técnico Neco.

“Leonardo não era somente um atleta e profissional. O futebol pernambucano perde um grande ídolo”, disse o ex-lateral-direito do Sport e ex-companheiro Leonardo, Russo.

“Ele (Leonardo) foi um ídolo no Sport. Um cara extrovertido e que fez muitas amizades no clube e na cidade”, frisou Roberto Coração de Leão, ídolo do Sport, na década de 80.

“É uma situação difícil. Foram vários anos com o Leonardo no Sport, mas fora também mantínhamos contato. Todo mundo perde com a saudade que ele (Leonardo) nos deixa”, declarou Gilberto Gaúcho, ex-meia do Sport, que jogou com Leonardo nos anos 90 no Leão.

“Fiquei surpreso quando soube da notícia. Leonardo parte muito novo. A gente sofre com a dor da família e ao mesmo tempo ora para que Deus possa promover o consolo em todos da sua família”, disse o goleiro Albérico.

“É um momento muito triste perder uma pessoa maravilhosa como Leonardo. Fico sem palavras neste momento tão difícil. Ele sempre foi um guerreiro e um cara querido”, afirmou o volante Dário.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM