Jornal do Commercio
Luto

O último adeus ao ídolo e ex-atacante do Sport, Leonardo

Centenas de torcedores estiveram presentes no velório do craque

Publicado em 02/03/2016, às 16h26

A despedida de Leonardo, terceiro maior artilheiro da história do rubro-negro pernambucano com 136 gols, comoveu até as torcidas do rivais Náutico e Santa Cruz em sua partida. / Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
A despedida de Leonardo, terceiro maior artilheiro da história do rubro-negro pernambucano com 136 gols, comoveu até as torcidas do rivais Náutico e Santa Cruz em sua partida.
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Do Blog do Torcedor

Atualizada às 18h49

Não foi uma quarta-feira (2) fácil para os familiares, amigos e admiradores do ex-jogador Leonardo. Desde o início da madrugada, o velório do ex-atacante do Sport ocorreu na Ilha do Retiro até o começo da tarde. Por pedido da família, sepultamento vai ocorrer em Picos, no Piauí, cidade em que nasceu o ídolo da torcida do Leão – o corpo foi levado de avião para a município.

A despedida de Leonardo, terceiro maior artilheiro da história do rubro-negro pernambucano com 136 gols, comoveu até as torcidas do rivais Náutico e Santa Cruz em sua partida.

 

Estiveram presentes para prestar as últimas homenagens ao ex-jogador e amigo, o ex-volante do Santa Cruz, Zé do Carmo, e o ex-atacante do Náutico, Kuki. Ambos atuaram contra Leonardo nos clássicos pernambucanos.

“Nós eramos rivais e nunca inimigos. Dentro de campo eu queria o melhor para o meu time. Ele era um cara muito habilidoso dentro de campo e complicava muito as defesas adversárias. Fica a admiração que tinha pelo jogador habilidoso que era e pelo trabalho que o Leonardo estava realizando no sub-15 do Sport, onde estava trazendo novos valores para o clube e passando dicas aos jovens”, declarou Zé do Carmo.

O ex-jogador e atual auxiliar técnico do Náutico, Kuki, confessou que Leonardo era o seu ídolo quando ainda morava no Rio Grande do Sul. Mesmo tendo jogado várias vezes contra Leonardo em Pernambuco, ele frisou que a admiração não mudou.

“Sempre deixei claro que ele (Leonardo) e o Nildo eram as minhas referências no Recife mesmo quando eu nem sonhava em jogar pelo Náutico. A rivalidade era só dentro do campo. Cada um defendendo as cores do seu clube com muita admiração um pelo outro”, confirmou.

Quem também esteve presente no velório foi o vice-governador de Pernambuco Raul Henry. Torcedor rubro-negro declarado, ele afirmou ter acompanhado todo a trajetória do ex-jogador no clube do coração. “Era um jogador que emocionava a torcida. Como torcedor do Sport, acompanhei todo a trajetória dele e presto a minha homenagem ao grande atleta e profissional, Leonardo”, declarou.

O Sport prestou toda assistência à família de Leonardo e organizou o velório do ex-jogador, que estava trabalhando nas categorias de base do clube. O vice-presidente do clube, Arnaldo Barros, afirmou que todos os torcedores e amantes do futebol irão sentir saudades do ídolo rubro-negro.

“Leonardo, além de um excelente atleta e profissional fora da série, foi um talento incomum. Com certeza, ele deixará uma lacuna em todo torcedor do Sport e em todo apaixonado pelo futebol”, finalizou.



O cortejo para o Aeroporto Internacional do Recife foi feito em um carro funerário, causando reclamação por parte de torcedores e fãs de Leonardo. Aos gritos de "vergonha", eles diziam que o ídolo merecia ser levado por um veículo do Corpo de Bombeiros e escoltado.

Às 15h30, o avião fretado deixou o Recife e chegou às 17h40 ao Aeroporto Regional de Picos, onde será velado na Câmara Municipal até a manhã desta quinta-feira (3), seguindo depois para o sepultamento na cidade do artilheiro, onde moram a mãe e os irmãos de Leonardo.

A LEMBRANÇA DOS AMIGOS EX-JOGADORES

“É um momento de tristeza. Mas preferimos ficar com a boa lembrança do jogador e a pessoa que era o Leonardo. Tive o prazer de jogar e de ser o treinador do Leonardo”, afirmou o ex-jogador e técnico Neco.

“Leonardo não era somente um atleta e profissional. O futebol pernambucano perde um grande ídolo”, disse o ex-lateral-direito do Sport e ex-companheiro Leonardo, Russo.

“Ele (Leonardo) foi um ídolo no Sport. Um cara extrovertido e que fez muitas amizades no clube e na cidade”, frisou Roberto Coração de Leão, ídolo do Sport, na década de 80.

“É uma situação difícil. Foram vários anos com o Leonardo no Sport, mas fora também mantínhamos contato. Todo mundo perde com a saudade que ele (Leonardo) nos deixa”, declarou Gilberto Gaúcho, ex-meia do Sport, que jogou com Leonardo nos anos 90 no Leão.

“Fiquei surpreso quando soube da notícia. Leonardo parte muito novo. A gente sofre com a dor da família e ao mesmo tempo ora para que Deus possa promover o consolo em todos da sua família”, disse o goleiro Albérico.

“É um momento muito triste perder uma pessoa maravilhosa como Leonardo. Fico sem palavras neste momento tão difícil. Ele sempre foi um guerreiro e um cara querido”, afirmou o volante Dário.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM