Jornal do Commercio
Leão

Sport não reconhece ações dos empresários do volante Rithely

Agentes do jogador cobram dívidas referentes a compra dos direitos econômicos por parte do Sport

Publicado em 13/02/2018, às 16h14

Rithely recebeu propostas para sair do Sport no começo deste ano, mas as negociações não avançaram. / Foto: André Nery/Acervo JC Imagem
Rithely recebeu propostas para sair do Sport no começo deste ano, mas as negociações não avançaram.
Foto: André Nery/Acervo JC Imagem
Davi Saboya
Twitter: @davisaboya

Os empresários do volante Rithely acionaram o Sport na Justiça Comum e na Confederação Brasileira de Futebol (CBF) cobrando dívidas de negociações no ano passado. Pelos meios judiciais, eles cobram o pagamento das parcelas da compra dos 50% dos direitos econômicos do jogador em 2017 quando o Leão se tornou detentor de 100% visto que em 2011, quando trouxe o atleta, comprou a outra metade por R$ 250 mil. Já na entidade máxima do futebol brasileiro, os agentes buscam a comissão da renovação contratual.

Segundo o staff de Rithely, o Sport não pagou nenhuma parcela da compra dos 50% dos direitos econômicos feita após o interesse do Corinthians na última temporada. Assim como não pagou a quantia dos empresários na negociação para estender o vínculo do volante até 2022.



SPORT

Por meio da assessoria de imprensa, o Sport afirmou que não recebeu nenhuma ação referente ao caso e só tomará alguma medida após a oficialização. Por outro lado, o diretor de futebol, Rodrigo Barros, tratou com naturalidade e frisou que o clube estava esperando essa atitude dos empresários do volante.

“Em relação as notícias de uma ação dos empresários de Rithely contra o Sport buscando um eventual valor não pago na compra dos direitos econômicos do jogador, o Sport não foi notificado. Então, não temos como nos posicionar sobre isso ainda. Mas isso era de conhecimento de todos. Os empresários deles já haviam dito que iriam buscar os meios legais via ação judicial buscando os valores. Quando formos notificados do processo, vamos tratar com todo o zelo. O assunto ainda não chegou no jurídico”, disse Barros à Rádio Jornal.


Palavras-chave


Comentários

Por ALEXANDRE SILVA,14/02/2018

Seria cômico, esse pessoal entrar com ação judicial contra o Sport, se o clube não estivesse com atraso nos compromissos! claro que existe fundamento nas ações! Agora, a Gestão atual do clube tem sido responsável pelo nome do Sport está sendo manchete de forma NEGATIVA nestes dois primeiros meses do ano, situação que não ocorria há muitos anos. onde está o conselho deliberativo do clube, que não se manifesta nestas questões?

Por Paulo,14/02/2018

Lyra, falou e disse. Se eu não tivesse lido o seu comentário, iria fazê-lo, com o mesmo teor. Aí tem.

Por LYRA,14/02/2018

A irresponsável diretoria do nosso GLORIOSO SPORT CLUB DO RECIFE, falou, falou e não disse nada, o que a torcida está querendo saber nesse momento, lembrando que a torcida e sócios são os maiores bens de um CLUBE, é se pagaram ou não pagaram pela compra dos 50% do passe do jogador, pertencentes aos empresários pois, não foram pagos é devido e se já foram pagos, que entrem na justiça contra os ditos empresários.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM