Jornal do Commercio
SITUAÇÃO FISCAL

Impostos em aberto do Sport em 2017 ultrapassam R$ 9 milhões

Dentre os impostos retidos na fonte, o clube leonino deixou de repassar o IRRF e INSS

Publicado em 17/04/2018, às 08h47

Sport perdeu o patrocínio da Caixa por não entregar a certidão negativa de débitos / Foto: JC Imagem
Sport perdeu o patrocínio da Caixa por não entregar a certidão negativa de débitos
Foto: JC Imagem
Filipe Farias
Twitter: @_filipefarias

Com se não bastasse a saúde financeira do Sport estar bastante debilitada, a situação fiscal do Leão também não é das melhores. De acordo com os números demonstrados no balanço do clube de 2017, que a reportagem do Jornal do Commercio teve acesso, a dívida rubro-negra só com impostos em aberto no ano passado ultrapassa os R$ 9 milhões.

“Pelo balanço, o Sport deixou de recolher impostos como ISS, INSS. Além disso, não pagou os parcelamentos de débitos negociados. Já são duas parcelas em aberto e isso pode provocar a rescisão das parcelas caso a inadimplência chegue a terceira consecutiva”, alertou Homero Lacerda, presidente do Conselho Deliberativo do Sport.

Confira a entrevista com Homero Lacerda:

O que é ainda mais alarmante, segundo o relatório fiscal, é o fato de a atual gestão rubro-negra não estar recolhendo os tributos da retidos da fonte. “O Sport é uma empresa que está com a saúde na UTI. Além de ter tido um prejuízo de R$ 18 milhões, ainda tem um débito de R$ 9.073.021,30 de encargos atrasados. Algumas, inclusive, com apropriação indébita. O que é crime. Arnaldo (Barros), como bom advogado, sabe disso”, disparou o ex-presidente Wanderson Lacerda.



Só de INSS que não foram repassados aos funcionários do Leão, o Sport deve R$ 1.506.729,45. Já com relação ao INSS de pessoas jurídicas que prestam serviço ao clube o débito é de R$ 246.161,92.

PATROCÍNIO

Nos últimos quatro anos, a diretoria rubro-negra conseguiu estampar o patrocínio da Caixa Econômica Federal. Porém, para a temporada 2018, o acordo não foi aprovado. “Com certeza, o Sport não conseguiu renovar esse patrocínio porque não apresentou a certidão negativa de débito. A Caixa não patrocina ninguém que não tenha essas certidões legais da situação tributária. O raciocínio simples é esse. Era um patrocínio muito bom e que sempre ajudou o clube, mas que infelizmente veio por água abaixo”, lamentou Homero.

 

 


Recomendados para você


Comentários

Por FERNANDO A R SOUZA,17/04/2018

Auditoria rigorosa já! Que o Conselho cumpra sua parte. Apurado o rombo, que se denuncie a quem de direito. Tudo cheira muito mal! Essa administração calamitosa tem que ser investigada a fundo.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe
As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus
O JC preparou um hotsite especial em homenagem ao ator e diretor Jose Pimentel, o eterno Jesus Cristo do teatro pernambucano

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM