Jornal do Commercio
Má fase

Atacantes do Sport vivem dura sina na Série A

Quarto pior ataque do Brasileirão, Leão fez apenas um gol nos últimos seis jogos

Publicado em 14/09/2018, às 07h21

Em cinco jogos, Brocador ainda não fez gol na volta pelo Sport / Williams Aguiar/Sport
Em cinco jogos, Brocador ainda não fez gol na volta pelo Sport
Williams Aguiar/Sport
Diego Toscano
Twitter: @diegotoscanoo

Na zona de rebaixamento do Brasileirão e com apenas uma vitória nos últimos 13 jogos, o Sport sofre para achar a melhor formação ofensiva. Com apenas 20 gols marcados em 24 partidas, o Leão tem o quarto pior ataque da Série A. Está na frente apenas de Paraná (11 gols), Ceará (15) e Cruzeiro (19). Nos últimos seis duelos, só um tento marcado, na vitória por 1x0 contra o Paraná. E pior: dos 20 gols na competição nacional, só cinco foram marcados por atacantes, que vivem má fase no clube rubro-negro.

Ao todo, seis atacantes já jogaram pelo Sport na atual Série A. E quem tem o melhor aproveitamento já deixou o clube: o centroavante Carlos Henrique. Devolvido ao Londrina, fez dois gols em 15 jogos pelo Leão. Quem também tem dois tentos é Rogério, mas em 20 partidas no Brasileirão. Entre os que tem mais de 10 duelos, o pior nos números é Rafael Marques. Em 16 jogos, só um gol. Por fim, três zerados: Hygor (cinco jogos e já dispensado), Morato (quatro) e Hernane Brocador (cinco). Os dois últimos, por sinal, deverão ser titulares ante o Corinthians, no domingo.

A última vez o clube rubro-negro balançou as redes duas vezes num mesmo jogo foi com junho, na derrota por 3x2 para o Vasco, na 11ª rodada. De lá para cá foram 21 gols sofridos e só cinco marcados. O artilheiro do Sport na Série A, por sinal, é o meia Gabriel, que marcou três gols em 22 jogos. No ano, o volante Anselmo, que deixou o clube em junho e Marlone, meia que ainda não se firmou entre os titulares, são os que mais balançaram as redes pelo Leão, com sete gols cada.



A última esperança de gols do clube leonino é Matheus Peixoto. Artilheiro do Bragantino na Série C com seis gols, o atacante de 22 anos foi apresentado no início da semana pelo Sport e vem se destacando nos treinos da semana. Hoje, é o reserva imediato de Hernane Brocador, e deve viajar para São Paulo.

”Quando recebi o convite do Klauss (Câmara, executivo de futebol) não pensei duas vezes. Quis fechar logo o mais rápido possível. Em relação a Hernane, é um cara que já conhecia. A gente trabalhou junto no Bahia. Sou um grande fã. Temos características parecidas por sermos camisas 9. Quem ganha com isso é o Sport. Às vezes o jogo está um pouco truncado e precisa de um pouco mais de bola aérea. Vou estar disposto a entrar e dar o meu melhor”, disse Matheus.

NÃO É POR FALTA DE MATADOR

A falta de um homem-gol, porém, não é garantia de que o Sport estaria fora da zona de rebaixamento da Série A hoje. Principalmente pelo histórico. “É sempre bom ter artilheiro. Mas se a gente for pensar no conjunto, só nos livramos (do rebaixamento em 2017) na última rodada. Mesmo tendo o vice-artilheiro do campeonato (André, com 13 gols). Esse ano, mesmo não tendo um jogador que esteja fazendo tantos gols, como aconteceu em anos anteriores, estamos sofrendo do mesmo jeito. Claro que ter um jogador que faz muitos gols ajuda. Mas não é porque está faltando matador que estamos nessa situação”, afirmou o goleiro Magrão.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM