Jornal do Commercio
INSPIRAÇÃO

Sport busca inspiração no Atlético-PR para subir na tabela da Série A

Antes da Copa do Mundo, o time paranaense estava na vice-lanterna e, hoje, briga por uma vaga na Libertadores

Publicado em 11/10/2018, às 08h06

Milton Mendes quer o Sport subindo na tabela de classificação / Foto: Williams Aguiar/ Sport
Milton Mendes quer o Sport subindo na tabela de classificação
Foto: Williams Aguiar/ Sport
Filipe Farias
Twitter: @_filipefarias

Um adversário para o Sport se inspirar. Se antes da Copa do Mundo, o Atlético-PR tinha apenas nove pontos e ocupava a vice-lanterna do Brasileirão, agora, os paranaenses subiram na classificação, somam 36 pontos (10º), e são apontados como um dos postulantes a uma vaga na Libertadores. No caminho oposto, o Leão deixou de ser a equipe sensação (chegou a ser vice-líder da Série A) e só despencou na tabela após o Mundial da Rússia, somando apenas oito pontos e indo para a vice-lanterna. Por isso, se quiser evitar a queda para a Série B, os rubro-negros pernambucanos precisam encarnar o espírito do Furacão.

“Só dependemos de nós. Isso é bom, só depender da gente. Temos de focar jogo a jogo, pontuar o máximo possível, sem se importar com as outras equipes e só depois ver o que vai acontecer ao final desses últimos dez jogos”, declarou o meia Gabriel. “Eu acredito que com 45 pontos dá pra escapar (do rebaixamento). Ano passado, o Vitória se livrou com 43. Tem muita gente brigando contra o rebaixamento. Mais seis vitórias escapamos tranquilamente”.

Em entrevista exclusiva à reportagem do Jornal do Commercio, o técnico Tiago Nunes explicou a mudança de conceito de jogo que implementou no Atlético-PR para conseguir embalar no Brasileirão. “Assumi o time a dez dias de recomeçar a Série A. Então, procurei manter o que a gente tinha de bom sob o comando do Fernando Diniz, que era a primeira faixa de construção, saída de bola e jogo de aproximação. Sempre tentando, através da posse de bola, chegar ao campo adversário. Mudei o perfil de organização tática da equipe, deixando o time mais vertical que é uma essência de jogo do clube. Implementei alguns conceitos defensivos e dei oportunidade a alguns atletas que não estavam sendo aproveitados”, explicou o gaúcho de apenas 38 anos, que foi campeão paranaense comandando a equipe de aspirantes do Atlético-PR (por decisão da direção, a equipe principal não disputa o Estadual).



INVENCIBILIDADE

Enquanto o Sport perdeu as últimas nove partidas como visitante, o Furacão vem de dez vitórias consecutivas na Arena da Baixada (oito no Brasileirão e duas na Copa Sul-Americana). “Vai ser um jogo de extrema dificuldade. Eles estão acostumados com o campo rápido e jogam de maneira vertical. O ataque deles é muito veloz. São letais. Os quatro homens da frente marcam gols. Mesmo com Pablo suspenso, eles têm peças para repor de qualidade. Já joguei com o Marcelo Cirino (no Flamengo) e ele pode fazer a função de centroavante muito bem”, contou Gabriel.

Ciente de que o Sport tem no seu comando um profissional que conhece muito bem o Atlético-PR, Tiago Nunes prega respeito e admiração ao técnico leonino. “Eu estava acompanhando o Sport antes mesmo do Milton Mendes chegar. O time estava um pouco desanimado. Sem perspectiva, pois vinha de resultados negativos. Mas Milton tem o poder de mudar o ambiente. É um treinador de altíssimo nível. Uma referência pra mim. Ele aqui no Atlético-PR construiu uma história bonita e é querido por todos. Pelo conhecimento que tem do clube, espero um jogo difícil”, falou o treinador do Furacão.

 





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM