Jornal do Commercio
Ilha do Retiro

Cláudio Winck é mais um a se despedir do Sport

Jogador agradeceu ao clube pela oportunidade

Publicado em 04/12/2018, às 21h21

Lateral fez três gols com a camisa do Sport / Williams Aguiar/Sport Club do Recife
Lateral fez três gols com a camisa do Sport
Williams Aguiar/Sport Club do Recife
JC Online

Depois de Fellipe Bastos, Nonoca e Rafael Marques, foi a vez do lateral-direito Cláudio Winck se despedir do Sport através das redes sociais. Em postagem no perfil pessoal, o jogador agradeceu ao clube pela oportunidade e desejou sorte ao Leão na próxima temporada.

"Gostaria de agradecer todo o carinho recebido durante 2018 pelos torcedores e funcionários do Sport. Fizemos de tudo para reverter essa situação e, infelizmente, o que aconteceu no campeonato não reflete a entrega do nosso grupo. Tenho certeza de que o Leão irá voltar para o seu lugar no ano que vem. Foi uma honra poder sentir o que é ser rubro-negro. A alegria de vestir a camiseta do Sport ficará marcada para sempre em minha memória. Obrigado", escreveu.



Winck chegou ao Sport vindo de empréstimo do Internacional e oscilou durante a temporada. Marcou três gols em 21 partidas no total. No fim do ano, acabou sendo muito acionado pelo técnico Milton Mendes.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM