Jornal do Commercio
Justiça

Advogado explica ações de Deivid, Max e Ferreira contra o Sport

Deivid, Max e Ferreira acionaram o Sport na Justiça por falta de pagamento dos salários

Publicado em 10/01/2019, às 18h48

Deivid pede R$ 1,5 milhão por salários atrasados no Sport / Filipe Farias/Jornal do Commercio
Deivid pede R$ 1,5 milhão por salários atrasados no Sport
Filipe Farias/Jornal do Commercio
Fernando Castro
Twitter: @fernand0_castro

Depois de ser denunciado ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva pelo meia-atacante Gabriel, por falta de fair play financeiro, o Sport virou alvo de outras três ações no STJD. O volante Deivid cobra R$ 1,5 milhão, enquanto o zagueiro Max exige R$ 400 mil e o volante Ferreira pede R$ 250 mil. As ações foram feitas pelo advogado João Chiminazzo, que explicou a situação.

"Realmente eu entrei com essas três ações, eu fui procurado pelos jogadores. Em relação ao Max e Ferreira, são jogadores que tinham contrato até o final do ano de 2018, eles saíram do clube sem o pagamento dos salários de setembro, outubro, novembro, dezembro, décimo terceiro, férias, uma parte do FGTS. Então eu entrei com uma ação para cobrar esses valores", explicou o advogado, em entrevista ao repórter Filipe Farias, para a Rádio Jornal.

DEIVID

Em relação ao volante Deivid, que pediu para deixar o Sport no começo da semana, o advogado João Henrique Chiminazzo afirmou que ele tem uma situação diferente, já que ainda tem contrato com o clube. Com mais de três meses de salários atrasados, o volante entrou com o pedido de rescisão contratual, como previsto na Lei Pelé.



"A situação do Deivid é um pouco diferente. Ele está no clube, tem contrato até o final de 2019, mas também está com esses mesmo salários atrasados e o clube já sinalizou que não tem condições de honrar com esses pagamentos e de manter os salários dele. O artigo 31 da Lei Pelé diz que a falta de pagamento de salário por três meses ou mais é motivo de rescisão indireta do contrato de trabalho, então a gente entrou com esse pedido", declarou o advogado de Deivid.

A reportagem do Jornal do Commercio procurou o Departamento Jurídico do Sport, mas não obteve êxito. A Assessoria de Comunicação do clube informou que os advogados rubro-negros ainda estão estudando os casos para posteriormente se pronunciarem oficialmente.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM