Jornal do Commercio
Notícia
META

Inspirado em Magrão, Maílson vai se consolidando na meta do Sport

O maior ídolo da história do Leão vai, aos poucos, passando às luvas para o prata da casa

Publicado em 22/04/2019, às 07h51

Maílson tem noite de Magrão e ajuda o Sport a conquistar o título Pernambucano / Foto: Brenda Alcântara/ JC Imagem
Maílson tem noite de Magrão e ajuda o Sport a conquistar o título Pernambucano
Foto: Brenda Alcântara/ JC Imagem
Klisman Gama
Twitter: @KlismanGama

A conquista do 42º título estadual do Sport também conta com uma particularidade entre as traves. A passagem de bastão que se torna cada vez mais próxima, entre o presente e futuro do rubro-negro. Do experiente e ídolo Magrão, para o jovem e promissor Maílson. O título ganha esse peso simbólico por conta de um momento natural, mas que nem todo torcedor do Sport estaria preparado para vê-lo. De qualquer forma, Alessandro Beti Rosa se eterniza ainda mais como o maior jogador que vestiu a camisa do Leão.

São 732 jogos defendendo o as cores Sport. Atleta recordista em partidas disputadas pelo rubro-negro, também é o que mais jogou por um clube no Nordeste. Feitos que engrandecem Magrão, mas anunciam a proximidade da aposentadoria do goleiro de 42 anos, especulada para o fim deste ano. E mesmo assim, o ídolo segue escrevendo sua história.

Com a conquista do Campeonato Pernambucano, Magrão se isola como o jogador com mais títulos pelo Sport, somando dez ao todo. São oito títulos estaduais, uma Copa do Nordeste e uma Copa do Brasil. Desta maneira, o goleiro ultrapassa o saudoso atacante Leonardo, grande ídolo do Leão na década de 90, que somava nove troféus empilhados pelo rubro-negro. Contudo, desta vez, Magrão não foi protagonista. Começou mal a temporada, foi contestado por parte da torcida e acabou parando no banco de reservas.

Magrão vem de uma trajetória complicada, que se iniciou em 2018. O goleiro esteve presente em boa parte da melancólica campanha do rebaixamento para a Série B. Na 29ª rodada do Brasileirão, fraturou o braço em jogo contra o Athletico-PR e perdeu o restante do ano. O arqueiro voltou no em 2019, porém, seu nível de atuação estava longe do que o torcedor se acostumou a ver.



O camisa um falhou em vários gols nos jogos que disputou. De quebra, foi também um dos responsáveis pela eliminação na Copa do Brasil deste ano, para o Tombense. Depois, errou no clássico contra o Santa Cruz, pelo Estadual. Derrota que gerou a troca do comando técnico, de Milton Cruz para Guto Ferreira. E o novo treinador percebeu que, do banco de reservas, um goleiro oriundo da base leonina vinha pedindo passagem. O momento era o de Maílson, que já havia mostrado serviço.

MAíLSON CONSOLIDADO

Vindo do agreste de Alagoas, o arqueiro de 1,97m é o futuro - talvez presente, já consolidado - da meta do Sport. Sua trajetória no Leão iniciou em 2014, aos 17 anos. Sem ter passado por categorias de base antes da chegada em Pernambuco, Maílson foi lapidado ano a ano. Sua estreia como profissional aconteceu em 2017, onde só a base atuou.

Na temporada seguinte, Maílson chamou a atenção na Série A. Magrão estava lesionado e o seu reserva imediato, Agenor, teve uma atuação péssima na estreia do rubro-negro. A vaga caiu no colo do prata da casa. Ele atuou em três partidas no primeiro turno e depois na reta final da competição. Com atuações seguras, provou o seu valor dentro do elenco.

Nesta campanha do título pernambucano, disputou sete jogos, sendo vazado apenas em quatro duelos. Ao todo, sofreu quatro gols. Atuações seguras que o credenciam para iniciar a Série B como o titular da meta rubro-negra e somam maior confiança para seguir com o bom nível. Além do mais, a maturidade que vem adquirindo tem influência da parceria criada com o ‘Seu’ Magrão. Vinte anos mais velho que o alagoano, o ídolo leonino também tem papel importante na formação do seu sucessor. O processo vem acontecendo e, aos poucos, o experiente sai de cena, tendo escrito uma grande história, para dar lugar a uma joia da base rubro-negra. O Sport agradece a Magrão e saúda Maílson.



OFERTAS

Especiais JC

Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.
Mãe Guerreira Mãe Guerreira
Junto com uma criança, nasce sempre uma mãe, que enfrenta inúmeros desafios para educar, acolher e dar o melhor aos filhos. Por isso, todas elas carregam em si a força e a coragem de verdadeiras guerreiras.
JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM