Jornal do Commercio
conselho

Coaf fez mais de 3 mil relatórios sobre indícios de movimentações ilícitas

Os documentos são produzidos a partir de comunicações suspeitas ou automáticas enviadas por bancos, instituições financeiras e outros órgãos

Publicado em 05/12/2014, às 16h16

Da ABr

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) já produziu mais de 3 mil relatórios sobre movimentações com indícios de lavagem de dinheiro em 2014. De acordo com o presidente do conselho, Antonio Gustavo Rodrigues, o número é o maior registrado desde a criação do órgão, em 1998.

Antônio Gustavo Rodrigues participou nesta sexta-feira (5) do 1º Seminário Nacional de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro, no Rio de Janeiro, e contou que, nos 12 anos que está à frente do órgão, aumentou a comunicação com outras instituições: "A única pessoa que recebia (os relatórios) era o procurador-geral da República. Comecei a mandar para os procuradores federais regionais, para a Polícia Federal e para o Ministério Público", disse ele, ao afirmar que a troca de informações criou "uma cultura para tratar do tema".

No ano passado, o Coaf produziu 2.450 relatórios. Esses documentos são produzidos a partir de comunicações suspeitas ou automáticas enviadas por bancos, instituições financeiras e outros órgãos. As comunicações, explica Rodrigues, são feitas automaticamente por envolverem valores elevados, ou por suspeita das instituições, quando a quantia ultrapassar a capacidade econômica dos envolvidos, por exemplo.



Muitas comunicações podem ser reunidas em um único relatório, e muitos relatórios podem dar origem a uma única investigação, afirmou o presidente do Coaf, que usou como exemplo a Operação Lava Jato, para a qual foram produzidos 108 relatórios. O papel do Coaf, no entanto, não é o de investigar, mas de fornecer informações aos órgãos, que investigam para saber se de fato há suspeitas e crimes: "Nosso papel é o de alertar. De levantar a bola e chamar atenção", disse Rodrigues.

Em 2014, o Coaf recebeu cerca de 777 mil comunicações, e cerca de 16% fez parte de algum relatório. O número de comunicações caiu nos últimos anos: foram 1,28 milhão em 2013 e 1,587 milhão em 2012. A diminuição, segundo Rodrigues, ocorre porque o sistema tem sido aprimorado para não fazer comunicações inúteis.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM