Jornal do Commercio
Educação

Confronto entre PM e manifestantes deixa ao menos 170 feridos no Paraná

De acordo com o sindicato servidores, há 20 mil pessoas participaram da manifestação

Publicado em 29/04/2015, às 23h32

Dos 170 feridos, 35 foram socorridos por ambulâncias do Samu e por guardas civis municipais / Foto: Everson Bressan/SMCS
Dos 170 feridos, 35 foram socorridos por ambulâncias do Samu e por guardas civis municipais
Foto: Everson Bressan/SMCS
Fohapress

Após servidores estaduais do Paraná tentarem romper o cerco da Polícia Militar na Assembleia Legislativa e a corporação reagir com bombas de gás e balas de borracha, manifestantes e PMs entraram em confronto em frente à Casa. O local virou uma praça de guerra onde ao menos 170 pessoas se feriram.

Os protestos ocorrem no Legislativo porque os deputados votam, com portas fechadas, o projeto do governo Beto Richa (PSDB) que modifica a previdência dos funcionários públicos estaduais. De acordo com o sindicato servidores, há 20 mil pessoas na manifestação.

Desde o início desta semana, a Assembleia foi cercada por PMs a pedido do governador tucano, que se baseou numa ordem judicial para fazer a votação sem a presença de manifestantes.

A polícia jogou também jatos de água contra os ativistas. Já os manifestantes atiram pedaços de pau e pedras. Parte dos ativistas são professores, que entraram em greve na última segunda (27) contra o projeto.

O prédio da prefeitura, que fica em frente à Assembleia, foi transformada em uma espécie de enfermaria para agilizar o atendimento dos feridos.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, 20 dos feridos são policiais. A PM prendeu dez pessoas -entre eles, há professores e black blocks, segundo a pasta.

O confronto já dura quase três horas. Após o ataque da PM, os manifestantes -entre eles alunos da rede pública-, recuaram, mas continuam ocupando as ruas ao redor do Legislativo.

'REFÚGIO'

Dos 170 feridos, 35 foram socorridos por ambulâncias do Samu e por guardas civis municipais. Eles foram levados para hospitais e para a UPA matriz. Há também entre eles pessoas que passaram mal com o gás usado pela PM.

Segundo a assessoria da prefeitura, diante do tumulto, as pessoas se refugiaram na prefeitura. O saguão principal está lotado de pessoas ensanguentadas, ainda sob efeito de crise nervosa ou que tiveram algum tipo de ferimento.

Funcionários tentavam acalmar manifestantes, distribuindo água.

Enquanto isso, a sessão está sendo realizada na Assembleia. Foi interrompida por cerca de dez minutos, já que o gás chegou a atingir o plenário da Casa, mas foi retomada, mesmo com o barulho de bombas e gritos do lado de fora.



Também houve confronto nesta terça-feira (28), quando um caminhão de som tentou se aproximar do Legislativo. Na ocasião, a PM reagiu com bombas de gás e spray de pimenta.

A expectativa dos servidores é evitar a aprovação da proposta de Richa.

Com medo de que o prédio do Legislativo fosse invadido, a exemplo do que ocorreu em fevereiro, a gestão Richa montou uma operação de guerra ao redor da Assembleia Legislativa do Paraná para garantir a votação.

Diante da fumaça, foram suspensas as aulas na CMEI Centro Cívico, uma creche infantil para filhos de funcionários, que também fica perto da Assembleia.

Os pais foram convocados a buscar às pressas as crianças. Assustadas, algumas passaram mal e começaram a tossir diante do desconforto com o gás.

SEGURANÇA

Quase 2.000 policiais, segundo apurou a reportagem, participam da operação. Ônibus do batalhão de choque, caminhões dos Bombeiros e até a cavalaria foram convocados para fazer a segurança do prédio.

Do lado de fora, manifestantes carregam cartazes e gritam "retira, retira" e "eu estou na luta".

Todas as entradas do Legislativo estão cercadas. Os manifestantes foram concentrados em apenas um dos lados do prédio. Entre eles e a entrada da Assembleia, há cerca de 30 metros e duas fileiras de grades.

No início da tarde, comandantes davam ordens à seus batalhões. "O camarada vai derrubar a grade em cima de você. Então, tem que estar preparado para isso", dizia um deles ao seu batalhão.

Em caso de invasão do perímetro, homens da Rotam e do Bope agirão para dispersar os manifestantes, com escudos, bombas de gás e spray de pimenta. "É tipo aquele filme 300", explica um policial, em referência ao filme em que 300 soldados de Esparta enfrentam um exército persa com milhares de integrantes.

O batalhão de choque tem dezenas de homens dentro do prédio, preparados para o avanço do grupo, com balas de borracha e escudos.

"Se precisar usar a tonfa [cassetete], é por baixo! Nada de sair girando por cima", orienta um dos comandantes à tropa de policiais.

PREVIDÊNCIA

Os deputados do Paraná começaram a votar, nesta semana, um projeto que pretende alterar a previdência estadual, aliviando o caixa do governo em R$ 1,7 bilhão ao ano. Em protesto, professores e outras categorias, como agentes penitenciários e servidores da saúde, entraram em greve e têm organizado manifestações em frente à Assembleia desde segunda (27).

A direção da Casa conseguiu uma ordem judicial que proíbe a invasão do plenário, como já ocorreu em fevereiro. A PM diz que está agindo para cumprir a decisão.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM