Jornal do Commercio
Mobilização

Bebê tem rosto desfigurado por água fervendo e pais fazem apelo na internet

A família está se mobilizando na internet para se manter na região paulista e conseguir acompanhar o caso do filho

Publicado em 09/01/2018, às 07h31

No momento, a criança não tem condições de ser transferida / Foto: Arquivo Pessoal
No momento, a criança não tem condições de ser transferida
Foto: Arquivo Pessoal
JC Online

Uma triste história está comovendo a internet. Uma família de Minas Gerais estava passando férias em Itanhaém, no litoral de São Paulo, quando na sexta-feira (5) o bebê de 1 ano teve seu rosto desfigurado após uma cafeteria com água fervente cair por cima. A família está se mobilizando na internet para se manter na região paulista e conseguir acompanhar o caso do filho. No momento, a criança não tem condições de ser transferida para outro hospital.

 

 

 

Segundo informações do Portal G1, o casal Diego Augusto da Silva, de 29 anos, e Maria Thereza Gomes da Silva, de 25, foi visitar um familiar em São Paulo no início da semana, onde passariam parte das suas férias. Levaram os dois filhos, uma menina de 5 anos e o bebê Lorenzo.

"Decidimos passar um dia na praia, então fomos para Itanhaém, onde alugamos uma casa. Lorenzo está começando, aos poucos, a andar, e sempre ficamos de olho nele. Mas não percebemos quando ele chegou perto do fogão, que estava bambo. A cafeteira [do tipo italiana] caiu em cima dele. Eu entrei em desespero", conta a mãe.



Queimaduras

O rosto de Lorenzo foi atingido por queimaduras de 2º grau, outros 25% e do abdômen, de acordo com a mãe, também chegaram a serem atingidos. Lorenzo deu entrada no hospital santista direto para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Como os pais não tem familiares na cidade, o casal está se revezando para atento aos cuidados do filho.

"Uma voluntária aqui do hospital nos ofereceu um quarto para eu e o Diego descansarmos. Muita gente tem nos ajudado com dinheiro, para comer, e com fraldas para o Lorenzo. Mas ainda assim está muito difícil", conta.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por ANA LÚCIA,10/01/2018

Como é que pode uma pessoa vendo um drama desse e o desespero dos pais ainda se prestar a acusar de negligência e aumentar mais a dor dessa família, por mais que tenham tido algum descuido, agora não é hora pra isso e sim para confortá-los e ajudá-los no que for possível. Não moro na região e sim no nordeste, mas se criarem alguma forma de ajuda, com conta para depósito, posso ajudar também.

Por afrodite,09/01/2018

os pais deveriam ser responsabilizados ,pois tratou -se de negligencia em vigiar a criança.Agora se um avião caísse sobre a casa ,seriam outros quinhentos.Pena que o coitado vai ficar marcado pro resto da vida pela falha dos pais em cuidar dele .Rezo para que ele se recupere.

Por Ana,09/01/2018

Boa tarde Sou mãe de dois pequenos gostaria de ajudar entre em contato por favor, não tenho muito mais quero ajudar! 11 995713880

Por Andrea,09/01/2018

Que Deus abençoe a família e que este anjo se recupere bem.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM