Jornal do Commercio
EMBRAER

Ministro diz que governo não cederá controle acionário da Embraer

O ministro ainda afirmou que ''garantir o interesse nacional é fundamental. É a essência''

Publicado em 12/01/2018, às 17h48

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, general Sergio Etchegoyen, fala após reunião no Palácio Guanabara para discutir segurança pública no Rio de Janeiro / Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
O ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, general Sergio Etchegoyen, fala após reunião no Palácio Guanabara para discutir segurança pública no Rio de Janeiro
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
ABr

O ministro-chefe do gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, Sergio Etchegoyen, disse no início da tarde desta sexta-feira (12) que o governo não cederá o controle acionário da Embraer. A empresa brasileira negocia uma parceria com a fabricante americana de aviões Boeing.

Etchegoyen ponderou que é preciso manter o controle da empresa para garantir o interesse nacional, mas, a partir daí, "xenofobia não vale a pena".

“Não sei que tipo de negócio a Embraer vai fazer com a Boeing. O que eu sei é que está garantido que o governo não cederá o controle acionário da Embraer. Ponto. Garantir o interesse nacional é fundamental. Essa é a essência.  A partir daí, xenofobia não vale a pena, porque, de repente, a gente perde o bonde da história”, disse o ministro. "Garante-se o controle acionário dela e faz alguma associação naquilo que for conveniente e sincronizado com o interesse nacional".



"Toda parceria é bem-vinda", disse Temer

No mês passado, o presidente da República, Michel Temer, já havia afastado a possibilidade de o controle acionário da Embraer ser transferido para a Boeing na negociação. “Toda parceria é bem-vinda. O que não está em cogitação é a transferência do controle”, disse Temer.

Etchegoyen participou de uma reunião com representantes de mais três ministérios, Forças Armadas e cúpula da segurança pública do Rio de Janeiro. O encontro tratou do plano de ações integradas para 2018 e terminou com a assinatura de um protocolo de intenções.

O ministro disse que o plano vai alinhar os esforços para melhorar a segurança pública no estado: "Os esforços não podem ser concorrentes, conflitantes ou redundantes", afirmou.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM