Jornal do Commercio
Febre Amarela

Mortes por febre amarela no estado do Rio chegam a 18

A Secretaria de Saúde do Rio confirmou mais uma morte neste sábado (3), em decorrência da doença

Publicado em 03/02/2018, às 19h51

O número de casos confirmados da doença aumentou para 42 / Foto: Bobby Fabisak/ JC Imagem
O número de casos confirmados da doença aumentou para 42
Foto: Bobby Fabisak/ JC Imagem
Agência Brasil

A Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro confirmou neste sábado (3) a morte de mais uma pessoa vítima de febre amarela no estado. No total, são 18 mortes por causa da doença, todas vítimas da febre amarela silvestre, ou seja, em regiões rurais. O número de casos confirmados da doença subiu para 42.

O município com o maior número de casos é o de Valença, no sul fluminense, com 14 confirmações. A cidade também registra o maior número de óbitos: cinco. Em seguida vem Teresópolis, na Região Serrana do estado, com três óbitos e sete casos da doença; duas mortes foram registradas em Nova Friburgo, também na Região Serranae em Rio das Flores, no sul fluminense – na primeira existem três casos confirmados e na segunda, dois.



Transmissão da doença

A Secretaria Estadual de Saúde lembra mais uma vez ressalta que os macacos não são responsáveis pela transmissão da febre amarela. A doença é transmitida através da picada de mosquitos. Ao encontrar macacos mortos ou doentes (apresentando comportamento anormal, como estar do grupo ou ter movimentos lentos), o cidadão deve informar o mais rápido possível as secretarias de Saúde.

A Secretaria reforça a importância das pessoas que ainda não se vacinaram buscarem um posto de saúde próximo de casa para serem imunizadas.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM