Jornal do Commercio
ROTINA VIOLENTA

No Rio, 15 crianças foram vítimas de bala perdida neste ano

Na noite da segunda-feira (14), um bebê de apenas seis meses, foi alvejado no Rio de Janeiro

Publicado em 16/05/2018, às 09h40

A polícia ainda não sabe a origem do disparo
 / Foto: Hélvio Romero/Estadão
A polícia ainda não sabe a origem do disparo
Foto: Hélvio Romero/Estadão
Estadão Conteúdo

Atingido por uma bala perdida no ombro, o bebê Caíque de Carvalho, de 6 meses, foi a décima quinta criança alvejada em 2018 na região metropolitana do Rio, onde houve em média 24 disparos por dia este ano, segundo o aplicativo Fogo Cruzado. Caíque foi atingido quando estava no colo da mãe, dentro de um colégio particular. O bebê foi submetido a uma cirurgia nesta terça-feira, 15, e está fora de perigo.

O pai do garoto, Carlos Figueiredo, desabou em uma rede social contra a violência no Estado.

"Nem na escola e no aconchegante colo da mãe nossos filhos estão livres do perigo", escreveu Figueiredo. Caíque foi baleado quando estava em um ambiente supostamente seguro, o Colégio São Vicente de Paulo, escola particular no Cosme Velho, bairro da zona sul.

Na noite de segunda-feira, dia 14, sua mãe o tinha nos braços enquanto esperava pelo irmão do bebê, de 6 anos. O garoto mais velho estava em uma aula de futebol. Ninguém relatou ter ouvido tiroteio próximo da escola.

A polícia ainda não sabe de onde partiu o disparo. O colégio fica a um quilômetro da Favela do Cerro Corá, mas não havia troca de tiros na comunidade no momento da ocorrência, segundo policiais. A escola também afirmou que não houve registro de ações envolvendo tiros no entorno. Ainda não se sabe de qual tipo de armamento veio o projétil.

Caíque está internado no Centro Pediátrico da Lagoa, onde foi submetido a cirurgia de mais de duas horas. O quadro é estável e ele movimenta os quatro membros. "A bala entrou pelo ombro e se alojou perto da medula, daí os cuidado para retirá-la", afirmou Gina Sgorlon, diretora do Prontobaby, rede que controla o Centro Pediátrico.



A família, abalada, não quis dar entrevista.

Entre os pais de outras crianças do Colégio São Vicente, o ambiente nesta terça era de consternação e medo. "Uma bala perdida em casa ou numa escola assusta porque esses são territórios que consideramos sagrados, onde deveríamos estar todos protegidos", disse Claudia Lamego, mãe de um aluno de 9 anos, que não foi à aula nesta terça.

Em nota, o São Vicente disse estar em atividade há 59 anos e ter sido "abruptamente inserido no mapa da violência que assola o Estado do Rio".

Números

De acordo com o app Fogo Cruzado, entre 1.º de janeiro e as 11 horas desta terça, foram registrados 3.269 tiroteios ou disparos de armas de fogo na região metropolitana do Rio, média de um por hora. Foram relatados 596 mortos e 505 feridos no período.

Em 484 casos, havia presença policial (em operações, ações e assaltos a agentes, por exemplo). O aplicativo analisa dados da violência armada e os divulga por meio de um mapa colaborativo. O bairro campeão de disparos entre janeiro e abril foi a Praça Seca, na zona oeste, com 120 registros.

Em seguida, vem Cidade de Deus (108), na zona oeste; Complexo do Alemão (78), na zona norte e Rocinha (76),na zona sul carioca. O Cosme Velho é um bairro de classe média onde não são registradas ocorrências policiais com frequência. Em 16 de fevereiro, o governo federal decretou intervenção na segurança do Rio. Depois disso, as polícias estão sob comando das Forças Armadas.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM